Conecte-se Conosco

Saúde

Combinação de tratamentos controla câncer sem causar efeitos negativos

Publicado

em

Terapia gênica aumenta eficiência da quimioterapia e reduz dosagem de droga no tratamento.

quimioterapia, que é o uso de fármacos para controlar tumores cancerígenos, possui muitos efeitos adversos que debilitam o paciente e prejudicam as defesas naturais do organismo. Pensando em contornar esses efeitos, pesquisadores da USP combinaram a quimioterapia com a terapia gênica, que utiliza vírus para levar até as células dos tumores um gene capaz de alterar seu funcionamento, tornado-as mais sensíveis ao efeito dos fármacos e impedindo que cresçam e se multipliquem.

Experimentos com animais mostraram que a combinação aumenta a eficácia da quimioterapia para bloquear o crescimento de tumores de próstata, permitindo a redução da dosagem das drogas usadas no tratamento e a eliminação dos efeitos negativos. As pesquisas foram realizadas no Laboratório de Vetores Virais do Instituto do Câncer do Estado de São Paulo (Icesp), ligado à Faculdade de Medicina da USP (FMUSP). Testes em pacientes com câncer vão definir como prever a utilização da terapia combinada com a imunoterapia, tratamento que estimula as defesas naturais do organismo.

A terapia gênica utiliza vírus como veículos de entrega de genes que, ao chegarem às células dos tumores, impedem seu crescimento. “Os vírus são modificados em laboratório por meio de engenharia genética”, afirma o pesquisador Bryan Eric Strauss, que coordena o estudo. “Eles perdem a capacidade de se multiplicar e recebem o gene p53, conhecido como ‘guardião do genoma’, pois atua na eliminação de células que ameaçam o organismo.”

Conduzindo genes

De acordo com o pesquisador, o câncer elimina o gene de proteção das células, que ficam vulneráveis, levando ao surgimento de tumores. “Na terapia gênica, o vírus é injetado diretamente na massa tumoral do paciente, onde penetra nas células, introduzindo o p53, o qual ativa outros genes, que irão causar a morte da célula, inibindo o crescimento do tumor”, destaca. “Pesquisas anteriores do Laboratório aprimoraram a terapia gênica, modificando o vírus para que entre com mais facilidade, em um maior número de células, e atue com mais eficiência.”

O estudo combinou a terapia gênica com o vetor do p53 à quimioterapia, realizada com o fármaco cabazitaxel. “O grande problema da quimioterapia é a toxicidade do fármaco no organismo”, aponta Strauss. “Em experimentos com camundongos, a droga controla o tumor, no entanto os animais perdem peso, glóbulos brancos do sangue (leucopenia) e células de defesa (neutrófilos e linfócitos), ficando muito debilitados.”

Em testes com animais, os cientistas descobriam que o p53 colabora com a quimioterapia, parando o crescimento do tumor sem gerar efeitos negativos no organismo. “Quando o gene é introduzido nas células dos tumores, ele coordena a morte celular e sensibiliza as células para o feito da droga”, conta o pesquisador. “Com a terapia gênica, é possível reduzir a dosagem do fármaco a um nível subterapêutico [ou seja, que isoladamente não seria suficiente para controlar o crescimento do tumor] e dessa forma evitar os efeitos adversos.”

Terapias combinadas

Strauss destaca que o próximo desafio dos pesquisadores do laboratório é juntar a imunoterapia à combinação de tratamentos, de modo a ativar as defesas naturais do organismo. “A terapia gênica e a quimioterapia são tratamentos pontuais, e algumas células dos tumores não recebem o vírus com o p53. A ideia é que o próprio sistema imunológico cuide dessas células”, afirma. “A imunoterapia faria esse sistema ‘acordar’, reconhecendo e destruindo células tumorais, e oferecendo uma proteção duradoura contra a progressão de tumores.”

Os pesquisadores avaliam se a terapia combinada é capaz de estimular a resposta imune, funcionando também como imunoterapia. Os testes em seres humanos incluem experimentos utilizando quimioterapia com outras formas de imunoterapia (como, por exemplo, vacinas, introdução de anticorpos ou de proteínas), terapia gênica com quimioterapia ou imunoterapia, e até combinações de imunoterapias. “Os resultados são promissores, mas vai levar um tempo para entender como prever qual tratamento seria o melhor para cada paciente”, conclui o pesquisador.

