Conecte-se Conosco

Brasil

Concessão de novos empréstimos tem retração de 3,6% em maio

Publicado

em

Em abril, no auge das medidas de distanciamento social impostas por diversos governos estaduais e municipais, a queda nas concessões de novos empréstimos no crédito livre já havia sido de 28,3%

Mesmo com empresas e famílias ainda em busca de recursos para fechar as contas enquanto sofrem os efeitos da crise da pandemia do coronavírus, as concessões de empréstimos dos bancos no crédito livre voltaram a cair em maio. De acordo com dados do Banco Central, o volume ofertado no mercado – descontado o crédito direcionado com recursos da poupança e do BNDES – teve uma retração de 3,6% no mês passado, ficando em R$ 255,8 bilhões.

Em abril, no auge das medidas de distanciamento social impostas por diversos governos estaduais e municipais, a queda nas concessões de novos empréstimos no crédito livre já havia sido de 28,3%. O segmento industrial puxou o número de maio para baixo, com retração de 9,4%, enquanto o volume de crédito liberado para as famílias cresceu 3,3% em relação a abril.

Em meio à carência de recursos, pessoas físicas e jurídicas aumentaram a demanda de algumas linhas de crédito nos bancos. No entanto, ainda há reclamações, em especial entre companhias de menor porte, de dificuldades de acesso a crédito neste momento de crise. Nesta semana, o BC lançou um novo pacote de medidas para tentar garantir que o crédito chegue na ponta para famílias e pequenas e médias empresas.

O chefe do Departamento de Estatísticas do BC, Fernando Rocha, afirmou que as linhas de financiamento para pessoas jurídicas continuam sendo muito demandadas, e argumentou que a queda no ritmo de concessões em maio é natural após um grande volume de contratos de crédito assinados em abril.

“As concessões como um todo se reduziram em maio. O volume disponibilizado para capital de giro em maio não foi tão alto como o de abril, mas segue bem acima do nível verificado nos meses anteriores à crise”, disse ele.

As concessões de capital de giro somaram R$ 33,180 bilhões em maio. O volume é inferior aos R$ 44,769 bilhões do pico da modalidade em abril, mas se mantém em um nível bem superior aos R$ 15,631 bilhões de fevereiro – último mês sem impacto da crise da pandemia de covid-19.

Rocha afirmou ainda que o aumento de 0,3% no estoque de crédito total do Sistema Financeiro Nacional (SFN) em maio ocorreu principalmente nos saldos para empresas, com alta de 0,7%, enquanto os saldos de crédito para famílias ficaram estáveis.

“Nos últimos 12 meses, a carteira de pessoas jurídicas cresceu 10,3%, enquanto a carteira de pessoas físicas cresceu 8,5%. Esse desempenho recente tem a ver com a necessidade que foi criada pela crise e as reações a ela. As empresas demandaram e obtiveram mais crédito.”

Juros

A taxa média de juros das operações de capital de giro em maio, de 12,4% ao ano, foi a menor da série histórica da pesquisa do BC – iniciada em 2000. “Essa menor taxa de juros em séries de 20 anos reflete o ciclo de redução da taxa de Selic”, apontou. Na semana passada, o Comitê de Política Monetária (Copom) voltou a cortar a Selic em 0,75 ponto porcentual, de 3% para 2,25% ao ano (menor patamar da história no País).

Da mesma forma, a taxa de juros do cheque especial, de 117,1% ao ano, também foi a menor da série histórica da autoridade monetária. “A taxa praticada está, inclusive, abaixo do teto estipulado pelo BC”, completou Rocha. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Por Estadão Conteúdo

 

Seja sempre o primeiro a saber. Baixe os nossos aplicativos gratuito.

Siga-nos em nossas redes sociais FacebookTwitter e Instagram.Você também pode ajudar a fazer o nosso Blog, nos enviando sugestão de pauta, fotos e vídeos para nossa a redação do Blog do Silva Lima por e-mail blogdosilvalima@gmail.com ou WhatsApp (87) 9 9937-6606 ou 9 9101-6973.

