Conecte-se Conosco

Política

A influência da internet nas eleições no país

Publicado

em

Internet supera TV em influência na eleição. Com pouco espaço no horário eleitoral, Bolsonaro sustentou campanha em redes sociais e WhatsApp.

Em um mês de propaganda eleitoral, Geraldo Alckmin (PSDB) somou mais de seis horas de exposição em cada uma das emissoras abertas de televisão. O efeito foi quase nulo. O tucano variou de 6% para 9%, segundo as pesquisas do Datafolha.

No mesmo período, Jair Bolsonaro (PSL) saltou de 26% para 36%. Com tempo pífio na propaganda —teve 10 minutos somadas todas as inserções—, o capitão reformado sustentou sua campanha em novas mídias, o que já fazia antes do período eleitoral.

Bolsonaro concentra 42% das curtidas dadas a candidatos à Presidência no Facebook. É simbólico que represente quase o mesmo valor percentual que Alckmin acumulou do tempo de televisão no horário eleitoral, 44%. O tucano tem menos de 1/6 do número de seguidores de Bolsonaro na rede social.

Há ainda outra mídia que puxou a candidatura do presidenciável do PSL. No WhatsApp, Bolsonaro e seus eleitores inflaram a campanha, muitas vezes ancorada em mensagens com informações falsas.

Apoiadores do líder nas pesquisas formaram redes coordenadas no WhatsApp. Fabrício Benevenuto, professor da UFMG e coordenador do Projeto Eleições Sem Fake, que colabora com o Projeto Comprova, diz que é impossível medir o impacto do conteúdo replicado no aplicativo.

“Ele [WhatsApp] foi feito para ser reservado. O que fazemos é monitorar grupos cujos links são lançados publicamente para qualquer pessoa entrar. Notamos que a quantidade de informações falsas e distorcidas é enorme, mas o efeito bolha e as limitações do mensageiro invalidam análises quantitativas”, afirma.

No período eleitoral, o Folha Informações, serviço da Folha que checa conteúdo mandado por leitores, recebeu 1.339 mensagens pelo WhatsApp, 97% delas eram informações falsas ou distorcidas; 16% delas miravam Lula, Haddad ou outros representantes políticos do PT e todas eram negativas; Jair Bolsonaro foi alvo de 27% delas, sendo conteúdo positivo e negativo.

Segundo pesquisa Datafolha, 6 em cada 10 eleitores do Bolsonaro dizem ler notícias compartilhadas no aplicativo de troca de mensagens. Esse índice é menor entre os eleitores de Fernando Haddad, vice-líder na pesquisa de intenção de votos— 38% dos eleitores do petista afirmam consumir informações replicadas no aplicados.

No Facebook, segundo estudo do Monitor do Debate Político da USP, os apoiadores de Bolsonaro movimentaram 38 milhões de interações, cujos temas frequentemente eram de conteúdo antifeminista, antipetista e antimídia.

“Bolsonaro não ganhou um terço do eleitorado discutindo propostas, mas discutindo moralidade”, afirma Pablo Ortellado, um dos autores do estudo da USP e colunista da Folha. (Folha de S. Paulo – Paulo Passos e Débora Sögur Hous)

Seja sempre o primeiro a saber. Baixe o nosso aplicativo gratuito.


Siga-nos em nossas redes sociais FacebookTwitter e Instagram. Você também pode ajudar a fazer o nosso Blog, nos enviando sugestão de pauta, fotos e vídeos para nossa a redação do Blog do Silva Lima por e-mail blogdosilvalima@gmail.com ou WhatsApp (87) 9 9937-6606 ou 9 9101-6973.

Política

Meirelles aceita convite de Doria para a Fazenda e será 6º ministro de Temer no governo de SP

Publicado

em

O ex-ministro da Fazenda Henrique Meirelles (MDB) aceitou nesta terça-feira (11) o convite do governador eleito de São Paulo, João Doria (PSDB), para ser secretário da pasta no estado. Ele é o sexto ministro do governo Michel Temer (MDB) a integrar a equipe do tucano (veja os outros nomes abaixo).