Os estudos do laboratório tem o apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp), por meio de um projeto temático e bolsas de estudo. A pesquisa com cabazitaxel contou com a colaboração da empresa Sanofi, produtora do fármaco, que o forneceu para os experimentos. Os cientistas possuem também o apoio da Coordenadoria de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) e do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq).

Seja sempre o primeiro a saber. Baixe o nosso aplicativo gratuito.

Siga-nos em nossas redes sociais FacebookTwitter e Instagram.Você também pode ajudar a fazer o nosso Blog, nos enviando sugestão de pauta, fotos e vídeos para nossa a redação do Blog do Silva Lima por e-mail [email protected] ou WhatsApp (87) 9 9937-6606 ou 9 9101-6973.

 

Saúde

Covid-19 aumenta o risco de Alzheimer, Parkinson e derrames cerebrais

Um estudo, publicado no Frontiers in Neurology, explica quais são as probabilidades de ser diagnosticado com Alzheimer, Parkinson e derrames cerebrais, pós Covid-19.

Publicado

em

O European Academy of Neurology Congress está ocorrendo, em Viena, até dia 28 de junho. Trata-se de uma conferência que serve como plataforma de divulgação de diferentes trabalhos, entre eles um estudo onde se afirma que pacientes positivos à Covid-19 correm mais riscos de vir a sofrer de Alzheimer, Parkinson e derrames cerebrais.

Os investigadores analisaram, entre 2020 e 2021, os dados de quase metade da população total da Dinamarca. A equipe chegou à conclusão que, durante o período estudado, aqueles que testaram positivo para Covid-19 desenvolveram 3,5% de probabilidades de ser diagnosticados com Alzheimer, já quando se fala de Parkinson o número diminui para 2,6%. Existe ainda uma hipótese de 4,8% de um paciente sofrer uma hemorragia cerebral e de ser 2,7% mais propenso a sofrer um AVC isquêmico.

Este não é o primeiro estudo que associa a Covid-19 a doenças neurológicas, mas até agora não existe uma resposta conclusiva que explique a sua “influência na incidência de doenças neurológicas específicas e se é diferente de outras infeções respiratórias”, explica Pardis Zarifkar, a autora principal do estudo do Copenhagen University Hospital, citada pela EurekAlert!, realçando que é essencial continuar a estudar esta relação.

Zarifkar também salientou que estes dados refletem o que já foi confirmado, anteriormente, após casos de gripe ou pneumonia bacteriana (os números são semelhantes). No entanto, devido ao elevado número de infecções por Covid-19 é provável que o número de doenças neurodegenerativas aumente em todo o mundo, nos próximos anos.

Por Noticias ao minuto

 

Seja sempre o primeiro a saber. Baixe os nossos aplicativos gratuito.

Siga-nos em nossas redes sociais FacebookTwitter e InstagramVocê também pode ajudar a fazer o nosso Blog, nos enviando sugestão de pauta, fotos e vídeos para nossa a redação do Blog do Silva Lima por e-mail [email protected] ou WhatsApp (87) 9 9937-6606 ou 9 9101-6973.

 

Continue lendo

Saúde

Infectados pela Covid-19 ficam mais vulneráveis a doenças neurodegenerativas

Publicado

em

As suspeitas de que a infecção pelo novo coronavírus pode causar sequelas neurológicas a longo prazo ganham força com os resultados de uma pesquisa apresentada, hoje, no 8º Congresso da Academia Europeia de Neurologia (EAN), na Áustria. O estudo com dados de saúde de mais da metade da população dinamarquesa mostra que aqueles que testaram positivo para a Covid-19 ficam bem mais vulneráveis ao surgimento de algumas complicações neurodegenerativas e à ocorrência de derrame.

