Conecte-se Conosco

Brasil

Refugiados e estrangeiros elogiam receptividade dos brasileiros

Publicado

em

Estrangeiros adotaram o Brasil como segunda pátria

Brasil tem mantido a fama de ser um país que recebe bem estrangeiros que, por motivos de força maior, foram obrigados a adotá-lo como segunda pátria. Refugiados ou mesmo residentes estrangeiros entrevistados pela Agência Brasil – entre eles a princesa da tribo ganesa Krobo, Helen Teye – não economizam adjetivos positivos para a forma como foram recebidos pelos brasileiros.

Ter uma vida de princesa pode não ser algo tão bom como se costuma imaginar. No caso de Helen Teye, que vive no Brasil desde 2014, em Gana isso representava risco de vida, devido aos conflitos entre etnias que viviam na mesma região. “Não queria viver esses conflitos e não queria continuar na minha vida de princesa, porque isso representa risco em uma situação de conflito com outras etnias. Eu dormia sem saber se sobreviveria ao dia seguinte. Aqui, eu durmo tranquilamente, com paz em minha cabeça. Ninguém me ataca nem me insulta”, disse a princesa.

Helen é um dos estrangeiros que participam hoje (23), no Memorial dos Povos Indígenas em Brasília, de uma celebração intercultural que visa integrar brasileiros com pessoas de outros países, que optaram por morar no Distrito Federal. O encontro faz parte de uma série de eventos organizados com o objetivo de lembrar o Dia Mundial do Refugiado (20 de junho) e a Semana do Migrante, o MigrArte 2018.

O início da vida no Brasil foi bastante difícil para a princesa. Emocionada ao lembrar os momentos de dificuldade e ao falar da receptividade dos brasileiros, ela revelou as dificuldades que teve até mesmo para pedir dinheiro ou comida nas ruas, na época em que vivia em um acampamento improvisado. “Como ninguém aqui fala meu dialeto, e poucas pessoas se comunicam em inglês, eu não conseguia me comunicar nem mesmo para dizer que estava passando fome. Só depois de ter aprendido a falar a palavra ‘comida’ é que a coisa começou a melhorar. Por isso, digo que, para mim, a palavra mais importante do português é ‘comida’ ”, disse a princesa à Agência Brasil.

A virada na vida de Helen no Brasil ocorreu depois de ela começar a frequentar uma igreja, em Brasília. “Foi isso que acabou com a minha solidão no Brasil. Quando cheguei não conhecia ninguém. Na igreja, eu conheci as primeiras pessoas, e elas me ajudaram muito. Pude então começar a vender roupa e artesanato. O Brasil realmente me ajudou muito”, afirmou, de forma pausada, por causa da emoção e das lágrimas.

Helen disse ter uma grande preocupação com a situação político-eleitoral brasileira. “Minha experiência mostra o quão difícil é viver em um país dividido. Não queiram dividir o Brasil, porque a divisão é sempre ruim para todos os cidadãos de um país. Por isso, peço que tenham o desejo de paz na hora de votarem, este ano. Eu quero viver aqui, e quero que a paz que vi aqui continue”, acrescentou.

As crises política e econômica da Venezuela fizeram com que a artesã Fadwa Bittar,de 26 anos, tomasse a “difícil decisão” de tentar a vida por aqui, com o objetivo de ajudar financeiramente os pais idosos que ainda vivem em seu país. Ela chegou ao Brasil em 2016. Desde então viveu em Roraima, Amazonas e Rondônia até chegar a Brasília, no ano de 2017.

Fadwa tem conseguido enviar dinheiro aos pais, com a venda do artesanato que produz. “Apesar de ser advogado, meu pai não conseguiu se aposentar”, disse a moça, que vende produtos em crochê (em especial roupas para bebês) e bijuterias. Boa parte da venda é feita pela internet.

Ao chegar ao Brasil, solicitou refúgio, sem sucesso. Apesar de não ter conseguido, está satisfeita com a situação de residente. O pior momento foi quando, recém-chegada em Boa Vista, teve suas peças roubadas por outros venezuelanos.

“O Brasil me recebeu muito bem. As pessoas aqui são boas, agradáveis, e têm me ajudando, inclusive, a resolver questões burocráticas, porque tenho de renovar minha situação de residente a cada dois anos. Isso sem falar nos amigos que já me ajudaram com dinheiro e com comida”, disse ela ao ressaltar que a acolhida dada pelos brasileiros foi o que de melhor lhe aconteceu, desde a chegada.

Fadwa diz que pretende retornar à Venezuela, mas para que isso aconteça, a situação em seu país precisa melhorar. “Há uma ditadura disfarçada na Venezuela, que fica ainda pior por conta dos embargos e sanções aplicados por outros países. Metade dos nossos problemas são causados pelo governo. A outra metade é por causa de sanções e embargos”.

