Conecte-se Conosco

Cultura

Cultura: Descoberta de jazidas de minérios de ferro em São José do Belmonte

Publicado

em

Em 1959, o Relatório da Comissão de Geologia e Minas do Estado de Pernambuco fez pela primeira vez referência sobre a existência de minério de ferro em São José do Belmonte.

Em fins de 1960, um sábado, os irmãos Afonso e Cassiano Rodrigues de Lima saíram com a finalidade de resolver questões particulares. Nas imediações das terras de Francisco Mariano da Cruz, conhecido como Chico da Pedreira, a alguns quilômetros do Povoado do Carmo, Cassiano viu uma “pedra preta” com brilho metálico e pesada diferente das rochas comuns. Maravilhado com a descoberta, disse ao irmão Afonso: “é prata, e estamos ricos!” Imediatamente Afonso sacou o seu facão e começou a tatear uma trilha, chegando a um morro, que denominou mais tarde de “Morro de São Jorge”, composto de um grande afloramento de minério de ferro.

Diante da estranha descoberta, os boatos logo ecoaram pela região. Dona Quina (Joaquina Nunes de Moura), esposa de Seu Afonso, pensava tratar-se do tesouro do fanático João Antônio dos Santos, da Pedra do Reino Encantado, dos movimentos Sebastianistas ocorridos naquelas imediações nos idos de 1838.

Logo após a descoberta das rochas, Seu Afonso enviou algumas amostras das mesmas para a Comissão de Geologia e Minas. Tratava-se de hematita, e os resultados das análises químicas foram os seguintes:

Laboratório de Produção Mineral: 67,5% de Fe;

Comissão de Geologia e Minas: 14,01% de SiO2, 84,6% Fe2 O3 e 59,22% de Fe.

Em 1961, o engenheiro de minas, Álvaro Alves Camelo, diretor técnico do Instituto Tecnológico do Estado de Pernambuco, interessado pela descoberta do ferro em Belmonte, destina verbas para a realização do levantamento topográfico final, baseado nas informações levantadas pelo também engenheiro de minas Francisco Moacir de Vasconcelos.

Em 1962, os concluintes do curso de engenharia de minas da Universidade Federal de Pernambuco, Gildo Sá e Vera Vasconcelos, realizaram seus relatórios de graduação nas ocorrências de minério de ferro de São José do Belmonte.

O engenheiro Álvaro Campelo, que fazia parte ativa da Comissão do Congresso Brasileiro de Geologia a ser realizado em Recife, solicitou que uma das visitas fosse nas ocorrências de ferro de São José do Belmonte.

Ainda em 1962, os irmãos Afonso e Cassiano Rodrigues protocolizaram no D.N.P.M., que tinha sede no Rio de Janeiro, requerimento de pesquisa recebendo os números de ordem 1310/62 e 1311/62.

A ocorrência de minério de ferro se expande da Paraíba, passando por Pernambuco, e indo até o Ceará.

Em 1963, o engenheiro civil Genaro Batista da Silva e o geólogo Andréa Gentil executaram o mapeamento geológico na escala 1:2500 da faixa mineralizada, compreendendo uma área de 27 Km². Obtiveram uma reserva medida de 1.320.000 t de minério e reserva inferida de 5.280.000 t., com teor de 42% de Fe.

Em 1964, o geólogo José Pompeu dos Santos executou o mapeamento da área, chegando a uma reserva inferida de 20.000.000 t. Um ano depois, em 1965, o engenheiro Álvaro Camelo realizou trabalhos de pesquisa nos setores São Jorge e Cassiano. Foi apresentado um relatório final de pesquisa, aprovado pelo D.N.P.M.

Em 1966, surge a Mineração Afonso R. Lima e Cia Ltda.

Por volta de 1967 surge a FERBEL (Ferro de Belmonte Ltda), constituída por Ricardo Coimbra de Almeida Brennand – diretor presidente; – Luiz Inácio Pessoa de Melo – diretor industrial; e Afonso Rodrigues de Lima – diretor comercial. Ricardo Brennand na época era acionista majoritário da antiga AÇONORTE; Luiz Pessoa de Melo idem com a Companhia Siderúrgica do Nordeste (COSINOR); e Afonso Rodrigues era acionista majoritário de sua empresa.

