Conecte-se Conosco

Tecnologia

Hackers com sonar descobrem senha de celular sem que o dono perceba

Publicado

em

Dispositivos biométricos para o destravamento, como reconhecimento facial ou a aplicação de impressão digital, devem diminuir eficácia desse tipo de prática

Existem aproximadamente 400 mil combinações possíveis para aquela senha gestual na tela do smartphone. Ainda assim, 20% dos usuários optam por apenas 12 padrões em comum.

Tal informação se torna mais preocupante com o estudo de pesquisadores da Universidade de Lancaster, no Reino Unido, que demonstra como furtar a senha gestual de smartphones utilizando apenas o sistema de microfone e alto-falante do aparelho.

Batizada de SonarSnoop, a técnica utilizada é como a de um sonar, com a emissão de ondas acústicas e a recepção de seus ecos. Sim, os pesquisadores conseguiram rastrear os movimentos dos dedos na tela de um smartphone analisando apenas os ecos.

A SonarSnoop reduz em cerca de 70% o número de padrões de senha que um invasor precisa utilizar, e isso pode ser feito sem que a vítima saiba que está sendo hackeada.

Não há motivo para alarmismo, no entanto – não existem relatos de algum golpe sendo aplicado dessa maneira. Mas o grupo mostrou a vulnerabilidade do sistema.

Uma vez que os smartphones mais novos costumam apresentar dispositivos biométricos para o destravamento, como reconhecimento facial ou a aplicação de impressão digital, a tendência é que a eficácia desse tipo de ataque diminua.

De qualquer forma, caso você utilize algum dos padrões ao lado em seu smartphone, vale ao menos mudar para uma senha menos manjada a fim de preservar a sua privacidade.

Por Folhapress.

Seja sempre o primeiro a saber. Baixe o nosso aplicativo gratuito.


Siga-nos em nossas redes sociais FacebookTwitter e Instagram. Você também pode ajudar a fazer o nosso Blog, nos enviando sugestão de pauta, fotos e vídeos para nossa a redação do Blog do Silva Lima por e-mail blogdosilvalima@gmail.com ou WhatsApp (87) 9 9937-6606 ou 9 9101-6973.

Continue lendo
Clique para comentar

Responder

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Tecnologia

Spotify permitirá que músicos independentes publiquem seus trabalhos

Publicado

em

Artistas terão direito a 50% da receita e 100% dos royalties das composições

Spotify deve lançar em breve um novo programa, que dará a chance de artistas independentes difundirem a sua música: o The Verge.

Vale destacar, no entanto, que a novidade ainda está longe de ser tão democrática quanto o SoundCloud. Além da faixa de música, o artista terá de carregar uma imagem para acompanhá-la, escolher um dia para a música ser lançada e introduzir alguma informação adicional simples, sendo que tudo isto será alvo de revisão do Spotify.

Quando se aproximar a data de lançamento da(s) faixa(s), o Spotify poderá remover o carregamento, caso este viole a política de utilização do serviço de streaming.

Além da difusão da música, o que mais os artistas podem esperar do programa? Eles também terão direito a 50% da receita obtida, assim como 100% de royalties mensais. O The Verge ainda está em fase de teste, mas o lançamento deve ocorrer até o fim do ano.

Por Notícias ao Minuto

Seja sempre o primeiro a saber. Baixe o nosso aplicativo gratuito.


Siga-nos em nossas redes sociais FacebookTwitter e Instagram. Você também pode ajudar a fazer o nosso Blog, nos enviando sugestão de pauta, fotos e vídeos para nossa a redação do Blog do Silva Lima por e-mail blogdosilvalima@gmail.com ou WhatsApp (87) 9 9937-6606 ou 9 9101-6973.

Continue lendo

Tecnologia

Novo satélite caçador de planetas faz suas duas primeiras descobertas

Publicado

em

Nessa largada, dois grupos independentes chegaram quase juntos ao mesmo achado, o planeta Pi Mensae c

Tess (Transiting Exoplanet Survey Satellite), novo telescópio espacial da Nasa destinado a caçar planetas fora do Sistema Solar, já concluiu sua sequência inicial de observações, e começam a pipocar as primeiras descobertas, inaugurando uma espécie de “corrida pelos planetas do Tess”.

Por ora são só dois novos mundos, achados a partir de dados preliminares, disponíveis num sistema de alerta criado pela própria equipe responsável pelo telescópio espacial para disparar avisos de interesse para a comunidade astronômica quando o satélite detecta algo relevante.

Nessa largada, dois grupos independentes chegaram quase juntos ao mesmo achado, o planeta Pi Mensae c. Trata-se de uma superterra numa órbita extremamente curta ao redor dessa estrela do tipo G, similar ao Sol, localizada a 60 anos-luz de distância na constelação austral da Meseta (Mensa). O consensual entre os dois grupos é que o planeta é incapaz de abrigar vida -quente demais e gasoso demais. Mas é quase só isso em que eles concordam com exatidão absoluta.

O primeiro artigo, submetido no dia 16 como uma AAS Letter (serviço de notificação da Sociedade Astronômica Americana), tem participação da equipe responsável pelo satélite e sugere que o planeta tem período orbital de 6,27 dias, diâmetro 2,14 vezes maior que o da Terra. Complementando o achado do Tess com dados espectrográficos de arquivo colhidos por telescópios em solo, os pesquisadores concluíram que a massa do planeta gira ao redor de 4,8 vezes a terrestre.

O segundo artigo, submetido apenas quatro dias depois ao periódico Astronomy & Astrophysics, vem de um grupo independente. Eles também confirmam a existência do planeta, pelos mesmos métodos, mas chegam a parâmetros ligeiramente diferentes: órbita de 6,25 dias, diâmetro 1,83 vez maior que o da Terra, e massa de 4,51 vezes a terrestre.

