Conecte-se Conosco

Mundo

Áustria inicia confinamento; revolta aumenta contra restrições na Europa

Publicado

em

Desde meia-noite, a Áustria entrou oficialmente em confinamento, uma medida radical que provocou protestos no fim de semana, assim como em países como Bélgica e Holanda, ou em Guadalupe, departamento francês das Antilhas, onde o retorno das restrições contra a Covid-19 provoca uma revolta violenta.
Lojas, restaurantes, mercados de Natal, salas de espetáculo e salões de beleza fecharam as portas nesta segunda-feira (22) em Viena. Mas as escolas permanecem abertas e as ruas da capital estavam movimentadas durante a manhã.
“A situação é um pouco confusa”, afirmou Kathrin Pauser, moradora de Viena, depois de deixar na escola as filhas de 11 e 9 anos, ambas recentemente vacinadas.
Desde a chegada das vacinas contra a Covid-19 e das campanhas de imunização, nenhum país da União Europeia (UE) havia ousado impor um novo confinamento.
Como em confinamentos anteriores, os 8,9 milhões de austríacos teoricamente estão proibidos de sair de casa, exceto para fazer compras, praticar esportes ou receber atendimento médico.
Também podem comparecer ao local de trabalho e levar as crianças para a escola, mas as autoridades pediram à população para permanecer em casa e optar, na medida do possível, pelo teletrabalho.
“Caos”
A situação era impensável na Áustria há algumas semanas.
O ex-chanceler conservador Sebastian Kurz havia declarado “encerrada” a pandemia, ao menos para os vacinados.
Seu sucessor desde outubro, Alexander Schallenberg, “manteve por muito tempo ficção de que tudo estava bem”, declarou à AFP o cientista político Thomas Hofer.
Com o aumento de casos, que atingiu níveis inéditos desde o início da pandemia, o governo se concentrou em um primeiro momento nas pessoas não vacinadas: apenas 66% dos austríacos receberam as duas doses.
Apenas posteriormente optou por medidas radicais, como este confinamento previsto para durar até 13 de dezembro e a vacinação obrigatória para a população adulta a partir de 1º de fevereiro de 2022, algo que poucos países adotaram até agora.
“Eu esperava que não chegaríamos a este ponto, sobretudo agora que temos a vacina. É dramático”, declarou Andreas Schneider, economista belga de 31 anos que trabalha em Viena.
A reação não demorou: na tarde de sábado, cerca de 40.000 pessoas foram às ruas de Viena aos gritos de “ditadura”, convocadas pelo partido de extrema direita FPO.
Na cidade de Linz, norte do país, uma mobilização também reuniu milhares de manifestantes no domingo.
Em outras partes da Europa, que voltou a ser o epicentro da epidemia de Covid-19, o número de contágios também aumenta, voltam as restrições e crescem as frustrações e revolta.
A Holanda viveu no domingo sua terceira noite de protestos, com fogos de artifício e vandalismo nas cidades de Groningen e Leeuwarden, no norte, assim como em Enschede, no leste, e em Tilburg, no sul.
Nesta segunda-feira, o primeiro-ministro holandês, Mark Rutte, chamou os atos de “pura violência”, cometidos por “idiotas”.
O ministro da Saúde da Alemanha pediu aos cidadãos que tomem a vacina de maneira “urgente”. “Certamente no final do inverno todos estarão vacinados, curados ou mortos devido à propagação da variante delta, muito, muito perigosa”, disse Jens Spahn.
Mobilização e distúrbios
Em Bruxelas foram registrados confrontos no domingo, quando dezenas de milhares de pessoas se reuniram para protestar contra as medidas destinadas aos não vacinados
A Bélgica anunciou o uso de máscara e pretende tornar obrigatório o teletrabalho nos setores que permitam a medida.
Também aconteceram mobilizações contra a vacinação na Austrália, enquanto nas Antilhas francesas foram registrados protestos violentos contra a exigência do passaporte sanitário e a vacinação obrigatória dos profissionais da saúde.
O departamento francês de Guadalupe, no Caribe, recebeu no domingo reforços policiais da França, depois das manifestações violentas, saques, incêndios e bloqueios de estradas.
Austrália e Nova Zelândia
Na Oceania, a Austrália anunciou que voltará a aceitar a entrada de estudantes e trabalhadores especializados do exterior a partir de dezembro, com a flexibilização de uma das restrições sanitárias mais severas do mundo.
Vinte meses depois do fechamento das fronteiras do país, algumas pessoas com vistos, além de cidadãos do Japão e da Coreia do Sul, poderão entrar no país a partir de 1º de dezembro.
A Nova Zelândia acabará em dezembro com o confinamento de três meses e meio na maior cidade do país, Auckland, ao adotar uma nova estratégia de controle do coronavírus, anunciou a primeira-ministra Jacinda Ardern.
A partir de 2 de dezembro, o país aplicará uma nova resposta à Covid-19 para tentar conter a variante, mais do que tentar eliminá-la por completo.
“A dura realidade é que a delta está aqui e não vai embora”, declarou a chefe de Governo.
“Nenhum país conseguiu eliminar a variante delta por completo, mas a Nova Zelândia está em melhor posição que a maioria para enfrentá-la”, disse.
A resposta neozelandesa ao coronavírus foi baseada em confinamentos estritos, rastreamento rigoroso dos contatos dos infectados e fechamento da fronteira.
Por:Diario de Pernambuco

