Conecte-se Conosco

Mundo

Falta de dinheiro na Venezuela provoca protestos e saques

Publicado

em

dinheiro_venez

“Tentativas de saque em vários lugares do país. Situação agravada por falta de dinheiro. Novas cédulas não aparecem”, disse o presidente do Parlamento.

A abrupta retirada do mercado da cédula de maior valor na Venezuela (de 100 bolívares), ordenada pelo presidente Nicolás Maduro, e o atraso na circulação de novas moedas e notas geraram protestos e saques em várias cidades do país nesta sexta-feira (16).

“Tentativas de saque em vários lugares do país. Situação agravada por falta de dinheiro. Novas cédulas não aparecem”, disse o presidente do Parlamento, o opositor Henry Ramos Allup, em sua conta no Twitter.

Em Maracaibo, no oeste do país, a segunda maior cidade, grupos que protestavam pela falta de dinheiro enfrentaram policiais, jogando pedras nos agentes.

E, em Maturín, a capital de Monagas, ao leste, dezenas de pessoas também foram às ruas e bloquearam uma das principais avenidas da cidade.

O deputado opositor Antonio Barreto Sira afirmou que houve “situações tensas” em El Callao, Tumeremo e San Félix, no Estado de Bolívar. Ele compartilhou fotos, nas quais se vê um grupo de pessoas quebrando a entrada de uma loja e tentando entrar à força.

O deputado da oposição disse por meio do Twitter que autoridades municipais confirmaram a ele três mortes na cidade de El Callao, no Estado de Bolívar, sul da Venezuela, em decorrência do caos por falta de moeda. “Um comerciante asiático, um homem e uma mulher. Saldo lamentável”, disse ele.

As agências de notícias ainda não conseguiram confirmar as mortes.

“Passei pelo mercado, e estava tudo militarizado. Saquearam um caminhão de frango, e um grupo de velhinhos estava na porta do banco protestando porque queria dinheiro”, relatou o agricultor Juan Carlos Leal, de Maturín.

Na cidade costeira de Puerto la Cruz, em Anzóategui (leste), “houve tumulto porque as pessoas queriam sacar dinheiro do banco e não deixaram”, explicou Génesis, que trabalha em uma padaria da cidade.

“Para controlar a situação, a polícia atirou para o alto e determinou o fechamento das lojas”, relatou Génesis, que disse temer represálias.

No Twitter, multiplicaram-se as denúncias de protestos em estados como Bolívar (sul), Mérida, Táchira e Zulia (oeste). Muitas foram feitas pela página on-line de jornalismo cidadão “Reporte Ya”.

Em Santa Bárbara, Barinas (oeste), a imprensa local informou que um grupo de pessoas tentou abrir, à força, um carro-forte que transportava dinheiro. Os motoristas teriam atirado, e haveria quatro feridos.

FALTA DE DINHEIRO

A retirada em apenas três dias da nota de 100 bolívares (0,15 dólar), a de maior valor em circulação no país, foi ordenada por Maduro para acabar com supostas “máfias” instaladas, sobretudo, na Colômbia.

Embora o presidente tenha anunciado que a saída de circulação das notas coincidiria, na quinta-feira (15), com a progressiva entrada de novas cédulas (de maior valor), não há sinal das primeiras moedas prometidas de 10, 50 e 100 bolívares, tampouco das notas de 500.

Na noite desta sexta-feira (16), Maduro condenou “os grupos de vândalos e violentos que há por aqui”. “Já identificamos alguns em fotos e vídeos nos atos de vandalismo de hoje e há deputados da MUD” (Mesa da Unidade Democrática, oposição).

“A imunidade (parlamentar) não lhes protege porque são crimes em flagrante, e espero a ação da justiça com a maior celeridade”.

“Serão capturados e postos atrás das grades nas próximas horas. Mão de ferro, compadre!”, gritou Maduro, que não nomeou os deputados identificados.

Com informações da Folhapress.

Continue lendo
Clique para comentar

Responder

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mundo

Ex-presidente e atual senadora Cristina Kirchner é processada em caso de subornos na Argentina

Publicado

em

ex-presidente da Argentina Cristina Kirchner foi processada nesta segunda-feira (17) pelo juiz Claudio Bonadio no caso conhecido como “Cadernos da Corrupção”, no qual é acusada de chefiar um esquema de corrupção para desviar milhões de dólares de obras públicas.

