Conecte-se Conosco

Tecnologia

Brasil fica em 87º lugar em ranking da internet mais rápida

Publicado

em

net

País registrou média de 5.5 Mbps, abaixo da média mundial; Coreia do Sul lidera a lista.

O Brasil ficou em 87º lugar no ranking do prestador de serviços em nuvem Akamai, que analisou os países que dispunham de internet mais rápida no terceiro semestre de 2016. O país registrou média de 5.5 Mbps, abaixo da média global de 6.3 Mbps.

Ainda assim, o Brasil apresento aumento de 15% na velocidade em comparação ao trimestre anterior. No balanço anual, o aumento foi ainda maior: 51%. A velocidade é próxima àquela registrada em países como Peru (5.3) e China (5.7).

De acordo com o site Quartz, a Coreia do Sul lidera a lista, com conexão de 26.3 Mbps. O pais é seguido por Hong Kong (20.1), Noruega (20), Suécia (19.7) e Suíça (18.4).

Continue lendo
Clique para comentar

Responder

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Tecnologia

Netflix faz sete anos e ganha concorrência no streaming

Publicado

em

Globoplay aposta na concorrência

No Brasil, a aposta mais alta na concorrência com a Netflix está sendo feita pela Globoplay. Em janeiro, o Grupo Globo refez toda a sua estratégia, deslocando o executivo João Mesquita para concentrar as diferentes iniciativas em streaming.

Até então a Globoplay era “uma ferramenta puramente de “catch up” da grade da TV Globo”, ou de recuperação da programação linear, segundo Mesquita, e “o grupo decidiu apostar nela como ponto de partida para um SVOD, mas numa ótica mais agressiva que a tradicional”.

O lançamento da série “The Good Doctor” na plataforma, marcando o início do novo projeto formatado ao longo do primeiro semestre, foi precedido promocionalmente pela transmissão dos dois primeiros episódios na nova sessão de filmes da TV Globo, denominada Globoplay.

Paralelamente, agora com catálogo maior e produções estrangeiras, o serviço já avisou aos assinantes do aumento da mensalidade, de R$ 15,90 para R$ 18,90, mais perto dos R$ 19,90 da Netflix.

Um dos maiores desafios da Globoplay, para Mesquita, será agora “convencer o consumidor brasileiro de que se trata de um serviço pelo qual vale a pena pagar, para ver conteúdos exclusivos”.

Também quase ao mesmo tempo, o grupo anunciou a criação de uma unidade de “inteligência digital” para administrar os dados de clientes de todas as áreas –com destaque precisamente para os 20 milhões de usuários únicos que a Globoplay teria registrado em julho.

No comando da nova unidade, entrou Eduardo Schaeffer, ex-diretor-geral da plataforma Zap. Há três semanas, num evento público em São Paulo, ele detalhou estar buscando uma “grande transformação” para o grupo como um todo, “porque os concorrentes mudaram”.

Agora eles são “empresas de tecnologia que atuam no ambiente de mídia e conseguem grande sucesso, porque têm modelos de negócio competitivos”. Sua tarefa será mostrar “como usar dados para chegar a quem interessa”, aos usuários do grupo, como fazem os concorrentes tão bem-sucedidos.

E o seu principal trunfo, acrescentou, é ser “a empresa privada com a maior abrangência do Brasil, perdendo eventualmente apenas para os Correios, em número de cidadãos impactados”.

Mesquita, falando antes do lançamento de “The Good Doctor”, referiu-se aos 20 milhões de usuários da Globoplay –por enquanto voltados na maioria ao “catch up”, sem precisar assinar, só cadastrar– novamente como um ponto de partida.

Seu trabalho será agora “convencê-los a pagar alguns reais para assistir ao resto do conteúdo que nós vamos disponibilizar”.

Ele projeta um catálogo extenso, com produções próprias do grupo, como a série “Além da Ilha” realizada pelo Multishow e mais popular, com o comediante Paulo Gustavo, junto àquelas que estão sendo adquiridas no exterior, como “The Good Doctor”, destaque entre as séries lançadas em 2017 nos Estados Unidos.

A ideia não é tirar séries da Globosat ou filmes do Telecine, que são empresas do mesmo grupo, mas contratar ou “produzir coisas novas”.

O consultor Guy Bisson, questionado sobre as perspectivas de êxito para essa transformação da Globoplay, disse que “tudo vai depender de conseguir as parcerias de conteúdo, em especial o acesso ao conteúdo local”.

Alertou que, em mercados europeus e outros, o primeiro serviço a fazer alguma sombra para a Netflix tem sido mesmo a Amazon. E que ambas têm priorizado conteúdo local para se destacarem.

“O Brasil tem sido um dos principais campos para o que vem sendo chamado de ‘globalização localizada’: produzir conteúdo em língua local, mas com apelo global”, a ser usado também em outros mercados, com sucesso.

Por outro lado, sublinhou Bisson, a disputa crescente e o fenômeno do empilhamento, tanto com a Amazon quanto com os serviços nacionais, têm forçado a Netflix a rejuvenescer o seu catálogo. No Brasil, hoje, mais de metade dos títulos oferecidos pela plataforma tem menos de dois anos.