Refugiado há quatro anos no Brasil, o afegão Omidullah Hamidzai, 30, trabalha com gastronomia e com a importação de frutas secas e pedras. No evento de hoje, no Museu do Índio, ele estava vendendo pastel afegão típico, recheado com legumes.

“Eu era militar em meu país. Participei de vários conflitos até decidir que não queria mais isso para minha vida. Desde o contato que tive com brasileiros em Moscou (Rússia), onde fiz um curso de Direito, tive vontade de vir para cá. Eram pessoas muito boas. De lá retornei ao Afeganistão, já tendo o desejo de mudar para o Brasil”, disse.

Segundo ele, o Brasil se encaixa perfeitamente aos desejos idealizados que o povo afegão tem de sociedade. “Aqui eu estou feliz porque tenho liberdade, e por ter facilidades para trabalhar. As pessoas têm boa vontade para ajudar pessoas em situação similar à minha”, disse o afegão. A única coisa que lamenta ter passado em território brasileiro foi o roubo de ter seu celular, há cerca de dois meses.

Um de seus quatro irmãos, Ahmadullah Hamidzai, fritava os pastéis. Ele contou que é medico, mas não pode exercer a profissão no Brasil. Ahmadullah chegou há quatro meses. “Meu sonho é poder voltar a exercer minha profissão aqui no Brasil. Por enquanto, estou me dedicando a estudar o português”, disse, em meio a elogios sobre a maneira como tem sido tratado no país.

A refugiada colombiana Matilde, 45, chegou há cinco anos, acompanhada do marido que, preocupado com a possibilidade de o atual governo de seu país retomar o conflito com as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC), não quer ter seu nome divulgado. Os dois aproveitaram o evento no Museu do Índio para vender uma espécie de canjica cozida chamada Arepa, feita com milho, sal, queijo ralado e manteiga.

“Foram os conflitos entre as Farc e o governo Colombiano que nos fizeram mudar para o Brasil. Nós vivíamos em um fogo cruzado. Agora, após o candidato vitorioso [Iván Duque], que toma posse como presidente no dia 7 de agosto] ter defendido a modificação do acordo de paz entre governo e as Farc, nossa preocupação é com a possibilidade de esses conflitos serem retomados”, disse o marido de Matilde, que é também refugiado.

Segundo o casal, a recepção dada pelos brasileiros foi excelente. “Fomos muito bem recebidos. Agora, o que mais desejo é voltar a trabalhar como operador de máquinas pesadas”, acrescentou.Com informações da Agência Brasil.

Por Notícias ao Minuto

Seja sempre o primeiro a saber. Baixe o nosso aplicativo gratuito.

Siga-nos em nossas redes sociais FacebookTwitter e Instagram. Você também pode ajudar a fazer o nosso Blog, nos enviando sugestão de pauta, fotos e vídeos para nossa a redação do Blog do Silva Lima por e-mail blogdosilvalima@gmail.com ou WhatsApp (87) 9 9937-6606 ou 9 9101-6973.

Brasil

Mais Médicos: sem cubanos, Saúde lançará edital para ocupar vagas

Publicado

em

Ministério também vai propor a participação de alunos recém-formados que fazem parte do Fies

Ministério da Saúde estuda propor à equipe de transição para o governo do presidente eleito, Jair Bolsonaro, medidas para ampliar a participação de brasileiros no programa Mais Médicos. Entre elas, está a participação de alunos recém-formados que fazem parte do Fies (Programa de Financiamento Estudantil).

A medida, que já estava em estudo nos últimos meses, ganhou força nesta quarta-feira (14) após o governo de Cuba anunciar o fim da parceria para envio de médicos ao programa.

Em nota divulgada pelo governo de Cuba, a decisão é atribuída a questionamentos feitos pelo presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL), à qualificação dos médicos cubanos e ao seu projeto de modificar o acordo, exigindo revalidação de diplomas no Brasil e contratação individual.

Criado em 2013, o programa Mais Médicos soma atualmente 18.240 vagas. Destas, cerca de 8.500 são ocupadas por médicos cubanos, que vem ao Brasil por meio do convênio com a Opas.

Com a saída dos médicos cubanos, a ideia é propor que alunos recém-formados em medicina em faculdades particulares e que estejam no Fies possam atuar em cidades que hoje têm vagas ocupadas por médicos de Cuba -e, também, maior dificuldade em contratar profissionais brasileiros.

A oferta, assim, valeria especialmente para municípios mais distantes das capitais e da zona rural, para unidades na periferia das grandes cidades e DSEIs (distritos sanitários indígenas).