Todo mundo na comunidade de exoplanetas sabe que essas estimativas são mesmo variáveis, porque dependem de parâmetros que não estão precisamente estabelecidos. Por exemplo, ao detectar um trânsito planetário -a pequena redução de brilho da estrela conforme um mundo ao seu redor passa à frente dela com relação a observadores na Terra-, os astrônomos podem estimar o tamanho do planeta comparado ao tamanho da estrela. Mas se o tamanho da estrela não é precisamente conhecido, é difícil precisar o tamanho do planeta. Daí pequenas variações no tamanho.

Com relação à massa, há a mesma incerteza, dessa vez ligada à massa da estrela-mãe, em contraposição à do planeta.

Então, na prática, o jeito certo de ler esses artigos é interpretá-los como uma corroboração aproximada um do outro. É muito improvável que não haja um planeta Pi Mensae c com período de aproximadamente 6,2 dias, diâmetro entre 1,8 e 2,2 do terrestre e massa entre 4,5 e 5 da terrestre.

Esses números sugerem que se trata de um planeta menos denso que a Terra, provavelmente com um grande invólucro gasoso, mais como um mininetuno do que como uma superterra.

O curioso sobre esse sistema é que já havia um planeta conhecido ao redor dele, um gigante gasoso com uma órbita altamente excêntrica (oval) de 5,7 anos. Então agora são dois os planetas conhecidos por lá, e suas órbitas sugerem que a formação do sistema foi cheia de encontros, desencontros e migrações planetárias.

O OUTRO ACHADO

Por fim, a segunda descoberta veio mais uma vez da equipe do MIT responsável pelo satélite e foi submetida no dia 19 ao Astrophysical Journal Letters. Trata-se de um planeta ao redor da estrela anã vermelha LHS 3844, localizada a 49 anos-luz de distância.

Esse sim tem parâmetros um pouco mais comparáveis ao da Terra, com diâmetro 1,32 vez o terrestre, mas também não ajuda muito em termos da busca por vida: completando uma volta em torno da estrela a cada 11 horas, ele com certeza é um inferno escaldante.

PARA ONDE AGORA?

O aspecto mais especial dessas primeiras descobertas -e de outras que virão com o TESS- é o fato de que ambos estão orbitando estrelas próximas e relativamente brilhantes (Pi Mensae é até visível a olho nu, no limite da acuidade visual, em locais sem poluição luminosa), o que permitirá que a próxima geração de telescópios no espaço e em solo seja capaz de sondar sua atmosfera por espectroscopia, determinando a composição de seu invólucro de gases.

Com isso, abre-se uma grande janela para caracterizarmos esses planetas com maior precisão e entendermos em que circunstâncias pode surgir um mundo capaz de abrigar vida, como o nosso.

Sem falar que esses achados são apenas os que “queimaram a largada”, por assim dizer, com os dados do Tess. Espera-se que a equipe responsável pela missão produza catálogos periódicos de planetas e candidatos a planetas com números bastante expressivos de maneira periódica. Esse, digamos, foi só o aperitivo, baseado nos dados das primeiras observações -27 dias seguidos olhando para uma mesma faixa do céu -, descarregados do satélite no último dia 5.

Por Folhapress. 

 

Seja sempre o primeiro a saber. Baixe o nosso aplicativo gratuito.


Siga-nos em nossas redes sociais FacebookTwitter e Instagram. Você também pode ajudar a fazer o nosso Blog, nos enviando sugestão de pauta, fotos e vídeos para nossa a redação do Blog do Silva Lima por e-mail blogdosilvalima@gmail.com ou WhatsApp (87) 9 9937-6606 ou 9 9101-6973.

Continue lendo

Tecnologia

Astronautas estarão expostos a radiação em eventual viagem a Marte

Publicado

em

No espaço, sem o forte campo magnético da Terra e sem atmosfera, o incessante bombardeio de raios cósmicos tem o potencial de causar sérios danos

Os astronautas de uma futura viagem a Marte estarão expostos, na ida e volta ao planeta vermelho, a cerca de 60% do total de radiação recomendada para toda a sua carreira profissional, refere um estudo divulgado na noite de quarta-feira (19).

A Agência Espacial Europeia (ESA) chegou a esta conclusão, que apresentou no Congresso Europeu de Ciências Planetárias EPSC), que acontece esta semana em Berlim, após analisar dados recolhidos por satélites da missão ExoMars, um projeto em que também participa a agência espacial russa Roscosmos.

No espaço, sem o forte campo magnético da Terra e sem atmosfera, o incessante bombardeio de raios cósmicos “tem o potencial de causar sérios danos aos humanos”, indicou a ESA, em comunicado.

Esta exposição, muito maior do que a dos astronautas que trabalham na Estação Espacial Internacional, eleva o risco de câncer, além de deixar sequelas no sistema nervoso central e provocar enfermidades degenerativas, segundo a ESA.

“Um dos fatores básicos na planificação e desenho de uma missão tripulada de longa duração a Marte é calcular os riscos derivados da radiação”, explicou Jordanka Semkova, da Academia de Ciências búlgara.

Por Lusa. 

Seja sempre o primeiro a saber. Baixe o nosso aplicativo gratuito.


Siga-nos em nossas redes sociais FacebookTwitter e Instagram. Você também pode ajudar a fazer o nosso Blog, nos enviando sugestão de pauta, fotos e vídeos para nossa a redação do Blog do Silva Lima por e-mail blogdosilvalima@gmail.com ou WhatsApp (87) 9 9937-6606 ou 9 9101-6973.

Continue lendo
Propaganda

Trending