Conecte-se Conosco

Mundo

Apoio à vacinação contra a Covid-19 aumenta após início da imunização

Publicado

em

A mudança foi tão grande que, em alguns locais, o que antes era uma maioria antivacina se transformou em menos de um mês em minoria

Enquanto os brasileiros cantavam o hit “vem de bum bum tam tam”, adaptação de uma música de MC Fioti, para celebrar a chegada da vacina contra a Covid-19, em diversos países do mundo a aplicação das primeiras doses levou a um aumento do apoio à campanha de imunização.

A mudança foi tão grande que, em alguns locais, o que antes era uma maioria antivacina se transformou em menos de um mês em minoria.

É o caso da França, onde 58% da população rejeitava o imunizante, segundo um levantamento feito nos dias 22 e 23 de dezembro pelo instituto Odoxa com a consultoria Backbone para os veículos Le Figaro e Franceinfo. A pesquisa indicava que um dos principais motivos apontados pelos entrevistados era que “não se vacinar é uma decisão razoável tendo em vista uma nova doença e uma nova vacina”.

Em 27 de dezembro, o primeiro francês recebeu a injeção contra o coronavírus. No estudo seguinte, com entrevistas feitas em 13 e 14 de janeiro, já eram 56% os que se vacinariam no país.

“Historicamente, temos um grande movimento antivacina”, afirma o médico francês Michaël Rochoy, pesquisador de epidemiologia na Universidade de Lille, citando um estudo de 2019 em 54 países no qual a França liderou o ranking em quantidade de pessoas que não confiavam nas imunizações.

“Os países ricos não veem mais epidemias, claro que não é o caso da Covid, mas a epidemia de rubéola não existia mais e voltamos a ver alguns casos porque cada vez mais pessoas ou esquecem de se vacinar ou não querem”.

O chefe do departamento de Epidemiologia da Universidade de Michigan (nos EUA), Joseph Eisenberg, compartilha a visão do médico francês. “A grande diferença entre Covid-19 e outras doenças infecciosas para as quais temos vacinas é que as pessoas estão testemunhando e vendo a imensa mortalidade e os resultados severos”, diz.

“Acho que quando se está lidando com esses riscos baixos, muitas teorias da conspiração crescem e têm potencial de serem aceitas, mas quando se está lidando com uma doença devastadora como a Covid, isso muda a opinião das pessoas”, afirma o americano.

Um dos pontos principais para a hesitação dos franceses aos imunizantes, de acordo com Rochoy, é a rapidez com que eles foram desenvolvidos. Ele acha que ao menos parte das pessoas que inicialmente se dizem temerosas com a vacina na verdade apenas não querem ser as primeiras a receberem as doses.

“Esses que não querem [receber as doses] são pessoas frequentemente hesitantes, não querem agora porque parece cedo para eles e querem ver o que vai acontecer. Esperam um efeito bola de neve, mas muito provavelmente são pessoas que vão se vacinar.”

Esse salto após a primeira dose ser aplicada pode ser visto também na Espanha, onde a intenção aumentou mais de 20 pontos. Os números do país só começaram a crescer após o início da vacinação, também em 27 de dezembro.

No dia 18 daquele mês, 52% estariam dispostos a aderir à campanha, número que saltou para 66% em 7 de janeiro e 73% no dia 5 de fevereiro, segundo levantamento do instituto britânico YouGov.

Outra evolução impressionante ocorreu no Reino Unido, o primeiro país ocidental a vacinar sua população. Também de acordo com o YouGov, em 10 de novembro, 63% dos britânicos demonstravam intenção de receber o imunizante –percentual que já era alto em comparação aos vizinhos europeus.

Após o início da campanha, em 8 de dezembro, o número já saltou para 73% em levantamento do dia 14 daquele mês e chegou a 86% na pesquisa do dia 11 de fevereiro, o mais alto entre os 26 países analisados pelo instituto britânico.

Os EUA também tiveram uma virada acentuada, que começou antes mesmo de o primeiro cidadão do país ser vacinado, em 14 de dezembro. No levantamento inicial realizado pelo instituto Gallup, em julho, 66% se disseram dispostos a receber a injeção, percentual que caiu para 50% em setembro, mas alcançou 71% no estudo mais recente, no fim de janeiro.

Para o professor assistente de epidemiologia na Universidade de Michigan, Abram Wagner, que pesquisa a hesitação ligada às vacinas, uma das grandes razões para a mudança de opinião é que o imunizante é mais tangível agora. “Alguns meses atrás, as pessoas não sabiam o que era e como seria [a vacina].”

Assim como Rochoy, o especialista americano aponta que a maioria das pessoas, na verdade, se encontra num limbo entre o “sim” e o “não”.

“Quando penso em hesitação, eu gosto de ver um espectro. Algumas pessoas não querem nenhuma vacina e outras são muito pró-vacina”, explica. “A maioria está em cima do muro e pode ir tanto para um lado como para o outro.”

