Conecte-se Conosco

Brasil

Fumaça dos incêndios na Austrália chega ao Rio Grande do Sul trazida por vento

Publicado

em

Percorrendo mais de 12 mil quilômetros carregada pelo vento, a fumaça dos incêndios florestais que afetam a Austrália chegou ao sul do Brasil, mais especificamente ao Rio Grande do Sul, nesta terça-feira (7).

Isso ocorre por que tanto o Rio Grande do Sul como a Austrália estão localizados praticamente na mesma altura do globo terrestre, entre os paralelos 25 e 30 ao sul do Equador, explica a meteorologista Estael Sias, da Metsul, que tem monitorado o fenômeno. Paralelos são círculos que configuram as coordenadas geográficas de maneira horizontal – os meridianos, na vertical.

Antes de chegar ao estado sulino, a fumaça passou pelo Oceano Pacífico, parte do Chile, da Argentina e Uruguai, carregada por uma corrente de vento na direção que se movimente de oeste a leste do planeta. Nesses países, a fumaça foi percebida ainda na segunda-feira (6). (Por Alvinho Patriota)

 

Seja sempre o primeiro a saber. Baixe os nossos aplicativos gratuito.

Siga-nos em nossas redes sociais FacebookTwitter e Instagram.Você também pode ajudar a fazer o nosso Blog, nos enviando sugestão de pauta, fotos e vídeos para nossa a redação do Blog do Silva Lima por e-mail blogdosilvalima@gmail.com ou WhatsApp (87) 9 9937-6606 ou 9 9101-6973.

Brasil

Seguro para desemprego poderá ter mais 2 cotas

Publicado

em

O custo de cada parcela adicional é estimado em R$ 8,35 bilhões, segundo cálculos da equipe econômica.

Representantes do governo, dos trabalhadores e das empresas decidem hoje se prorrogam os pagamentos de seguro-desemprego a quem for demitido durante a calamidade provocada pela pandemia da covid-19. Se aprovada, a medida pode beneficiar 6 milhões de trabalhadores.

O custo de cada parcela adicional é estimado em R$ 8,35 bilhões, segundo cálculos da equipe econômica obtidos pelo Estadão/Broadcast. A proposta das centrais sindicais é pagar duas parcelas adicionais, o que levaria a uma despesa extra de R$ 16,7 bilhões.

A medida será votada no Conselho Deliberativo do Fundo de Amparo ao Trabalhador (Codefat), responsável por operar políticas como abono salarial e seguro-desemprego. O colegiado tem 18 integrantes indicados por trabalhadores, empresas e governo. Cada categoria tem seis assentos no conselho.

A bancada dos empregadores deve ser o fiel da balança na votação, já que tanto governo quanto trabalhadores devem votar em bloco e em direções opostas. Na última reunião do Codefat, representantes dos setores de agricultura e turismo sinalizaram apoio à prorrogação do seguro-desemprego, enquanto a indústria foi contra, segundo apurou o Estadão/Broadcast. Com o placar indefinido, tanto o governo quanto as centrais deflagraram uma ofensiva para tentar angariar votos das confederações empresariais.

As centrais precisam conseguir ao menos três aliados dentro do conselho, já que, em caso de empate, o voto de minerva é do presidente do Codefat. A presidência é exercida por Francisco Pegado, indicado da União Geral dos Trabalhadores (UGT).

Em defesa da medida, as centrais justificam que a crise no mercado de trabalho já dura seis meses desde a decretação de calamidade, enquanto o número médio de parcelas do seguro desemprego está em quatro (o máximo é cinco, a depender da duração do contrato rescindido). Quem foi dispensado no início da crise pode já estar sem o benefício e, ao mesmo tempo, sem poder solicitar o auxílio emergencial criado para socorrer os mais vulneráveis, uma vez que o cadastro foi finalizado no início de julho.

“Há um desespero, uma preocupação e uma comoção grande por parte dos desempregados”, diz Sérgio Leite, representante da Força Sindical no Codefat. Entre março e agosto de 2020, 3,9 milhões de trabalhadores que tinham carteira assinada solicitaram o seguro-desemprego, 12,4% a mais do que em igual período do ano passado.

O representante da Confederação Nacional do Turismo (CNTur), Virgílio Carvalho, disse que o tema será analisado “com muito cuidado” para não comprometer a sustentabilidade do fundo nem deixar os trabalhadores desamparados.