Meirelles presidiu também o Banco Central, durante a gestão do do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, e foi candidato do MDB à Presidência da República neste ano.

Ele afirmou à GloboNews que quer continuar atuando no setor público.

“Eu resolvi assumir a Secretaria da Fazenda conjuntamente com a Secretaria de Planejamento e Gestão do estado de São Paulo. Eu tomei essa decisão porque eu já me preparei para continuar prestando serviços à população, trabalhando pra geração de emprego e renda no brasil. Aceitei esse convite porque é relevante, o estado de São Paulo é relevante na questão nacional. Vamos estar colaborando com outros estados, com treinamento. A minha decisão é a de continuar servindo ao país, ao invés de voltar para o setor privado”.

Meirelles nasceu em Anápolis, em Goiás, tem 73 anos, e é engenheiro formado pela USP, com mestrado em economia e administração pela Universidade Federal do Rio de Janeiro. Foi o mais longevo presidente do Banco Central, cargo que ocupou entre 2003 e 2011. Ficou no comando da Fazenda de entre 2016 e 2017 e foi o único brasileiro ocupar o posto de presidente mundial do BankBoston, onde trabalhou por 28 anos.

Também foi chairman do banco de investimentos Lazard Americas e senior advisor da gestora global KKR e fez parte dos conselhos de administração de varias instituições e empresas. Em 2002, foi eleito o deputado federal.

Meirelles foi o último secretário a ser anunciado por Doria e o sexto que integrou o governo Temer. O atual ministro do Turismo, Vinícius Lummertz, será secretário da pasta correspondente no estado. Doria anunciou o ministro das Cidades, Alexandre Baldy, para a Secretaria dos Transportes Metropolitanos, o atual ministro da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações , Gilberto Kassab, para a Casa Civil, Sérgio Sá Leitão (Cultura) para a Secretatria da Cultura e Rossieli Soares (Educação) para a mesma pasta. (Por G1 SP)

Seja sempre o primeiro a saber. Baixe o nosso aplicativo gratuito.

Siga-nos em nossas redes sociais FacebookTwitter e Instagram.Você também pode ajudar a fazer o nosso Blog, nos enviando sugestão de pauta, fotos e vídeos para nossa a redação do Blog do Silva Lima por e-mail blogdosilvalima@gmail.com ou WhatsApp (87) 9 9937-6606 ou 9 9101-6973.

Continue lendo

Política

Indicado de Bolsonaro para o Ministério do Meio Ambiente é réu em ação ambiental

Publicado

em

O futuro ministro do Meio Ambiente do governo do presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL), Ricardo de Aquino Salles, é réu de ação civil pública ambiental e de improbidade administrativa, movida pelo Ministério Público em São Paulo.

A ação da qual Salles é réu diz respeito à manipulação de um plano de manejo de uma Área de Proteção Ambiental (APA) para favorecer empresários quando era secretário estadual do Meio Ambiente no governo do tucano Geraldo Alckmin (PSDB).

São réus na mesma ação, a Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (FIESP) e outros dois funcionários públicos do Estado de São Paulo.

Segundo o MP-SP, “os citados agentes públicos agiram à sorrelfa [às escondidas] e com a clara intenção de beneficiar setores econômicos, notadamente a mineração, e algumas empresas ligadas à Fiesp. Foram incluídas ‘demandas’ da Fiesp que já haviam sido rejeitadas no momento oportuno”, escrevem os promotores de Justiça.

Os promotores acrescentam: “funcionários foram pressionados a elaborar mapas que não correspondiam à discussão promovida pelo órgão competente. Posteriormente, alguns funcionários foram perseguidos”. (Por Uol)

Seja sempre o primeiro a saber. Baixe o nosso aplicativo gratuito.

Siga-nos em nossas redes sociais FacebookTwitter e Instagram.Você também pode ajudar a fazer o nosso Blog, nos enviando sugestão de pauta, fotos e vídeos para nossa a redação do Blog do Silva Lima por e-mail blogdosilvalima@gmail.com ou WhatsApp (87) 9 9937-6606 ou 9 9101-6973.