De acordo com o jornal “La Nación”, o juiz responsável pelo caso ainda determinou a prisão preventiva da ex-mandatária, mas ela tem foro privilegiado e deverá responder em liberdade. No entanto, a medida precisará ser aprovada pelo Senado, que pode aceitar a perda de sua imunidade. Com a decisão da justiça argentina, Cristina passa a responder a um total de cinco processos. Segundo as investigações, a senadora e seu marido, o ex-presidente Néstor Kirchner (2003-2007), já falecido, receberam malas de dinheiro obtidas por meio de construtoras e empresas de energia.

O escândalo de corrupção foi revelado após uma reportagem do jornal argentino “La Nación”, o qual informou que o motorista Oscar Centeno, do Ministério do Planejamento, detalhou o trajeto do dinheiro lavado do governo em oito cadernos escolares, por ser o responsável pelas entregas.

A imprensa batizou o caso como “Cadernos da Corrupção”. Os documentos apresentam a origem e destino do dinheiro, incluindo a data, horário, placas de carro, valores, nomes e endereços de todos os envolvidos.

Segundo os dados, o esquema envolveu mais de 20 empresas e movimento mais de US$160 milhões. Com a revelação, o magistrado Bonadio determinou a prisão de 12 empresários e ex-funcionários do governo, além de pedir a retirada do foro privilegiado de Kirchner. (ANSA)

Seja sempre o primeiro a saber. Baixe o nosso aplicativo gratuito.


Siga-nos em nossas redes sociais FacebookTwitter e Instagram. Você também pode ajudar a fazer o nosso Blog, nos enviando sugestão de pauta, fotos e vídeos para nossa a redação do Blog do Silva Lima por e-mail blogdosilvalima@gmail.com ou WhatsApp (87) 9 9937-6606 ou 9 9101-6973.

Continue lendo

Mundo

Evangélicos mantêm apoio a Trump na expectativa por conservadorismo

Publicado

em

A indicação do conservador Brett Kavanaugh para a Suprema Corte foi um aceno a esses eleitores

JÚLIA ZAREMBA – O relacionamento entre Donald Trump e os americanos brancos evangélicos, que representam boa parte de sua base eleitoral, é complicado. Se por um lado apoiam as posições conservadoras do presidente, desaprovam suas ações contra imigrantes e seus supostos affairs.

Mas nenhum escândalo parece abalar o apoio do grupo à atual presidência. Pesquisa feita pelo Public Religion Research Institute, centro de pesquisas americano, divulgada em abril mostrou que o apoio de brancos evangélicos a Trump chegou a 75%, enquanto entre os americanos a média era de 42% – o maior índice em 15 meses.

“Eles estão dispostos a ignorar o autoritarismo, a infidelidade, o racismo e outras coisas porque querem juízes conservadores e políticas conservadoras no que diz respeito a aborto, armas e casamento entre pessoas do mesmo sexo”, afirma Matthew Dalek, historiador político da Universidade George Washington.

A indicação do conservador Brett Kavanaugh para a Suprema Corte, que já afirmou que pode rever o caso que legalizou o aborto no país em 1973, foi um aceno a esses eleitores.

O Senado deve votar o nome – o segundo indicado por Trump em sua gestão, após o também conservador Neil Gorsuch, nesta semana.

“Ele parece ser uma pessoa que defenderia a liberdade religiosa e os direitos dos não nascidos, além de ser um cara bem esperto e capaz”, afirma Galen Carey, vice-presidente de relações governamentais da Associação Nacional de Evangélicos dos EUA (Nae, na sigla em inglês), que representa 45 mil igrejas. “Acho que, no geral, os evangélicos estão satisfeitos com ele.”

A liberdade religiosa foi um dos pontos de atrito com o governo Barack Obama (2009-17), criticado por forçar empregadores cristãos a agirem contra a sua fé ao exigir que contratassem planos de saúde empresariais que distribuíssem métodos contraceptivos.

Em maio de 2017, cumprindo uma promessa de campanha, Trump assinou uma ordem executiva para proteger a liberdade religiosa, mas não atendeu a todas as demandas dos grupos conservadores.