Em troca, o aluno recém-formado poderia abater parte da dívida. “As ações poderão ser adotadas conforme necessidade e entendimentos com a equipe de transição do novo governo”, informou a pasta, em nota.

De acordo com o ministério, a proposta valerá caso as vagas abertas com a saída dos profissionais cubanos não sejam preenchidas.

Nesta quarta, a pasta anunciou que deve abrir um edital para repor as vagas já nos próximos dias. Pelas regras do programa, brasileiros têm prioridade para ocupar as vagas, seguido de brasileiros formados no exterior e estrangeiros.

Municípios, porém, avaliam que há risco de desassistência devido à saída, sobretudo no Norte e Nordeste. A previsão é que cerca de 8.500 médicos cubanos deixem o país até 31 de dezembro.

Confira a nota divulgada pelo Ministério da Saúde:

O Ministério da Saúde recebeu nesta manhã (14) o comunicado da Organização Pan-Americana de Saúde (Opas), no qual o governo cubano informa que encerrou sua parceira no programa Mais Médicos. Diante do fato, o governo federal está adotando todas as medidas para garantir a assistência dos brasileiros atendidos pelas equipes da Saúde da Família que contam com profissionais de Cuba.

A iniciativa imediata será a convocação nos próximos dias de um edital para médicos que queiram ocupar as vagas que serão deixadas pelos profissionais cubanos. Será respeitada a convocação prioritária dos candidatos brasileiros formados no Brasil seguida de brasileiros formados no exterior.

Desde 2016, o Ministério da Saúde vem trabalhando na diminuição de médicos cubanos no programa. Até aquela data, cerca de 11.400 profissionais de Cuba trabalhavam no Mais Médicos. Neste momento, 8.332 das 18.240 vagas do programa estão ocupadas por eles.

Outras medidas para ampliar a participação de brasileiros vinham sendo estudadas pelo Ministério da Saúde, como a negociação com os alunos formados através do FIES (Programa de Financiamento Estudantil). Essas ações poderão ser adotadas, conforme necessidade e entendimentos com a equipe de transição do novo governo.

O Ministério da Saúde reafirma e tranquiliza a população que adotará todas as medidas para que profissionais brasileiros estejam atendendo no programa de forma imediata.

Por Folhapress.

Seja sempre o primeiro a saber. Baixe o nosso aplicativo gratuito.

Siga-nos em nossas redes sociais FacebookTwitter e Instagram. Você também pode ajudar a fazer o nosso Blog, nos enviando sugestão de pauta, fotos e vídeos para nossa a redação do Blog do Silva Lima por e-mail blogdosilvalima@gmail.com ou WhatsApp (87) 9 9937-6606 ou 9 9101-6973.

Continue lendo

Brasil

Venezuelanos ganham novos locais de atendimento em Roraima

Publicado

em

Cadastro ajuda imigrantes a conseguir emprego

Mais duas salas do Ministério do Trabalho foram inauguradas neste mês em Roraima para atender os venezuelanos que chegam ao Brasil. Nesses locais, eles podem realizar o registro de trabalho, emitir a carteira, buscar uma nova oportunidade de emprego por meio do Sine e se reinserir no mercado de trabalho.  

Uma das prioridades é cadastrar os venezuelanos no Portal Emprega Brasil. Com o cadastro no programa, os venezuelanos terão acesso a políticas e ações de emprego para ajudá-los na busca ou preservação do trabalho decente, com qualidade e garantias trabalhistas e previdenciárias.  

Além das salas, o Ministério do Trabalho possui também cinco unidades de atendimento para emissão de carteira de trabalho para os venezuelanos: duas em Boa Vista; e três agências de atendimento nas cidades de Caracaraí, Rorainópolis e São Luiz.  

Ainda em Boa Vista, há também uma unidade do Sine gerida pelo governo estadual por meio de convênio com a Secretaria de Políticas Públicas de Emprego (SPPE), do Ministério do Trabalho.  Com informações do Portal Brasil.

Por Notícias ao Minuto

Seja sempre o primeiro a saber. Baixe o nosso aplicativo gratuito.

Siga-nos em nossas redes sociais FacebookTwitter e Instagram. Você também pode ajudar a fazer o nosso Blog, nos enviando sugestão de pauta, fotos e vídeos para nossa a redação do Blog do Silva Lima por e-mail blogdosilvalima@gmail.com ou WhatsApp (87) 9 9937-6606 ou 9 9101-6973.

Continue lendo

Brasil

Ex-desabrigada escapa por 10 metros, e casa vira refúgio em Niterói

Publicado

em

A casa se tornou o centro de apoio dos funcionários dos órgãos estaduais e municipais que trabalham na tragédia

Ela perdeu a casa ainda adolescente, em 1988, quando uma pedra abriu um buraco no lugar onde morava no alto de uma favela na Tijuca, zona norte do Rio. Há cerca de três anos, a técnica em enfermagem perdeu a segunda moradia. Desta vez, ela foi indenizada em uma comunidade de Niterói por ter sua casa no caminho de um novo túnel na cidade vizinha ao Rio.