A FERBEL foi criada para aproveitar o minério de ferro de Belmonte em ferro-gusa, que é uma liga de ferro de carbono obtida pela fusão redutora do minério de ferro. Todo ferro gusa consumido em Pernambuco e no restante do Nordeste, vinha até então do Estado de Minas Gerais.

A implantação do primeiro forno foi um marco no desenvolvimento do município.

Por motivos operacionais, no início, o Forno 1 o pioneiro começou a acarretar também alguns problemas decorrente dos principais motivos:

– O minério de ferro de Belmonte é bastante diferente do então conhecido e tido como um dos melhores do mundo, o minério de Minas Gerais;

– Dificuldade de fixação de mão-de-obra especializada, uma vez que toda provinha de Minas Gerais;

– O carvão de Belmonte é feito da caatinga e o de Minas Gerais é de eucaliptos.

Em 1968, a Mineração Afonso R. Lima e Cia Ltda obtém concessão para lavrar minérios de ferro dentro do próprio município de Belmonte.

No ano de 1969, o empresário Afonso Rodrigues de Lima entra na SUDENE com o projeto de produção de ferro gusa, sendo o mesmo aprovado em 1970. Era um projeto audacioso para a época, consistia em 2 autos fornos para a produção de 60 t de gusa por dia, ou seja, 120 t de ferro gusa. O Forninho já produzia de 14 a 17 toneladas por dia. Nesse mesmo ano, a sociedade com Brennand é desfeita. A AÇONORTE é adquirida pela Siderúrgica Rio Grandense (Grupo GERDAU). A FERBEL é vendida ao próprio Afonso, que tem como avalista o próprio ferro gusa produzido pelo Forninho. Essa foi a fase áurea da FERGUSA e uma das fases mais promissoras que atravessou o Município de São José do Belmonte dentro de sua história econômica. O próspero industrial Afonso Rodrigues de Lima viaja para São Paulo e instala seu escritório no Largo do Ipiranga, com o objetivo de captar recursos oriundos do imposto de renda de pessoas físicas e jurídicas, posteriormente transformado no FINOR.

Conforme Atas arquivadas na JUCEPE (Junta Comercial do Estado de Pernambuco), a Mineração Afonso R. Lima S/A (FERGUSA) foi constituída em 26 de maio de 1970 sob o n° 1.558, contratada para desenvolvimento de projeto fergusa, isto é: extração e beneficiamento de minérios, fabricação de carvão vegetal e fabricação de ferro gusa.

Sediada no Parque Industrial Fergusa, em São José do Belmonte, a mesma possuiu escritório na Capital Pernambucana, primeiro na Rua Gervásio Pires; depois na Rua Jenner de Souza, 599 – Derby.

O marco de desenvolvimento que a FERGUSA trouxe para São José do Belmonte é imensurável. O aumento de renda do município e o aprimoramento de novas atividades industriais, mesmo de pequeno porte. Criação de novos núcleos populacionais, exigindo instalação de novas escolas, desenvolvendo o setor de assistência médica, aprimorando os recursos disponíveis, com instrução de novas técnicas, contribuindo enfim para o aumento do padrão de vida da comunidade belmontense com a conseqüente valorização do homem.

18 de dezembro de 1982, pode-se considerar esta data como a paralisação total das atividades da FERGUSA com prejuízo para a economia e desenvolvimento do Município. Quis a fatalidade que numa noite triste do sertão, a terra quente e queimada da caatinga sepultasse o precursor dessa siderúrgica, Afonso Rodrigues de Lima, desaparecido tragicamente em um acidente automobilístico.

A maniçoba, o algodão, o caroá e o ferro movimentaram por muitos anos a indústria de uma terra pobre, gerando empregos, dando ganho de vida a muitas criaturas, injetando sangue novo nas veias na minguada economia de São José do Belmonte.

A imensidão dos seringais de maniçoba desapareceram. O apito do caroá emudeceu. Os teares pararam. O ir e vir dos operários findou.

Também chegou ao fim o trânsito intenso dos caminhões carregados de enormes e pesados fardos de algodão na Rua das Pedrinhas.

A sirene da FERGUSA silenciou. As chamas luminosas do seu forno apagaram. A azáfama do operariado sumiu. As chaminés, apontando para o céu, resistem. São as testemunhas silenciosas da grandeza e decadência da indústria. Ventos contrários impediram a caminhada. Agora tudo de fogo morto.