Autorização

A lei do seguro-desemprego autoriza o Codefat a pagar duas parcelas adicionais do benefício para grupos específicos de segurados, desde que o gasto adicional da medida não ultrapasse, em cada semestre, 10% da reserva mínima de liquidez que o fundo mantém para honrar suas obrigações. Essa reserva é calculada ao redor de R$ 13 bilhões – ou seja, a despesa extra não poderia passar de R$ 1,3 bilhão.

Um parecer da própria Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional (PGFN), no entanto, avalia que o orçamento de guerra, aprovado pelo Congresso Nacional para abrir caminho às despesas de combate à pandemia, afasta a restrição dos 10%. Além disso, o órgão jurídico do Ministério da Economia também vê elementos suficientes para justificar a abertura de um crédito extraordinário e permitir que a despesa fique fora do teto de gastos, mecanismo que limita o avanço das despesas à inflação, já que as parcelas extras ficariam restritas a 2020.

Na prática, a prorrogação do seguro-desemprego depende apenas da aprovação do Codefat e da edição de uma Medida Provisória (MP) para abrir o crédito. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

 

Seja sempre o primeiro a saber. Baixe os nossos aplicativos gratuito.

Siga-nos em nossas redes sociais FacebookTwitter e Instagram.Você também pode ajudar a fazer o nosso Blog, nos enviando sugestão de pauta, fotos e vídeos para nossa a redação do Blog do Silva Lima por e-mail blogdosilvalima@gmail.com ou WhatsApp (87) 9 9937-6606 ou 9 9101-6973.

Continue lendo

Brasil

Covid-19: SP prevê 60 milhões de doses de vacina até o fim fevereiro

Publicado

em

Segundo o governo de São Paulo, 94,7% dos voluntários não apresentaram qualquer efeito adverso nos teste já feitos.

governador de São Paulo, João Doria (PSDB), anunciou nesta quarta-feira, 23, que estudo feito em 50 mil pessoas na China indica segurança da Coronavac, o imunizante contra a covid-19 desenvolvido em parceria do laboratório Sinovac e com o Instituto Butantã. Segundo o governo de São Paulo, 94,7% dos voluntários não apresentaram qualquer efeito adverso – índice que se a equipararia a outras vacinas já amplamente usadas no Brasil, como a da gripe.

O resultado divulgado é referente à aplicação emergencial de 67.260 doses da Coronavac em um total de 50.027 pessoas, que foi autorizada pelo governo chinês para alguns grupos, como pacientes de risco e funcionários da Sinovac. Por sua vez, o estudo clínico – que é realizado em diferentes países ainda com alta transmissão, incluindo o Brasil – está em fase 3, ainda em andamento. Só esta última pesquisa é que vai atestar ou não a eficácia da vacina.

Mesmo sem resultados clínicos conclusivos, a gestão Doria tem expectativa de conseguir iniciar a vacinação ainda na segunda quinzena de dezembro. Segundo o governo, São Paulo deve receber 60 milhões de doses até fevereiro.

De acordo com dados apresentados pela gestão, apenas 5,3% das pessoas que receberam emergencialmente a vacina na China apresentaram sintomas adversos – a maioria, no entanto, sem gravidade. Entre os efeitos colaterais, o mais comuns foram dor no local de aplicação (3,08%), fadiga (1,53%) e febre (0,21%).

Destes, só quatro voluntários teriam apresentado quadros considerados mais graves. No grupo, teriam sido relatados sete efeitos colaterais, ao todo, que incluem falta de apetite, dor de cabeça e febre acima de 38,5ºC.

“Esses resultados comprovam que a Coronavac tem excelente perfil de segurança e confirma a manifestação feita pela Organização Mundial de Saúde (OMS), que a indicou como uma das oito vacinas mais promissoras do mundo”, afirmou Doria. “A vacina da gripe, por exemplo, apresenta efeitos adversos pouco nocivos em não mais do que 10% da totalidade das pessoas.”

Estudo clínico

Na apresentação, Doria chegou a afirmar que a Coronavac também teria demonstrado eficácia em 98% dos casos. O índice, na verdade, diz respeito à soroconversão calculada – ou seja, quantas pessoas teriam apresentado resposta imunológica ao coronavírus, mas ainda sem a garantia de que, de fato, a presença de anticorpos protege contra a infecção.