Já o médico francês faz uma analogia com a situação de um incêndio: “quando o alarme toca, se ninguém se mexe, as pessoas vão continuar paradas, mas se elas saem, as outras seguem. Mas também, se ninguém se mexe e um bombeiro vem e diz que tem que sair, as pessoas vão sair rapidamente porque é alguém de autoridade.”

Para convencer os que têm mais receio, Wagner explica que também é necessário facilitar o processo de vacinação. “Se você tiver que ligar ou entrar em um site, marcar um horário, quem está hesitante não irá até o fim”, afirma ele.

Um ponto-chave é fazer com que as vacinas estejam disponíveis em locais próximos às pessoas. Com a chegada do imunizante da AstraZeneca na França, Rochoy afirma que farmacêuticos, por exemplo, vão poder fazer a aplicação, o que facilita a disponibilidade.

Apesar desse aumento no apoio à vacinação, há países que tiveram o movimento contrário. É o caso da Índia, onde houve uma ligeira queda na intenção de vacinação após o início da campanha, em 16 de janeiro. Segundo o YouGov, em 14 de dezembro, 69% dos indianos estavam dispostos a receberem o imunizante, mas o número caiu para 63% na pesquisa feita em 8 de fevereiro.

Já em Hong Kong, onde a vacinação ainda não começou, houve uma queda acentuada na adesão, também de acordo com o instituto britânico. Na mais recente pesquisa, de 1º de fevereiro, 36% se diziam dispostos a se vacinar, um tombo em relação aos 51% vistos em 14 de dezembro.

As preocupações são similares às do Ocidente. Um estudo do Instituto de Pesquisa de Opinião Pública de Hong Kong apontou que segurança, efeitos colaterais potenciais e uma rápida implementação do esquema de vacinação eram os principais motivos apontados pelos entrevistados, segundo informou o South China Morning Post.

William Chui Chun-ming, presidente da Sociedade de Farmacêuticos de Hospitais de Hong Kong, afirmou ao jornal chinês que é preciso que o governo divulgue mais informações sobre os imunizantes.

“Suas preocupações sobre segurança, eficácia e qualidade estão totalmente alinhadas com as dos especialistas do painel consultivo de vacinas do governo. É por isso que as informações são tão importantes, não devem ser fornecidas apenas a especialistas e equipes médicas, mas a todos os habitantes de Hong Kong.”

Por Folhapress

Seja sempre o primeiro a saber. Baixe os nossos aplicativos gratuito.

Siga-nos em nossas redes sociais FacebookTwitter e InstagramVocê também pode ajudar a fazer o nosso Blog, nos enviando sugestão de pauta, fotos e vídeos para nossa a redação do Blog do Silva Lima por e-mail [email protected] ou WhatsApp (87) 9 9937-6606 ou 9 9101-6973.

Mundo

Após crítica de Bolsonaro, OMS insiste sobre uso de máscara e isolamento

Publicado

em

A Organização Mundial da Saúde (OMS) voltou a defender o uso de máscaras e a adoção de medidas de isolamento social, como forma de frear a pandemia da covid-19. Nesta sexta-feira, a entidade deixou claro que tais medidas funcionam.

Na quinta-feira, enquanto o Brasil registrava um recorde de mortes, com 1.582 casos, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) optou por questionar o uso de máscaras e o isolamento social.

Questionado pela coluna sobre qual seria a posição da OMS sobre o uso de tais medidas, o porta-voz da entidade, Tarik Jašarević, confirmou que máscaras e isolamento “ajudam”.

“Temos dito de forma consistente que, por si só, usar máscaras não é suficiente. Precisa ser parte de uma série de medidas tomadas”, afirmou. “Distanciamento ajuda, reduz os riscos de ser infectado. Máscaras ajudam, especialmente quando o distanciamento não é possível”, declarou.

“Cada um de nós pode reduzir os riscos de exposição. Isso não quer dizer que autoridades não devem colocam em práticas suas ações, o que inclui monitorar a transmissão do vírus e quebrar cadeias de transmissão, por meio de rastreabilidade, isolar e testar pessoas”, completou.

Para o escritório da OMS para a Europa, foram as medidas de isolamento e o uso de máscaras que permitiram que o número de novos casos no continente fosse reduzido pela metade entre dezembro e fevereiro.

Citando um suposto estudo feito na Alemanha, Bolsonaro afirmou que as máscaras são “prejudiciais” às crianças, causando irritabilidade, dor de cabeça e dificuldade de concentração.

“Começam a aparecer os efeitos colaterais das máscaras”, disse, depois de listar uma série de problemas supostamente causados pelas máscaras. “Eu tenho minha opinião sobre as máscaras, cada um tem a sua, mas a gente aguarda um estudo sobre isso feito por pessoas competentes”, afirmou.