Por Valdir José Nogueira de Moura

Colunista de cultura do Blog do Silva Lima

Cultura

Cecília Meireles e Malala terão obras distribuídas em escolas públicas

Publicado

em

De acordo com o novo PNLD, alunos da rede pública receberão exemplares de literatura em 2019, além do material didático

Foi quando fiz o estágio do curso de licenciatura em língua portuguesa, obrigatório em escolas da rede estadual para os alunos da Universidade de São Paulo, que descobri uma realidade triste: as crianças não estavam levando os livros didáticos para casa.

Eles eram usados em aula e guardados nos armários para que pudessem ser reutilizados pelas turmas seguintes. Isso está longe de ser uma novidade para pais e alunos da escola pública, mas é um assunto a ser debatido sempre.

Uma das professoras com que convivi, que prefere não se identificar, costumava dizer que, se seus alunos fossem capazes de deixar um bilhete inteligível ao patrão, ela já estaria satisfeita. Porque, dessa forma, saberia que eles ao menos estariam aptos a conseguir um trabalho. Isso foi em 2014.

Uma luz no fim do túnel se abriu na última semana. De acordo com o novo PNLD (Programa Nacional do Livro e do Material Didático Literário), alunos da rede pública receberão exemplares de literatura em 2019, além do material didático.

A escolha das obras, segundo o Ministério da Educação, será das próprias escolas credenciadas, a partir da opinião de diretores e professores. Professora de língua portuguesa do Colégio Presbiteriano Mackenzie, Margareth Tringoni vê a ação como uma forma de tentar personalizar o acesso à leitura.

“Esse sempre foi o sonho dos professores das escolas públicas, pelo menos o meu, quando lecionava no estado. A leitura na biblioteca, ou em projetos de sala de leitura, fica restrita ao ambiente. As crianças precisam de tempo e muitos estímulos para criar o gosto pela leitura. É imprescindível esse acesso individual, particular e customizado, em uma proposta séria de aquisição de vocabulário, de interpretação adequada do enredo e de despertar interesse pela leitura”, avalia ela.

No catálogo para o ensino médio, estão livros como a biografia da paquistanesa “Malala” (R$ 37,90, 216 págs., Seguinte, selo da Cia. das Letras), a mais jovem a receber um Prêmio Nobel da Paz; o clássico de ficção “Admirável Mundo Novo” (R$ 39,90, 312 págs., Biblioteca Azul, selo da Globo Livros), de Aldous Huxley; e poemas de Cecília Meireles (1901-1964). A previsão é que os estudantes recebam os dois livros literários.

“A vida difícil de Malala pode despertar o interesse dos jovens brasileiros. Estamos imersos em uma sociedade muitas vezes discriminatória, preconceituosa, violenta. A personagem vive conflitos fisicamente tão distantes do Brasil e tão próximos de nossa realidade. Essa situação de espelhar e buscar referências atrai os jovens. Além dos aspectos culturais envolvidos nessa obra literária, temos valores altruístas oferecidos para uma população carente de bons exemplos”, avalia a professora Margareth.

Questionado, o Programa Nacional do Livro e do Material Didático Literário afirma que a determinação legal é que os livros, reutilizáveis ou consumíveis, sejam entregues aos alunos e possam ser levados para casa. Sendo que os últimos devem ser conservados e devolvidos ao fim do ano. Diz ainda que as obras literárias destinadas aos alunos devem ser entregues em caráter definitivo.

Meu avô Vlademir Masutti, a quem dedico esta coluna, foi quem sempre me incentivou a ter curiosidade sobre o mundo. Era um sonhador e imaginava uma realidade ao seu redor mais colorida e interessante do que muitas vezes ela era.

Foi marceneiro, contador, empresário, praticante de tai chi chuan e palmeirense fervoroso. Amava observar o mar e as estrelas. E escrevia muito bem, além de esbanjar uma caligrafia elegante.

Considero essa busca descompromissada pelo conhecimento e a maneira mágica de ressignificar a vida a maior herança que ele me deixou. São elementos literários que, assim como a cultura, nada nem ninguém nunca vai poder tirar de nós.

Por Folhapress.