Em geral um defensor de coproduções entre as TVs locais e os dois serviços multinacionais, como faz a BBC, ele diz que o caso da Globo, que há sete anos se recusa a licenciar conteúdo, é exceção –e pode ajudar agora, quando ela parte para o confronto com a Netflix e a Amazon.

Por Folhapress.

Seja sempre o primeiro a saber. Baixe o nosso aplicativo gratuito.


Siga-nos em nossas redes sociais FacebookTwitter e Instagram. Você também pode ajudar a fazer o nosso Blog, nos enviando sugestão de pauta, fotos e vídeos para nossa a redação do Blog do Silva Lima por e-mail blogdosilvalima@gmail.com ou WhatsApp (87) 9 9937-6606 ou 9 9101-6973.

Continue lendo

Tecnologia

Hackers com sonar descobrem senha de celular sem que o dono perceba

Publicado

em

Dispositivos biométricos para o destravamento, como reconhecimento facial ou a aplicação de impressão digital, devem diminuir eficácia desse tipo de prática

Existem aproximadamente 400 mil combinações possíveis para aquela senha gestual na tela do smartphone. Ainda assim, 20% dos usuários optam por apenas 12 padrões em comum.

Tal informação se torna mais preocupante com o estudo de pesquisadores da Universidade de Lancaster, no Reino Unido, que demonstra como furtar a senha gestual de smartphones utilizando apenas o sistema de microfone e alto-falante do aparelho.

Batizada de SonarSnoop, a técnica utilizada é como a de um sonar, com a emissão de ondas acústicas e a recepção de seus ecos. Sim, os pesquisadores conseguiram rastrear os movimentos dos dedos na tela de um smartphone analisando apenas os ecos.

A SonarSnoop reduz em cerca de 70% o número de padrões de senha que um invasor precisa utilizar, e isso pode ser feito sem que a vítima saiba que está sendo hackeada.

Não há motivo para alarmismo, no entanto – não existem relatos de algum golpe sendo aplicado dessa maneira. Mas o grupo mostrou a vulnerabilidade do sistema.

Uma vez que os smartphones mais novos costumam apresentar dispositivos biométricos para o destravamento, como reconhecimento facial ou a aplicação de impressão digital, a tendência é que a eficácia desse tipo de ataque diminua.

De qualquer forma, caso você utilize algum dos padrões ao lado em seu smartphone, vale ao menos mudar para uma senha menos manjada a fim de preservar a sua privacidade.

Por Folhapress.

Seja sempre o primeiro a saber. Baixe o nosso aplicativo gratuito.


Siga-nos em nossas redes sociais FacebookTwitter e Instagram. Você também pode ajudar a fazer o nosso Blog, nos enviando sugestão de pauta, fotos e vídeos para nossa a redação do Blog do Silva Lima por e-mail blogdosilvalima@gmail.com ou WhatsApp (87) 9 9937-6606 ou 9 9101-6973.

Continue lendo

Tecnologia

Facebook: 1 bilhão de perfis falsos foram removidos por desinformação

Publicado

em

Zuckerberg afirma que a rede removeu 196 páginas administradas por 87 perfis fake no Brasil

Em nota publicada em seu perfil no Facebook, Mark Zuckerberg, fundador da rede social, disse que a empresa hoje foca em evitar interferências eleitorais por desinformação e contas falsas. Segundo ele, entre outubro e março deste ano, o Facebook removeu cerca de 1 bilhão de perfis fakes na rede social.

Zuckerberg mencionou que o Facebook removeu uma rede de 196 páginas administradas por 87 perfis falsos no Brasil, que estariam disseminando notícias mentirosas e desinformação.

Entre os conteúdos removidos estão páginas ligadas a apoiadores de Jair Bolsonaro (PSL), ao Movimento Brasil Livre (MBL) e a Flávio Rocha, ex-candidato à Presidência pelo PRB, que disseram que as remoções são censura à opinião política dos perfis que as mantinham.

A remoção das páginas se tornou objeto de representação oferecida à procuradora-geral da República Raquel Dodge pelo procurador Ailton Benedito de Souza, do Ministério Público de Goiás. O procurador embasou pedido contra o Facebook alegando restrição de liberdade de expressão após audiência com representantes do MBL e do PSL (partido de Jair Bolsonaro). A nota escrita por Zuckerberg é a primeira de uma série que o executivo pretende publicar até o fim do ano.

Por Folhapress.

Seja sempre o primeiro a saber. Baixe o nosso aplicativo gratuito.


Siga-nos em nossas redes sociais FacebookTwitter e Instagram. Você também pode ajudar a fazer o nosso Blog, nos enviando sugestão de pauta, fotos e vídeos para nossa a redação do Blog do Silva Lima por e-mail blogdosilvalima@gmail.com ou WhatsApp (87) 9 9937-6606 ou 9 9101-6973.

Continue lendo

Trending