O presidente também criticou o isolamento social. “Quem quer auxílio emergencial e a cidade está fechada… Vão cobrar do prefeito, vão cobrar do governador, já que ele quer que você fique em casa eternamente e quer mandar a conta para nós [governo federal] pagarmos. Eu teria o maior prazer de pagar eternamente um salário para todo mundo viver numa boa, sem trabalhar, mas isso não existe”, declarou. Fonte: UOL

 

Seja sempre o primeiro a saber. Baixe os nossos aplicativos gratuito.

Siga-nos em nossas redes sociais FacebookTwitter e Instagram.Você também pode ajudar a fazer o nosso Blog, nos enviando sugestão de pauta, fotos e vídeos para nossa a redação do Blog do Silva Lima por e-mail [email protected] ou WhatsApp (87) 9 9937-6606 ou 9 9101-6973.

Continue lendo

Mundo

Comitê da FDA recomenda aprovação da vacina da Johnson & Johnson

Publicado

em

O imunizante funcionou de maneira segura, de acordo com os especialistas, e teve aprovação pelo comitê.

A vacina contra a covid-19 da Johnson & Johnson’s, que necessita de apenas uma dose, foi recomendada por um comitê consultivo da agência reguladora dos Estados Unidos (FDA, na sigla em inglês) nesta sexta-feira, 26. O imunizante funcionou de maneira segura, de acordo com os especialistas, e teve aprovação pelo comitê, no último passo antes que a FDA autorize o uso, o que deve acontecer neste sábado.

O painel, composto por 22 especialistas de diversas áreas relacionadas ao tema, também votou favoravelmente à utilização das vacinas da Pfizer em parceria com a BioNTech e da Moderna, atualmente aplicadas nos EUA. O imunizante da Johnson & Johnson’s mostrou 66% de eficácia na proteção contra condições moderadas a severas por conta da covid-19. A empresa afirmou estar pronta entregar 20 milhões de doses aos EUA antes do fim de março.

Por Estadão Conteúdo

Seja sempre o primeiro a saber. Baixe os nossos aplicativos gratuito.

Siga-nos em nossas redes sociais FacebookTwitter e Instagram.Você também pode ajudar a fazer o nosso Blog, nos enviando sugestão de pauta, fotos e vídeos para nossa a redação do Blog do Silva Lima por e-mail [email protected] ou WhatsApp (87) 9 9937-6606 ou 9 9101-6973.

Continue lendo

Mundo

Covid-19 aumenta escassez mundial de cilindros de oxigênio, diz ONU

Publicado

em

A pandemia de coronavírus comprometeu o já limitado estoque de oxigênio médico em todo o mundo, afirmou a ONU nesta quinta-feira, 25, ao anunciar o lançamento de um grupo de trabalho de emergência para buscar soluções para a crise. Embora o oxigênio seja um medicamento essencial para o tratamento eficaz de pacientes com covid-19, custos, infraestrutura e barreiras logísticas limitam os estoques em todo o mundo

A falta de cilindros causa mortes desnecessárias – o Estado do Amazonas, por exemplo, registrou alta de 41% no número de óbitos por covid-19 após a crise do oxigênio em Manaus.

Os países de baixa e média renda são os principais atingidos. Nos últimos 90 dias, eles usaram em média 7.792.550 metros cúbicos de oxigênio por dia – 2.107.147 só no Brasil. A ONU estima que, nestes países, mais de meio milhão de pacientes com covid-19 necessitam de tratamento com oxigênio todos os dias. Vinte e cinco países, a maioria na África, relatam picos de demanda.

Na América Latina, a segunda região do mundo com mais mortes por coronavírus, uma cena de desespero se repete: pessoas em filas intermináveis pagam preços exorbitantes por um cilindro de oxigênio, enquanto pacientes morrem asfixiados em hospitais. No Peru, os preços de cilindros dispararam mais de 300%; no México, autoridades observaram aumento de 700% na demanda de gás entre 20 de dezembro e 20 de janeiro.

De acordo com a ONU, serão necessários US$ 90 milhões (aproximadamente R$ 450 milhões) de financiamento imediato para atender às necessidades urgentes em até 20 países de baixa e média renda. No total, estima a ONU, a emergência demandará US$ 1,6 bilhão (aproximadamente R$ 8 bi).

O fornecimento mundial de oxigênio já era limitado antes da pandemia para tratar doenças como a pneumonia, que deixa 2,5 milhões mortes todo ano.(Mundo ao Minuto)

Seja sempre o primeiro a saber. Baixe os nossos aplicativos gratuito.

Siga-nos em nossas redes sociais FacebookTwitter e Instagram.Você também pode ajudar a fazer o nosso Blog, nos enviando sugestão de pauta, fotos e vídeos para nossa a redação do Blog do Silva Lima por e-mail [email protected] ou WhatsApp (87) 9 9937-6606 ou 9 9101-6973.

Continue lendo
Propaganda

Trending