Na madrugada de sábado (10), Dilma Ferreira, 46, acordou com um estrondo de “dezenas de transformadores explodindo ao mesmo tempo”. Ao abrir a janela, ela só via escuridão e a poeira que levantava após uma imensa pedra rolar e esmagar oito casas modestas no Morro da Boa Esperança, em Pendotiba, na região oceânica do município.

Dilma abriu a porta e correu para a espremida rua Carlos Chagas, a principal da comunidade. A montanha de escombros parou a menos de dez metros da sua casa, comprada há sete meses com o dinheiro da indenização da residência condenada por estar na área das explosões que abriria o túnel.

“Foi uma coisa horrível. Só ouvia as pessoas que estavam de baixo da terra gritando e pedindo ajuda”, lembra a técnica de enfermagem sentada em frente ao portão da garagem da sua casa no início da tarde desta segunda (12). Até agora, 15 pessoas já foram encontradas mortas e 11 resgatadas com vida.

Desde então, a casa de Dilma se tornou o centro de apoio dos funcionários dos órgãos estaduais e municipais que trabalham na tragédia.

“Sei o que é passar por isso. Por isso, a porta está aberta desde sábado. Os primeiros feridos foram atendidos aqui. Deixei o pessoal do resgate dormir no sofá, na minha cama”, conta a mulher, que divide com outros seis familiares (marido, filhos e netos) a casa.

Desde que a pedra rolou do alto do morro, ela disse que só dormiu três horas e mandou seus filhos e netos para ficar com parentes na intenção de ter mais espaço para receber doações e o pessoal que trabalha nos escombros.

“Não consegui fechar os olhos direito. Só dormi três horas nesta noite. A imagem da mulher resgatada com o neto nos braços não sai da minha cabeça”, disse Dilma, referindo-se a Maria Madalena Linhares, 54, e Kaíke da Silva Resende, um ano e dez meses.

Os dois morreram no desabamento e foram enterrados no domingo (11).

Na tarde desta segunda, um furgão da prefeitura parou na frente da casa dela para descarregar dezenas de “kits higiene e alimentação” para as 22 famílias desabrigadas.

Nesta segunda, mais quatro corpos seriam sepultados, sendo duas crianças, os irmãos Nicole, dez meses, e Arthur Carvalho, que comemorou três anos horas antes da tragédia.

ÁREA DE RISCO

No enterro, moradores reclamaram da negligência da prefeitura. “Sempre foi área de risco. Já me mudei de lá há 15 anos e todos tínhamos medo da pedra rolar e acabar conosco. Foi descaso mesmo”, disse a vendedora Maria José da Silva, no enterro de Marta Pereira Romero, 61.

A tragédia do Morro da Boa Esperança não foi a primeira em Niterói. Em 2010, 267 pessoas morreram no desabamento do Morro do Bumba.

Tarsia dos Santos, 21, não sabia como sua família “escapou” da tragédia. Ela morava ao lado da pedra que rolou.

“Eu não escutei nada. Só lembro de ser acordada por vizinhos e pelo pessoal do resgate. Elas entraram na minha casa e me abraçavam. Mas não entendia direito que tinha acontecido”, lembra a desempregada, que estava na casa com a mãe, dois filhos e uma criança de três anos.

“Só tive a dimensão da gravidade quando abrimos a porta e vimos que não existia mais nada. Só víamos uma buraco profundo. Minhas pernas tremeram tanto, que não consegui andar mais naquela manhã”, acrescentou.

Na tarde de segunda, ela ainda não tinha conseguido voltar para sua casa e recebia roupas doadas no pé do morro.

“Estamos aqui fazendo uma corrente de solidariedade. Quando perdi minha casa em 1988, minha família se desestruturou. Tivemos que nos separar e só voltamos a dividir o mesmo teto em 2001. Por isso, vou ajudar aqui o máximo que posso”, disse Dilma, enquanto abria espaço para um caminhão com os escombros de sábado deixar a comunidade.

Por Folhapress.

Seja sempre o primeiro a saber. Baixe o nosso aplicativo gratuito.

Siga-nos em nossas redes sociais FacebookTwitter e Instagram. Você também pode ajudar a fazer o nosso Blog, nos enviando sugestão de pauta, fotos e vídeos para nossa a redação do Blog do Silva Lima por e-mail blogdosilvalima@gmail.com ou WhatsApp (87) 9 9937-6606 ou 9 9101-6973.

Continue lendo
Propaganda

Trending