Conecte-se Conosco

Educação

Mendonça anuncia R$ 1,2 mi para Instituto do Fígado

Publicado

em

 

O Ministério da Educação investirá R$ 1,25 milhão no projeto “Pesquisa clínica e básica no âmbito das doenças gastro-hepáticas crônicas”, do Instituto do Fígado e de Transplantes de Pernambuco (IFP) e da Universidade de Pernambuco (UPE). O anúncio foi feito pelo ministro Mendonça Filho, na manhã desta segunda-feira, 12, juntamente com representantes da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), autarquia vinculada ao MEC, na sede do IFP, no Recife.

“Com esse investimento, a gente consegue contribuir para a formação médica de novos profissionais vinculados à saúde, médicos e enfermeiros, que terão atuação cada vez mais especializada no tratamento das doenças ligadas ao fígado”, explicou Mendonça Filho. “Temos também o desenvolvimento de pesquisas para que possamos avançar na solução de doenças que afetam crianças e adultos em Pernambuco e no Brasil”.

O ministro aproveitou a oportunidade para lembrar que o IFP tem atuação significativa no país e é reconhecido não só em Pernambuco, mas em todo o Brasil: “Esse espaço tem muita credibilidade no que diz respeito a pesquisas relacionadas ao fígado e, ao mesmo tempo, tem uma inserção do ponto de vista social extremamente relevante. Aqui nós reunimos aspectos relacionados à saúde e temos também um espaço destinado a educação e pesquisa”. (Do Blog do Magno)

Seja sempre o primeiro a saber. Baixe o nosso aplicativo gratuito.

 

Siga-nos em nossas redes sociais FacebookTwitter e Instagram. Você também pode ajudar a fazer o nosso Blog, nos enviando sugestão de pauta, fotos e vídeos para nossa a redação do Blog do Silva Lima por e-mail blogdosilvalima@gmail.com ou WhatsApp (87) 9 9937-6606 ou 9 9200-1776.

Educação

A conseqüência do estresse nos professores

Publicado

em

Em pesquisas realizadas pelo Ibope, no ano de 2007, ficou constatado que a grande maioria dos professores sofre de estresse, em especial os da rede pública.
O estresse dos professores se manifesta de diferentes formas, portanto é de extrema importância que esses profissionais fiquem atentos buscando identificar se estão inseridos nesse grupo.
Profissionais que participaram da pesquisa se queixaram de diversos sintomas, sendo que as dores musculares ocuparam o primeiro lugar e em seguida existiram declarações não muito bem definidas de algum mal-estar. De acordo com informações científicas, o estresse apresenta sintomas específicos que podem fazer parte do quadro. No intuito de facilitar a identificação do estresse, construímos uma lista com os principais sintomas:

• Aumento da pressão arterial;
• Falta de concentração;
• Dor de cabeça;
• Indigestão;
• Queda de cabelo;
• Nervosismo;
• Insônia;
• Taquicardia;
• Ganho ou perda de peso;
• Alergia;
• Isolamento;
• Memória fraca;
• Irritação;
• Ansiedade;
• Tique nervoso;
• Desmotivação;
• Diminuição dos glóbulos vermelhos.

O ideal é que ocorra o interesse por parte dos professores no sentido de buscar um caminho que possa resolver, ou amenizar o problema apresentado, de forma que venha lhe proporcionar uma saúde melhor.

O professor também deve garantir o exercício da sua profissão, não prejudicando a aprendizagem dos alunos por motivo de afastamento, gerando problemas nas instituições.
Tal questão atualmente tem sido alvo de discussão entre pesquisadores, visto que todos perdem com o afastamento do profissional. Esta é uma questão tão preocupante que só na região de São Paulo, que apresenta a maior rede de professores do país, entre os 250 docentes, há registros de que ocorrem 30 mil faltas por dia em decorrência de problemas de saúde.