Presidente do Instituto Butantan, Dimas Covas disse que ainda é cedo para falar da eficiência. “O estudo de fase 3 está em andamento e os resultados são de conhecimento de quem controla o estudo, um organismo internacional”, afirmou. “Ainda não temos dados disponíveis sobre a eficácia. A partir do dia 15 de outubro, podemos ter os resultados de eficácia que permitirão o registro da vacina na Anvisa.”

No Brasil, os testes em voluntários de saúde começaram no dia 21 de julho. Segundo o governo, mais de 5,6 mil dos 9 mil médicos e paramédicos já teriam recebido a Coronavac, sem nenhum registro de reação adversa até o momento. A previsão é que todas as doses para a pesquisa sejam aplicadas até o próximo mês.

Após a administração das vacinas, os pacientes ainda são monitorados por um ano. Essa fase é importante para saber se há diferença de resultado entre o grupo em que o imunizante foi aplicado e o que recebeu placebo – para só então concluir sobre a eficácia.

Diretor da Sinovac na América do Sul, Xing Han demonstrou otimismo em obter bons resultados. “Estamos confiantes com a Coronavac tanto para segurança quanto para eficiência. Os testes estão sendo bem feitos e daqui a um ou dois meses já saem os resultados da fase 3, com curto prazo para registro na Anvisa”, disse.

Ainda segundo o representante da farmacêutica, a empresa vai trabalhar “dia e noite” para entregar 60 milhões de doses a São Paulo até fevereiro de 2020.

Segundo Doria, o primeiro lote com 5 milhões de doses da Coronavac, produzidas na China, chegará a São Paulo ainda em outubro. Pelo cronograma do Estado, o Instituto Butantan deve produzir mais 40 milhões de doses até 21 de dezembro, com expectativa de outras 55 milhões até maio de 2021.

“Como governador, também torço para que outras vacinas se mostrem eficientes”, disse. “Não estamos em uma corrida por vacina, mas pela vida. Quanto mais vacinas aprovadas e chanceladas pela Anvisa, mais brasileiros serão salvos mais rapidamente.”

Na ocasião, o governador voltou a afirmar que espera começar a vacinação ainda neste ano. “Deveremos, por óbvio, aguardar a finalização dessa terceira e última fase de testagem e a aprovação da Anvisa, mas já em dezembro, na segunda quinzena, poderemos iniciar a imunização de acordo com critérios da Secretaria de Saúde e dos protocolos do Ministério da Saúde.”

Especialistas têm apontado que, além da comprovação da eficácia e da segurança da vacina, a imunização em massa também terá desafios logísticos, como estratégias de produção, distribuição e aplicação do produto. A Organização Mundial da Saúde (OMS) já disse não prever imunização em massa antes de 2022.

“O único dado que conseguimos extrair do estudo clínico é que aparentemente, a vacina é segura. O que não significa que ela protege. Isso veremos com o tempo, observando se as pessoas que foram vacinadas têm covid-19 ou não e indiretamente se elas produzirão anticorpos”, explica Alexandre Naime, chefe da Infectologia da Unesp e consultor da Sociedade Brasileira de Infectologia

O próximo passo, de acordo com Rômulo Leão Silva Neris, virologista da UFRJ, seria avaliar a combinação das duas grandezas. “As pessoas precisarão ser monitoradas, pois a produção de anticorpos não indica necessariamente uma proteção imediata. É um fato importante, mas não o único. Há vacinas que precisamos tomar duas vezes na vida, e outras em períodos regulares pois a resposta (da imunização) é longa mas não permanente. Infelizmente, dada a necessidade de uma vacina contra covid-19, não conseguiremos esperar para determinar se a resposta dura muito tempo ou não”, completa.

Corrida das vacinas

O acordo firmado com a Sinovac permite a transferência de tecnologia ao Butantan, que poderá também produzir a vacina. No fim de agosto, o governo paulista também pediu pelo menos R$ 1,9 bilhão do Ministério da Saúde para ampliar a previsão de entrega da vacina Coronavac no próximo ano, de 60 milhões para 120 milhões de doses. Doria disse nesta quarta-feira que o governo federal prometeu liberar o primeiro lote de R$ 80 milhões para apoiar o processo de produção.

Já o governo federal assinou acordo com a farmacêutica AstraZeneca, que desenvolve com a Universidade de Oxford (Reino Unido), um imunizante que também está na fase 3 dos ensaios clínicos, com humanos. Esse contrato também prevê transferência de tecnologia, para a fabricação de doses no Brasil.