Siga-nos em nossas redes sociais Facebook, Twitter e Instagram. Você também pode ajudar a fazer o nosso Blog, nos enviando sugestão de pauta, fotos e vídeos para nossa a redação do Blog do Silva Lima por e-mail [email protected] ou WhatsApp (87) 9 9937-6606 ou 9 9101-6973.

Mundo

Elefante enfurecido destrói carrinho de safari e causa pânico

Publicado

em

Um elefante-touro enfurecido destruiu um carrinho de safari na Selati Game Reserve,  perto do Kruger Great Park, na África do Sul, levando turistas e estudantes assustados a fugir.

Um vídeo que captou o momento mostra o animal descontrolado e as pessoas desesperadas correndo.

De acordo com o jornal Mirror, o elefante se enfureceu quando dois carrinhos de 11 lugares chegaram muito perto.

Dois elefantes são vistos caminhando em direção ao veículo quando outro ataca pela esquerda. Em seguida, o animal usa as suas presas para desviar o carrinho do caminho.

Fonte: MUndo ao Minuto

Seja sempre o primeiro a saber. Baixe os nossos aplicativos gratuito.

Siga-nos em nossas redes sociais FacebookTwitter e InstagramVocê também pode ajudar a fazer o nosso Blog, nos enviando sugestão de pauta, fotos e vídeos para nossa a redação do Blog do Silva Lima por e-mail [email protected] ou WhatsApp (87) 9 9937-6606 ou 9 9101-6973.

Continue lendo

Mundo

Japão detecta primeiro caso da variante ômicron

Publicado

em

O Japão confirmou nesta terça-feira o primeiro caso da variante ômicron do coronavírus, em um homem que retornou da Namíbia, um dia depois do anúncio de novas restrições nas fronteiras.
“A respeito do viajante que retornou da Namíbia, se confirmou que era um caso de ômicron após a análise do Instituto Nacional de Doenças Infecciosas”, declarou o porta-voz do governo, Hirokazu Matsuno.
“Este é o primeiro caso de ômicron confirmado no Japão”, acrescentou. O homem infectado – com idade entre 30 e 40 anos – está isolado em um centro médico.
Na segunda-feira, o Japão anunciou novas restrições nas fronteiras e vetou o acesso a todos os estrangeiros, poucas semanas depois de flexibilizar as medidas para permitir a entrada de alguns estudantes e viajantes de negócios.
Por:Diario de Pernambuco

Seja sempre o primeiro a saber. Baixe os nossos aplicativos gratuito.

Siga-nos em nossas redes sociais FacebookTwitter e InstagramVocê também pode ajudar a fazer o nosso Blog, nos enviando sugestão de pauta, fotos e vídeos para nossa a redação do Blog do Silva Lima por e-mail [email protected] ou WhatsApp (87) 9 9937-6606 ou 9 9101-6973.

Continue lendo

Mundo

Países do G7 convocam reunião para discutir variante Ômicron e Japão fecha fronteiras

Publicado

em

O Japão anunciou, nesta segunda-feira (29), o fechamento de suas fronteiras a todos os visitantes estrangeiros para frear a variante Ômicron da Covid-19 e, durante o dia, os ministros da Saúde do G7 se reunirão em caráter de urgência para tentar estabelecer uma estratégia comum diante do avanço da pandemia.

Três semanas após flexibilizar algumas restrições, o Japão decidiu implantar controles rígidos de fronteira, algo que muitos consideram coisa do passado.

A variante Ômicron, detectada inicialmente no sul da África, já está presente em vários países. Nesta segunda-feira, os ministros da Saúde do G7 (França, Estados Unidos, Canadá, Alemanha, Itália, Japão e Reino Unido) se reunirão “para discutir a evolução da situação sobre a Ômicron”, em um encontro organizado em caráter de urgência em Londres, que tem a presidência temporária do grupo.

 

Seja sempre o primeiro a saber. Baixe os nossos aplicativos gratuito.

Siga-nos em nossas redes sociais FacebookTwitter e InstagramVocê também pode ajudar a fazer o nosso Blog, nos enviando sugestão de pauta, fotos e vídeos para nossa a redação do Blog do Silva Lima por e-mail [email protected] ou WhatsApp (87) 9 9937-6606 ou 9 9101-6973.

Continue lendo
Propaganda

Trending