 

Continue lendo

Política

Procuradores da Fazenda se rebelam contra Paulo Guedes

Publicado

em

Nem mesmo assumiu o cargo, o futuro ministro da Economia, Paulo Guedes, já enfrenta uma rebelião dos procuradores da Fazenda Nacional. Eles ameaçam entregar todos os cargos de chefia e parar o funcionamento do órgão se Guedes nomear o atual diretor do BNDES, Marcelo de Siqueira, para comandar a Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional (PGFN). Órgão vinculado ao Ministério da Fazenda, a PGFN é responsável por atuar na cobrança judicial das dívidas que as empresas e pessoas físicas têm com a União.

A PGFN também dá pareceres jurídicos sobre as decisões do Ministério da Fazenda, que será incorporado à nova pasta da Economia. Os procuradores alegam que Siqueira não é funcionário da PGFN e, portanto, não teria nenhum conhecimento da área para comandar o órgão. A categoria compara a escolha de Siqueira como a indicação de um “general do Exercito comandar a Marinha”.

Segundo o Estadão apurou, pelo menos 80 procuradores já anunciaram à equipe de transição que vão deixar o cargo, assim que Guedes confirmar a indicação de Siqueira. O presidente do Sindicato Nacional dos Procuradores da Fazenda Nacional (Sinprofaz), Achiles Frias, disse, porém, que são quase 300 procuradores com cargos em comissão que vão entregar os cargos. Eles prometem partir para o confronto e boicote de Siqueira. No total, são 2100 procuradores em todo o País.

“Assim que Siqueira for nomeado, ninguém vai trabalhar com ele. Não vai ter ninguém para trabalhar com ele”, disse Frias. Segundo ele, todos os procuradores vão entregar os cargos de chefia. “Eles não se sentirão confortáveis para trabalhar com uma pessoa que não sabe o trabalho que nós fazemos”, disse Frias. A categoria não tem restrições a nomes desde que seja um procurador da PGFN, disse.

Frias lembra que depois de um período de crise em 2015, quando dois procuradores caíram em menos de seis meses, a procuradoria entrou numa fase de tranquilidade. O órgão nesse período conseguiu evitar perda de R$ 2 trilhões para a União, segundo o sindicato.

Há praticamente duas décadas, a chefia da Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional é ocupada por um procurador da Fazenda Nacional (PFN). A categoria vê como um retrocesso uma mudança nessa tradição.

Procurada, a equipe de Guedes não quis comentar. Os procuradores votaram para definir a entrega dos cargos; 86% foram favoráveis ao movimento.

Receita

Além dos problemas com PGFN, o time de Guedes enfrenta resistências também na Receita Federal. Uma das categorias com maior poder de pressão do governo federal, com mobilizações históricas que impactaram a arrecadação e os despachos aduaneiros em portos e aeroportos, os auditores da Receita não gostaram da decisão de Guedes de colocar o órgão no terceiro escalão, sob o comando de Marcos Cintra, futuro secretario especial de Arrecadação. Há uma preocupação também de perda de influencia na formulação da política tributária, movimento que já foi admitido nos bastidores por integrantes da equipe de Guedes.

O futuro ministro ainda não anunciou o nome do novo secretário da Receita. O atual comandante da Receita, Jorge Rachid, teve reuniões com a equipe de Guedes. Ele foi cotado a permanecer no cargo, mas Guedes avalia outros nomes. Um dos cotados é o secretário adjunto, Paulo Ricardo Cardoso.

(Por Estado de S. Paulo)

Seja sempre o primeiro a saber. Baixe o nosso aplicativo gratuito.

Siga-nos em nossas redes sociais FacebookTwitter e Instagram.Você também pode ajudar a fazer o nosso Blog, nos enviando sugestão de pauta, fotos e vídeos para nossa a redação do Blog do Silva Lima por e-mail blogdosilvalima@gmail.com ou WhatsApp (87) 9 9937-6606 ou 9 9101-6973.

Continue lendo
Propaganda

Trending