As licenças médicas em 2006 foram cerca de 140 mil, com longo tempo de afastamento, seguindo uma média de 33 dias. É um fator preocupante que precisa ser solucionado, visto que além de deteriorar a educação brasileira gera um prejuízo financeiro para o país em torno de 235 milhões.

Ressalta-se o direito do aluno em estudar, mas é fundamental que o professor esteja em boas condições para oferecer uma aula de qualidade, que realmente alcance os objetivos que são propostos.

Atualmente, já existem algumas instituições que estão tendo uma preocupação maior em relação a essa questão, a ponto de certas secretarias de educação já estarem criando programas de prevenção, na qual as escolas e seus educadores se reorganizam, buscando formas educativas de resolver tais problemas apresentados.
Com a finalidade de reduzir ou até mesmo eliminar o cansaço físico e mental, segue algumas sugestões que também irão contribuir para o bom desempenho profissional:

• Reserve um tempo para estudar e planejar;
• Busque reunir-se com colegas, não esquecendo dos momentos de lazer;
• Evite lecionar com carga horária extensa;
• Descanse mais;
• Leia e assista filmes;
• Faça caminhada;
• Prefira reduzir as despesas ao invés de dobrar a carga horária.

E não esqueça a importância de cuidar da saúde, pois se o corpo apresenta-se saudável, conseqüentemente as chances de se sentir bem para exercer a profissão serão maiores, realizado-a de forma extremamente positiva e gratificante.

Seja sempre o primeiro a saber. Baixe o nosso aplicativo gratuito.


Siga-nos em nossas redes sociais FacebookTwitter e Instagram. Você também pode ajudar a fazer o nosso Blog, nos enviando sugestão de pauta, fotos e vídeos para nossa a redação do Blog do Silva Lima por e-mail blogdosilvalima@gmail.com ou WhatsApp (87) 9 9937-6606 ou 9 9101-6973.

Continue lendo

Destaque

FIS irá oferecer os cursos de Bacharelado em Educação Física e Nutrição, a partir de 2019

Publicado

em

Serão 200 vagas ofertadas anualmente em cada curso.

O MEC acabou de publicar a Portaria de número 621, de 14 de setembro de 2018, foi assinada pelo Secretário de Regulação e Supervisão da Educação Superior,  autorizando a implantação de mais dois cursos superiores na Faculdade de Integração do Sertão – FISBacharelado em Educação Física e Bacharelado em Nutrição.

Segundo Luís Melo, Presidente da instituição, foram autorizadas 200 vagas em cada curso, e já estarão disponíveis no próximo vestibular 2019.1. “Ano passado a FIS comemorou 10 anos de investimento no conhecimento dos sertanejos e prometeu dobrar seu tamanho, além de dobrar ou triplicar o número de cursos para a comemoração dos 20 anos. A FIS sempre se imbuiu desse sentimento de crescimento regional, e é através de novos cursos que a instituição faz jus a sua missão, que é unir os sertões através do conhecimento”, afirma Luís Melo.

Ainda de acordo com Luís, no próximo ano (2019), a FIS dará entrada no Ministério da Educação – MEC, no processo que transforma a faculdade em Centro Universitário. “Esses dois cursos vem somar ao esforço que a FIS está fazendo para gerar o desenvolvimento regional. Nós estamos extremamente felizes por mais esta conquista e por entendermos que estamos fazendo nosso dever de casa e cumprindo nossa missão maior”, conta.

Seja sempre o primeiro a saber. Baixe o nosso aplicativo gratuito.


Siga-nos em nossas redes sociais FacebookTwitter e Instagram. Você também pode ajudar a fazer o nosso Blog, nos enviando sugestão de pauta, fotos e vídeos para nossa a redação do Blog do Silva Lima por e-mail blogdosilvalima@gmail.com ou WhatsApp (87) 9 9937-6606 ou 9 9101-6973.