Por sua vez, os governos de Paraná e Bahia fecharam parceria com a Rússia para testar a vacina Sputnik 5, também em fase final de testes. Ainda segundo infectologistas, ter mais de um imunizante contra a doença pode ser necessário para garantir proteção mais ampla da população.

Nesta semana, a Sinovac anunciou e que vai iniciar o teste da vacina também na Turquia. De acordo com nota da empresa, em um primeiro momento, 1,3 mil profissionais de saúde entre 18 e 59 anos serão voluntários no país, nesta etapa considerada em que é testada a eficácia do imunizante. Em um segundo momento, 12 mil pessoas da população em geral receberão uma dose da vacina ou um placebo, no intervalo de duas semanas.

Imunizante está no centro da disputa política

Para cientistas políticos ouvidos pelo Estadão, Doria deve colher benefícios eleitorais caso a vacinação se inicie na segunda quinzena de dezembro, como é a expectativa do governo. “Ele provavelmente vai trazer à tona cada uma das declarações do presidente de desprezo pela pandemia, muitas vezes em posturas anti-científicas. Se isso se concretizar vai ter uma força enorme para o Doria, que nunca escondeu desde que foi eleito como prefeito de São Paulo o desejo à presidência”, afirma o sociólogo, cientista político e professor da Universidade Presbiteriana Mackenzie Rodrigo Prando.

Ele afirma que, no caso de uma disputa presidencial entre Doria e Bolsonaro, deve ocorrer uma “guerra de números”, em que serão levantados o número de mortos e sobreviventes, o quanto foi investido no combate ao coronavírus e até quanto foi gasto de auxílio emergencial. “A grande questão é como cada uma das narrativas vai ganhar corações e mentes do brasileiro”.

O cientista político Cláudio Couto, professor da FGV-SP, afirma que Doria pode mostrar que começou a resolver o problema antes dos outros. “Isso tem um efeito econômico, porque se conseguir vacinar permite voltar as atividades econômicas. Qualquer ganho que ele tiver vai beneficiá-lo para voos futuros”, afirma. (Colaboraram Larissa Gaspar e Renato Vieira)

Seja sempre o primeiro a saber. Baixe os nossos aplicativos gratuito.

Siga-nos em nossas redes sociais FacebookTwitter e Instagram.Você também pode ajudar a fazer o nosso Blog, nos enviando sugestão de pauta, fotos e vídeos para nossa a redação do Blog do Silva Lima por e-mail blogdosilvalima@gmail.com ou WhatsApp (87) 9 9937-6606 ou 9 9101-6973.

Continue lendo

Brasil

“Brasil está voltando em V”, afirma Guedes sobre a reação da economia

Publicado

em

O ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou nesta quarta-feira (23) que o Brasil reage bem na retomada da economia após as consequências provocadas pela pandemia do novo coronavírus.

Em entrevista ontem, Guedes disse que o país tem um Congresso reformista, um presidente que apoia as reformas e afirmou estar “otimista” com o futuro próximo do país.

“A principal mensagem que eu gostaria de dizer é o seguinte: Como dizia, o Brasil está voltando em V”, explicou.

Em seguida, informou que a equipe econômica está submetendo à apreciação dos líderes no Congresso, com quem ele e Jair Bolsonaro se reuniram ontem, as contribuições para a reforma tributária.

“O Congresso brasileiro é reformista, o presidente está dando apoio às reformas, já mandamos a administrativa e vamos mandar agora a tributária. E o pacto federativo também está entrando. Continuo otimista, o Brasil está reagindo bem”, disse.

Guedes relembrou que, “chegou a pandemia, e fizemos orçamento de guerra, auxílio emergencial”, entre outras medidas. Segundo o ministro, “o Brasil, junto com a China e a Coreia, são as duas ou três economias que estão voltando em V. Eu dizia que o Brasil ia surpreender o mundo”. Fonte: R7

 

Seja sempre o primeiro a saber. Baixe os nossos aplicativos gratuito.

Siga-nos em nossas redes sociais FacebookTwitter e Instagram.Você também pode ajudar a fazer o nosso Blog, nos enviando sugestão de pauta, fotos e vídeos para nossa a redação do Blog do Silva Lima por e-mail blogdosilvalima@gmail.com ou WhatsApp (87) 9 9937-6606 ou 9 9101-6973.

Continue lendo

Trending