Seja sempre o primeiro a saber. Baixe o nosso aplicativo gratuito.

Siga-nos em nossas redes sociais FacebookTwitter e Instagram. Você também pode ajudar a fazer o nosso Blog, nos enviando sugestão de pauta, fotos e vídeos para nossa a redação do Blog do Silva Lima por e-mail blogdosilvalima@gmail.com ou WhatsApp (87) 9 9937-6606 ou 9 9101-6973.

Continue lendo

Cultura

Série ‘Punho de Ferro’ é cancelada após duas temporadas

Publicado

em

Elenco foi informado de surpresa sobre o cancelamento, diz site

Asérie “Punho de Ferro”, produzida pela Marvel em parceria com a Netflix, foi cancelada após duas temporadas. Segundo o site Deadline, o elenco foi informado de surpresa sobre o cancelamento, nesta sexta-feira (12).

“Punho de Ferro” é baseada no personagem homônimo dos quadrinhos e integra o universo compartilhado dos filmes da Marvel. A série é uma das quatro que deram origem a “Os Defensores”, com “Demolidor”, “Jessica Jones” e “Luke Cage”.

Estrelada por Finn Jones, “Punho de Ferro”, cujas temporadas estrearam em março de 2017 e setembro de 2018, teve ao todo 23 episódios.

Por Notícias ao Minuto

Seja sempre o primeiro a saber. Baixe o nosso aplicativo gratuito.

Siga-nos em nossas redes sociais FacebookTwitter e Instagram. Você também pode ajudar a fazer o nosso Blog, nos enviando sugestão de pauta, fotos e vídeos para nossa a redação do Blog do Silva Lima por e-mail blogdosilvalima@gmail.com ou WhatsApp (87) 9 9937-6606 ou 9 9101-6973.

 

Continue lendo

Cultura

Amy Winehouse voltará aos palcos na forma de holograma

Publicado

em

Lucro da turnê será destinado à Fundação Amy Winehouse, que ajuda jovens que sofrem de abuso de substâncias e outros problemas

Fãs de Amy Winehouse – que morreu em 2011, aos 27 anos – poderão ver a cantora no palco novamente. Desta vez, a cantora aparecerá em show na forma de holograma. A informação foi dada pelo pai da artista, Mitch Winehouse, à agência de notícias Reuters.

Com estreia prevista para 2019, o show será criado pela empresa que produziu turnês semelhantes para o músico Roy Orbison e para a cantora de ópera Maria Callas. A turnê com as músicas de Amy deve rodar o mundo durante três anos.

Como explica a publicação, os shows terão uma banda, que acompanhará, ao vivo, gravações originais da voz da cantora.

Segundo Mitch Winehouse, o lucro da turnê será destinado à Fundação Amy Winehouse, que foi criada após a morte da cantora para ajudar jovens que sofrem de abuso de substâncias e outros problemas.

“Fãs têm clamado por algo novo de Amy, mas, na verdade, não há nada novo” em termos de música, disse Mitch. “Nós sentimos que essa seria uma maneira incrível tanto de Amy revisitar seus fãs por meio de um holograma como de arrecadar dinheiro para nossa fundação”.

Amy Winehouse morreu em julho de 2011, aos 27 anos, em sua casa em Londres. Ela foi vítima de envenenamento por álcool.

O holograma será desenvolvido pela BASE Hologram. Com a ajuda de uma atriz, que imitará os movimento de palco da cantora, a empresa criará o holograma com próteses e imagens geradas por computador, informou o diretor executivo da empresa, Brian Becker. Segundo ele, a tecnologia permite que a projeção se mova pelo palco.

“Faremos o melhor que pudermos em termos de honrar seu legado”, disse Becker. Ele informou também que o show deve durar entre 75 minutos e 110 minutos.

Por Notícias ao Minuto

Seja sempre o primeiro a saber. Baixe o nosso aplicativo gratuito.

Siga-nos em nossas redes sociais FacebookTwitter e Instagram. Você também pode ajudar a fazer o nosso Blog, nos enviando sugestão de pauta, fotos e vídeos para nossa a redação do Blog do Silva Lima por e-mail blogdosilvalima@gmail.com ou WhatsApp (87) 9 9937-6606 ou 9 9101-6973.

Continue lendo
Propaganda

Trending