Brasil

Mega-sena volta à acumular, sorteio do concurso 2279 pode pagar 44 milhões de reais

Publicado

em

A Caixa Econômica Federal sorteou, na noite deste sábado (11), cinco loterias: os concursos 2278 da Mega-Sena; o 5311 da Quina; o 2103 da Dupla Sena;  o 1509 da Timemania e o 328 do Dia da Sorte. Aberto para o público, o sorteio foi realizado no Espaço Caixa Loterias, no Terminal Rodoviário do Tietê, em São Paulo.

Mega-Sena

A Mega-Sena, que teve o prêmio previsto de R$ 40 milhões. Ninguém acertou os números e o prêmio foi para R$ 44 milhões.

 As dezenas sorteadas foram: 08 – 17 – 34 – 37 – 43 – 45.

A quantidade de ganhadores da Mega-Sena e o rateio podem ser conferidos aqui.

Dia de Sorte

O Dia de Sorte com prêmio previsto de R$ 1,4 milhões.

Teve o seguinte resultado: 11 – 14 – 17 – 20 – 23 – 25 – 27.

O mês da sorte é dezembro.

A quantidade de ganhadores do Dia de Sorte e o rateio podem ser conferidos aqui.

Timemania

A Timemania, com prêmio previsto de R$ 5,5 milhões.

Foram sorteados os seguinte números: 16 – 31 – 34 – 44 – 49 – 50 – 78.

O time do coração é o Figueirense, de Santa Catarina.

A quantidade de ganhadores da Timemania e o rateio podem ser conferidos aqui.

Dupla Sena

A Dupla Sena teve os seguintes números sorteados:

No primeiro sorteio os números foram: 03 – 19 – 30 – 34 – 39 – 50;

No segundo sorteio: 01 – 05 – 13 – 17 – 33 – 38

 O prêmio previsto foi de R$ 11,1 milhões.

A quantidade de ganhadores da Dupla Sena e o rateio podem ser conferidos aqui.

Quina

A Quina, com prêmio previsto de R$ 12,9 milhões.

Teve os seguintes números sorteados: 15 – 23 – 29 – 31 – 55.

A quantidade de ganhadores da Quina e o rateio podem ser conferidos aqui.

Seja sempre o primeiro a saber. Baixe os nossos aplicativos gratuito.

Siga-nos em nossas redes sociais FacebookTwitter e Instagram.Você também pode ajudar a fazer o nosso Blog, nos enviando sugestão de pauta, fotos e vídeos para nossa a redação do Blog do Silva Lima por e-mail blogdosilvalima@gmail.com ou WhatsApp (87) 9 9937-6606 ou 9 9101-6973.

Continue lendo

Brasil

Estatuto da Criança e do Adolescente ganhará versão em Libras

Publicado

em

O material será voltado a pessoas surdas ou com deficiência auditiva que dominem a língua brasileira de sinais (Libras), independentemente do conhecimento da língua portuguesa

Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos abriu uma licitação para produzir o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) em linguagem direcionada para pessoas surdas ou com deficiência auditiva. A iniciativa é fruto de uma parceria do ministério com a Organização dos Estados Ibero-Americanos para a Educação, a Ciência e a Cultura (OEI).

O material será voltado a pessoas surdas ou com deficiência auditiva que dominem a língua brasileira de sinais (Libras), independentemente do conhecimento da língua portuguesa. Para que isso ocorra, o processo de tradução do ECA envolverá a interpretação do texto na língua-fonte (português) e sua reformulação na língua-alvo (Libras), de forma a torná-lo compreensível. Conheça a íntegra do edital.

O Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) estabelece direitos e garantias especiais às crianças e aos adolescentes. Sancionado em 13 de julho de 1990, o estatuto prevê a ampla divulgação dos direitos da criança e do adolescente pelo poder público, de forma periódica, nos meios de comunicação social. 

A legislação também estabelece que as mensagens devem ser veiculadas em linguagem clara, compreensível e adequada a crianças e adolescentes. Segundo o ministério, em comemoração aos 30 anos do ECA, a norma será traduzida para atender às necessidades específicas das pessoas surdas ou com deficiência auditiva.