No caso do Alzheimer, o risco de receber o diagnóstico da doença é 3,5 vezes maior, considerando quem não foi infectado pelo Sars-CoV-2. A equipe chegou à taxa de risco aumentado de 2,6 para Parkinson. E de 4,8 para o acidente vascular cerebral isquêmico. Líder do estudo, Pardis Zarifkar explica que essa condição de vulnerabilidade já ocorre após a infecção por outros micro-organismos, mas que, no caso do Sars-CoV-2, há um fator ainda mais preocupante.
“Com exceção do acidente vascular cerebral isquêmico, a maioria dos distúrbios neurológicos não parece ser mais frequente após a Covid-19 do que após a gripe ou a pneumonia bacteriana adquirida na comunidade”, explica. No artigo, a equipe dinamarquesa também ressalta que a neuroinflamação desencadeada pelo derrame pode contribuir para um desenvolvimento acelerado de distúrbios neurodegenerativos.
Para chegar aos resultados, o grupo analisou dados de pacientes internados e assistidos em unidades ambulatoriais, entre fevereiro de 2020 e novembro de 2021, assim como atendimentos realizados antes da pandemia para tratar gripe ou pneumonia. Ao todo, 919.731 indivíduos foram testados para a infecção pelo Sars-CoV- 2 e, em 43.375 dos casos, a suspeita foi confirmada.
Por meio de técnicas estatísticas para calcular o risco relativo e considerando fatores de risco como internação, idade, sexo e existência de comorbidades, os cientistas dinamarqueses chegaram aos riscos aumentados para Alzheimer, Parkinson e derrame. Não observou-se alterações na frequência de outras doenças neurodegenerativas, como esclerose múltipla, miastenia gravis e síndrome de Guillain-Barré.
O fato de a maior vulnerabilidade ter sido constatada em um grupo que incluía pessoas acometidas por Covid-19 leve também chamou a atenção da equipe dinamarquesa. Esse é um dos motivos, segundo Zarifkar, para que as investigações científicas continuem. “Esses dados devem ser confirmados ou refutados por grandes estudos de registro em um futuro próximo (…) e ajudarão a melhorar a nossa compreensão sobre o efeito a longo prazo da Covid-19 no corpo, além do papel que as infecções desempenham em doenças neurodegenerativas e derrames.”
No Brasil
Uma equipe da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) também constatou que a infecção pelo Sars-CoV-2 pode deixar sequelas no déficit cognitivo de um público aparentemente inesperado: o de pouca idade. “Temos, em nossa amostra, jovens com sintomas cognitivos importantes e não esperados para a idade, já quatro a seis meses após a infecção pelo coronavírus”, contou, em entrevista ao site da UFMG, Marco Romano-Silva, coordenador do estudo.
Segundo o também chefe do Departamento de Saúde Mental da Faculdade de Medicina, as alterações cognitivas constatadas são esperadas em idosos com demência ou em pessoas que sofrem traumas graves na cabeça. Os resultados alcançados devem ser divulgados na revista Molecular Psychiatry, do grupo Nature. Agora, a equipe brasileira analisa, agora, possíveis efeitos das vacinas sobre esses fenômenos.

crédito: JORGE GUERRERO / AFP

Por Correio Braziliense

Seja sempre o primeiro a saber. Baixe os nossos aplicativos gratuito.

Siga-nos em nossas redes sociais FacebookTwitter e InstagramVocê também pode ajudar a fazer o nosso Blog, nos enviando sugestão de pauta, fotos e vídeos para nossa a redação do Blog do Silva Lima por e-mail [email protected] ou WhatsApp (87) 9 9937-6606 ou 9 9101-6973.

 

Continue lendo

Saúde

Pernambuco já aplicou 20.151.890 doses de vacinas contra a Covid-19

Publicado

em

Até esta sexta-feira (24/06), Pernambuco já aplicou 20.151.890 doses de vacinas contra a Covid-19. Dessas, 8.270.902 foram primeiras doses, 7.265.450 segundas doses e 175.283 doses únicas.

Além disso, 3.899.328 receberam a primeira dose de reforço e 505.481 já estão imunizados com o segundo reforço.

Também foram confirmados, 2.048 novos casos da Covid-19. Ao todo, o Estado soma 965.296 confirmações. O boletim ainda registra 4 óbitos, ocorridos entre 28/05/2020 e 11/02/2022, totalizando 21.836 mortes pela doença.

Seja sempre o primeiro a saber. Baixe os nossos aplicativos gratuito.

Siga-nos em nossas redes sociais FacebookTwitter e InstagramVocê também pode ajudar a fazer o nosso Blog, nos enviando sugestão de pauta, fotos e vídeos para nossa a redação do Blog do Silva Lima por e-mail [email protected] ou WhatsApp (87) 9 9937-6606 ou 9 9101-6973.

Continue lendo
Propaganda

Trending

Como podemos ajudar!!