O apoio de Obama ao casamento de pessoas do mesmo sexo, direito que foi reconhecido pela Suprema Corte em 2015, também não agradava os evangélicos. “Eles viam a gestão democrata como uma ameaça ao país”, diz John Fea, professor de história e autor de “Believe Me: The Evangelical Road to Donald Trump” (creia em mim: a estrada evangélica a Donald Trump).

A insatisfação dos evangélicos com os rumos da política americana não é recente, explica Fea. Em 1960, a Suprema Corte proibiu a leitura da Bíblia em escolas públicas. Na década de 1970, o caso Roe v. Wade legalizou o aborto no país. Mais de 20 anos depois, Bill Clinton, um presidente que defendia o direito ao aborto, se envolveu em um caso com sua estagiária na Casa Branca.

“Trump representa um conforto para os evangélicos, que já não se sentem tão ansiosos quanto antes”, afirma Fea.

A diferença em relação aos antecessores, diz ele, é que Trump realmente “luta pelas causas” do grupo e é visto como um “homem forte”. Entre os eleitores brancos evangélicos, mais de 80% votaram em Trump nas eleições de 2016.

O especialista afirma, contudo, que o apoio a um homem “adúltero e que mente com frequência” pode causar danos à imagem evangélica. “Ao fazer um acordo com Trump, eles viraram quase que um grupo de lobby que usa o presidente para obter o que quer”, diz. “Do ponto de vista do sistema de crenças cristão, isso é problemático.”

Na lista de ações do republicano que mais desagradam os evangélicos estão a política de tolerância zero contra imigrantes, atos que estimulam a emissão de poluentes e as suspeitas de casos extraconjugais, afirma Carey, da Nae.

“São preocupações cruciais, não é bem o exemplo de líder que queremos para as nossas crianças”, diz. “Mas queremos que ele tenha sucesso, pois assim o país também terá.”

A resistência é maior entre líderes evangélicos, segundo Janelle Wong, autora de “Immigrants, Evangelicals and Politics in an Era of Demographic Change” (imigrantes, evangélicos e política na era de mudanças demográficas). “Mas há grande alinhamento entre as posições do presidente e as da massa de fiéis.”

75% é o apoio médio a Trump entre americanos evangélicos brancos, segundo pesquisa do Public Religion Research Institute em abril

42% era o apoio entre a população em geral de acordo com o mesmo levantamento

25,4% da população americana se declara evangélica, segundo o Centro de Pesquisa Pew (o Censo não afere religião); destes, 3 em cada 4 são brancos.

Por Folhapress- JÚLIA ZAREMBA

Seja sempre o primeiro a saber. Baixe o nosso aplicativo gratuito.


Siga-nos em nossas redes sociais FacebookTwitter e Instagram. Você também pode ajudar a fazer o nosso Blog, nos enviando sugestão de pauta, fotos e vídeos para nossa a redação do Blog do Silva Lima por e-mail blogdosilvalima@gmail.com ou WhatsApp (87) 9 9937-6606 ou 9 9101-6973.

Continue lendo

Mundo

Furacão Florence deixa 11 mortos e causa enchentes nos Estados Unidos

Publicado

em

Mais inundações podem atingir os estados de Carolina do Sul e do Norte nas próximas horas

Ao menos onze pessoas morreram após chuvas torrenciais provocadas pelo furacão Florence, nos estados de Carolina do Norte e Carolina do Sul, nos EUA.

Foram registrados inúmeros pontos de inundação e cerca de 900 mil casas e empresas ficaram sem energia.

Apesar de ter diminuído de intensidade desde que atingiu a costa americana, na sexta-feira (14), o furacão ainda ameaça deixar grande parte da região alagada.

Os moradores estão sendo resgatados de helicóptero ou barco e milhares de pessoas aguardam em abrigos. Algumas estradas também foram fechadas por risco de deslizamento de terra e rachaduras.

Por Folhapress.

 

Seja sempre o primeiro a saber. Baixe o nosso aplicativo gratuito.


Siga-nos em nossas redes sociais FacebookTwitter e Instagram. Você também pode ajudar a fazer o nosso Blog, nos enviando sugestão de pauta, fotos e vídeos para nossa a redação do Blog do Silva Lima por e-mail blogdosilvalima@gmail.com ou WhatsApp (87) 9 9937-6606 ou 9 9101-6973.

Continue lendo

Trending