Continue lendo

Educação

Por que ‘Macunaíma’, lançado há 90 anos, é muito mais do que um livro de vestibular

Publicado

em

Obra-prima de Mário de Andrade causou furor entre críticos conservadores e é, até hoje, considerada reflexão sobre cultura e identidade nacional.

“Pouca saúde e muita saúva, os males do Brasil são” – esse slogan de Macunaíma pode ajudar a explicar metaforicamente o país até hoje, na opinião de muitos. Mas não é só isso que faz a grandeza dessa obra-prima, o romance rapsódia Macunaíma – O herói sem nenhum caráter, que o modernista Mário de Andrade (1893-1945) publicou em 1928, há 90 anos.

O escritor criou um anti-herói marginal que nasce com preguiça na Amazônia e apronta tantas traquinagens que acaba abandonado pela mãe. Macunaíma é erotizado e, a todo custo, busca prazeres sexuais. Ainda na floresta, ele ganha um talismã indígena, a muiraquitã. Depois perde a pedra e então viaja para São Paulo e Rio de Janeiro a fim de tentar recuperá-la. No percurso, o protagonista – que nasce negro e vira branco – vive peripécias e confusões, revelando suas falhas de caráter.

“O livro reúne uma vasta pesquisa da linguagem, das práticas narrativas e das músicas, das falas, ditos, contos e cantos populares do Brasil”, enumera o antropólogo Paulo Santilli, professor da Universidade Estadual Paulista (Unesp).

“Com muita pesquisa, argúcia e inventividade, Mário introduziu linguagens populares nos centros urbanos e os ambientou, amalgamados, em uma inventiva criação, tecendo uma crítica, de modo tão irreverente quanto irônico, aos cacoetes das elites.”

De acordo com informações da Biblioteca Nacional, que guarda em seu acervo de obras raras um exemplar da primeira edição da obra, o livro foi lançado originalmente em tiragem de “apenas 800 exemplares, impressos em papel e tinta de baixa qualidade”.

“A escolha dos materiais utilizados provavelmente foi decisão do autor de imprimir uma tiragem maior do que conseguiria se optasse por qualidade superior – consta que essa publicação foi financiada pelo próprio Mário de Andrade”, informa a instituição.

Uma obra ‘deslumbrante e triste, como o Brasil’

A primeira edição, com 283 páginas, foi impressa nas Oficinas Gráficas de Eugenio Cupolo, em São Paulo. Saiu do prelo em 26 de julho de 1928 e, nos meses seguintes, foi assunto entre os principais expoentes da cultura nacional. “A obra apresentou uma grande renovação estética. E isso provocou uma reação irada da crítica conservadora”, diz Santilli.

“É um marco do modernismo, o primeiro movimento literário realmente brasileiro e, dessa forma, ele dá resposta ao anseio do brasileiro entender quem somos, afinal, como povo. Essa é uma questão eterna para um país que surge do encontro – ou desencontro – de centenas de etnias indígenas e africanas, por causa da colonização europeia. Um país que é miscigenado, que se ama e se odeia por isso”, comenta a antropóloga Deborah Goldemberg, curadora de um evento promovido pela organização social Poiesis para celebrar os 90 anos do livro.

“Desde que foi lançado, o livro significou isso – um marco na literatura brasileira, algo genuinamente brasileiro, com estética e linguagem próprias e não comparáveis ao cânone europeu que influenciava a literatura brasileira até então. Sempre encantou porque ele é ao mesmo tempo deslumbrante e triste, como o nosso país.”

O evento dos 90 anos de Macunaíma, que vai até o dia 17 deste mês, tem uma programação de saraus, palestras, oficinas e debates na Casa Mário de Andrade, na Casa Guilherme de Almeida, na Casa das Rosas e na Oficina Cultural Oswald de Andrade, tradicionais pontos de atividades literárias da cidade de São Paulo.