Por Notícias ao Minuto

Seja sempre o primeiro a saber. Baixe os nossos aplicativos gratuito.

Siga-nos em nossas redes sociais FacebookTwitter e Instagram.Você também pode ajudar a fazer o nosso Blog, nos enviando sugestão de pauta, fotos e vídeos para nossa a redação do Blog do Silva Lima por e-mail blogdosilvalima@gmail.com ou WhatsApp (87) 9 9937-6606 ou 9 9101-6973.

Continue lendo

Brasil

Um peso com duas medidas: Ministro Noronha que concedeu HC a Queiroz, já negou prisão domiciliar a outros doentes e idosos

Publicado

em

Assim como o habeas corpus de Queiroz, esses outros pedidos de prisão domiciliar se basearam em uma recomendação do Conselho Nacional de Justiça (CNJ).

Ao conceder a prisão domiciliar ao ex-assessor Fabrício Queiroz, anteontem, o presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ), João Otávio de Noronha, deu, como justificativa, a saúde debilitada do investigado e o risco causado a ele pelo novo coronavírus. Nos últimos meses, no entanto, Noronha negou o benefício a outros presos provisórios, ou seja, que não foram condenados ainda, como idosos e grávidas que também alegaram problemas de saúde e a pandemia em seus habeas corpus.

Assim como o habeas corpus de Queiroz, esses outros pedidos de prisão domiciliar se basearam em uma recomendação do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), que orienta a reavaliação das prisões provisórias priorizando-se: pessoas do grupo de risco, presos em penitenciárias com superlotação e casos de prisões preventivas que tenham excedido 90 dias.

Ex-funcionário do antigo gabinete do senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) na Assembleia Legislativa do Rio (Alerj), Queiroz é apontado pelo Ministério Público (MP) como operador de um esquema de apropriação do salário de outros servidores, a “rachadinha”. Preso no último dia 18 por decisão da Justiça do Rio, ele não havia deixado o presídio de Bangu 8 até a conclusão desta edição. No habeas corpus, Noronha também concedeu habeas corpus para a mulher de Queiroz, Márcia Oliveira de Aguiar, foragida há mais de 20 dias.

Especialistas em Direito Penal criticaram a medida, alegando que, como Márcia não foi localizada pela polícia, é impossível saber se seu estado de saúde é realmente preocupante. Em março, ao negar habeas corpus da Defensoria Pública do Ceará em nome de presos provisórios que fazem parte do grupo de risco da covid-19, o presidente do STJ alegou que não havia como conceder a liberdade sem que fosse primeiro analisada a condição individual de cada preso.

Ao negar a liminar, Noronha afirmou que a tarefa de checar a saúde dos presos cabia aos juízes de execução penal, na primeira instância. O habeas corpus atingia, principalmente, grávidas e idosos.

Em 29 de abril, Noronha negou o pedido de revisão da prisão de um empresário chinês de quase 60 anos que alegou problemas cardíacos. Ele foi preso preventivamente durante operação da Polícia Civil de São Paulo que identificou o desvio de aproximadamente 15 mil testes para covid-19. O habeas corpus inicial foi encaminhado ao Tribunal de Justiça de São Paulo, que também negou o pedido.

Para o criminalista Conrado Gontijo, doutor em direito penal pela USP, Noronha acertou ao mandar Queiroz para a prisão domiciliar, mas o STJ deveria rever casos anteriores que foram negados. “Em muitos outros casos semelhantes, o STJ negou a liberdade aos presos enfermos e idosos. Parece-me importante que esses casos sejam revistos”, afirmou.

Procurado, o STJ não respondeu até a publicação desta matéria. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Seja sempre o primeiro a saber. Baixe os nossos aplicativos gratuito.

Siga-nos em nossas redes sociais FacebookTwitter e Instagram.Você também pode ajudar a fazer o nosso Blog, nos enviando sugestão de pauta, fotos e vídeos para nossa a redação do Blog do Silva Lima por e-mail blogdosilvalima@gmail.com ou WhatsApp (87) 9 9937-6606 ou 9 9101-6973.

Continue lendo

Trending