No mês passado, a Universidade de São Paulo promoveu uma exposição dedicada a Macunaíma na Biblioteca Brasiliana Guita e José Mindlin. Artistas contemporâneos ligados à universidade representaram, em imagens, como viam a obra de Mário de Andrade.

Macunaíma já foi pintado, aliás, por uma gigante da história das artes plásticas do Brasil. É de Tarsila do Amaral (1886-1973) o quadro O batizado de Macunaíma, que hoje pertence a uma coleção particular.

Em 1969, Macunaíma virou filme – dirigido por Joaquim Pedro de Andrade (1932-1988) e com Grande Otelo (1915-1993) no papel principal. A obra é considerada pela Associação Brasileira de Críticos de Cinema como uma das cem melhores da filmografia nacional.

Para especialistas em literatura e sociólogos, Macunaíma é uma obra que convida a refletir sobre a identidade nacional — Foto: Divulgação/ Festival de Vitória

Para especialistas em literatura e sociólogos, Macunaíma é uma obra que convida a refletir sobre a identidade nacional — Foto: Divulgação/ Festival de Vitória

Gestação longa, nascimento rápido

Mário de Andrade costumava dizer que escreveu Macunaíma em apenas seis dias – “deitado na rede em Araraquara”, frisa o poeta e crítico literário Frederico Barbosa. “No entanto, a obra revela uma enorme pesquisa e profunda reflexão do escritor sobre a identidade nacional. Ou seja, demorou muito tempo para ser gestada, embora tenha saído de forma bastante natural ao ser escrita.”

Barbosa acredita que é isso que faz de Macunaíma um livro “sempre interessante e vivo”.

“É erudição com naturalidade e humor. É muito sério em sua essência, mas muito engraçado e divertido na leitura. Em outras palavras, Macunaíma é, antes de tudo, uma obra gostosa de se ler que abre um vasto leque de reflexões sobre nossa identidade nacional”, explica.

“Segue sendo importante porque diz muito do Brasil do início deste século e também do século passado”, afirma Santilli.

“A maestria de Mário de Andrade ao mesclar a língua coloquial e a escrita demonstra a distância entre esses falares e confere um efeito estético. Essa trama ilustra a distância tanto no léxico quanto na política entre as elites e a população. Significa muito mais do que as listas de vestibulares. É um livro necessário para compreender o Brasil, a riqueza e a diversidade linguística e cultural do Brasil, e ao mesmo tempo a mediocridade e a avidez mesquinha da elite que marca a história do Brasil.”

“Noventa anos depois, continuamos buscando uma identidade cultural nacional, algo que nos una enquanto nação. Mas continuamos divididos e sem conhecer nossa história – o que pode ajudar a entender todas as tensões atuais”, comenta o editor e poeta Eduardo Lacerda.

Mário de Andrade

“Eu sou trezentos, sou trezentos e cinquenta” é a frase do escritor Mário de Andrade que melhor define sua multiplicidade de interesses e de talentos.

Poeta, escritor, crítico literário, musicólogo, historiador da arte, folclorista e ensaísta, ele gostava de ir à campo em busca das experiências dos brasileiros reais. Foi uma das mentes por trás da Semana de Arte Moderna de 1922, que deu início ao movimento Modernista e mudou a arte no país.

Em 1935, tornou-se diretor-fundador do Departamento de Cultura de São Paulo, um órgão que seria o embrião da atual Secretaria de Cultura. Em 1937, quando o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) foi criado, Mário de Andrade foi incumbido de peregrinar pelo interior paulista a fim de identificar e mapear tudo aquilo que merecia ser protegido como bem cultural no Estado.

Nessas viagens, ele acabou se tornando o primeiro a olhar com interesse histórico para as hoje reconhecidas “casas bandeiristas”, construções coloniais paulistas pobres e rudimentares, de estruturas simples e feitas de taipa de pilão. “Casas velhas”, era como o poeta as chamava – sem que isso fosse algum demérito, muito pelo contrário.

Por BBC

Continue lendo

Trending