Conecte-se Conosco

Saúde

Infecção urinária pode ser sinal de doença nos rins ou na bexiga

Publicado

em

Uma infecção urinária pode ser o sinal de que algo não vai bem no organismo, principalmente nos rins e na bexiga. No caso dos homens, tem atenção maior com a próstata

Envelhecer traz mudanças fisiológicas que impactam o bom funcionamento do sistema urinário. De acordo com a Sociedade Brasileira de Urologia, os mais velhos tendem a desenvolver infecções urinárias. A partir dos 65 anos, a incidência da doença é de 10% entre os homens e 20% entre as mulheres.

Uma infecção urinária pode ser o sinal de que algo não vai bem no organismo, principalmente nos rins e na bexiga. No caso dos homens, tem atenção maior com a próstata.

Segundo José Carlos Truzzi, médico urologista do Hospital Santa Catarina, é importante identificar quais mudanças são parte natural do processo de envelhecimento e quais indicam um sinal de alerta para possíveis doenças.

“É normal que haja alterações hormonais em uma mulher idosa, já que a menopausa diminui a produção de alguns hormônios. Mas a incontinência urinária, por exemplo, é uma patologia, não uma condição normal da velhice”, explica o urologista.

De acordo com ele, é grande o número de pacientes que acredita que a perda involuntária da urina seja algo normal. A incontinência urinária é muito frequente em mulheres, principalmente nas mais velhas. “Existe um tipo de incontinência que acomete mulheres mais idosas que chamamos de incontinência de esforço. Essas mulheres sofrem com a perda de xixi ao se agachar, ao carregar peso, espirrar ou tossir”, conta Willy Baccaglini, uro-oncologista do Hospital Albert Einstein.

“Os principais fatores para as mulheres virem a apresentar isso são o próprio envelhecimento, que coloca a mulher na menopausa, reduz a produção de hormônios e faz com que a musculatura pélvica fique mais flácida e fraca”, explica.

Por sua vez, os homens com idade avançada têm problemas relacionados principalmente ao crescimento benigno da próstata. “O que acontece é que o crescimento da próstata começa a alterar a micção destes homens, ou seja, a forma como eles urinam, já que a próstata passa a obstruir o caminho da uretra.”

Diferente do câncer de próstata, esse crescimento faz parte do processo de envelhecimento. Segundo o uro-oncologista, é preciso acompanhar os sintomas, que podem se agravar. “É comum que um homem com mais de 50 anos levante uma vez para ir ao banheiro durante a madrugada, mas alguns passam a precisar ir cinco, seis vezes. Esse seria um dos principais sintomas”, conta Baccaglini.

Ele também cita a urgência, aquela vontade repentina e imediata de urinar, como sinal de alerta.

“Ter atenção às manifestações de sintomas é o primeiro passo”, diz Truzzi. O médico recomenda manter uma boa hidratação unida a uma alimentação saudável.

Diabetes descontrolado piora quadros urinários A infecção urinária é uma doença comum, principalmente entre mulheres. Segundo dados do Ministério da Saúde, cerca de 30% das mulheres vão apresentar na vida infecção urinária leve ou grave. Em pacientes diabéticos, a doença também se faz presente.

A diabetes compromete a resposta imunológica do organismo, o que, por si só, já favorece o crescimento de bactérias que podem gerar infecção urinária. Outra característica da doença é a alta presença de glicose no sangue, que também facilita a proliferação.

De acordo com o uro-oncologista Willy Baccaglini, do Hospital Albert Einstein, a diabetes também causa lesões na enervação da bexiga, o que pode afetar a frequência e a forma de urinar. “O comprometimento neurológico da bexiga pode ser tão intenso em alguns casos que faz com que o paciente pare de urinar, o que chamamos de retenção urinária aguda”, explica.

Por esse motivo, o controle da diabetes é essencial para não agravar quadros de doenças urinárias, segundo o médico. “Doenças sistêmicas acabam comprometendo o funcionamento do trato urinário, que depende da integridade da enervação que supre a bexiga e a uretra”, complementa o médico urologista, José Carlos Truzzi.

PRINCIPAIS PROBLEMAS URINÁRIOS
Saiba mais:

Infecção urinária

Causada por bactérias do trato urinário que migram para a bexiga e podem até alcançar os rins.
Mais frequente entre mulheres, gera vontade urgente de urinar, dores na região da bexiga e ardência ao ir ao banheiro.

Hiperplasia prostática benigna

Crescimento benigno da próstata, extremamente comum entre homens maiores de 50 anos. Traz necessidade de urinar várias vezes durante a noite, vontades repentinas e urgentes, e alterações no fluxo urinário.

Incontinência urinária de esforço

Perda involuntária de urina devido à fraqueza dos músculos pélvicos que sustentam a bexiga.
É mais comum entre mulheres e pode ser consequência do envelhecimento, do número de partos, da menopausa.

Bexiga hiperativa

Condição caracterizada pela vontade repentina e urgente de urinar, já que a bexiga contrai-se sem sua vontade.
Pode estar associada à incontinência e faz com que a Pessoa precise acordar à noite para urinar, o que prejudica o sono.

Insuficiência renal

Diminuição na capacidade de filtração do sangue nos rins.
Pode ser consequência de infecções, retenções urinárias ou do descontrole de outras doenças, como diabetes e hipertensão.

Cistos renais

Bolsas de água que se formam no interior dos rins e aumentam com o envelhecimento.
Normalmente assintomáticos, podem gerar dores em casos mais graves.

Sinais de alerta para buscar um médico:

– Dores ou ardências ao urinar
– Aumento excessivo da frequência urinária
– Necessidade imediata de urinar
– Alterações no fluxo urinário (jatos mais fracos ou dificuldade em manter um fluxo constante)
– Alterações na coloração da urina
– Necessidade excessiva de urinar durante à noite
– Disfunções sexuais em homens (ejaculação precoce, perda de ereção)

Prevenção

– Beba bastante água
– Não segurar a urina
– Evite usar as duchas vaginais
– Mantenha a higiene íntima correta
– Urinar logo depois da relação sexual ajuda a eliminar bactérias que possam ter entrado durante o ato

Fontes: José Carlos Truzzi, médico urologista do Hospital Santa Catarina, e Willy Baccaglini, uro-oncologista do Hospital Albert Einstein e professor na Faculdade de Medicina do ABC.

Por Folhapress

Seja sempre o primeiro a saber. Baixe os nossos aplicativos gratuito.

Siga-nos em nossas redes sociais FacebookTwitter e InstagramVocê também pode ajudar a fazer o nosso Blog, nos enviando sugestão de pauta, fotos e vídeos para nossa a redação do Blog do Silva Lima por e-mail [email protected] ou WhatsApp (87) 9 9937-6606 ou 9 9101-6973.

Saúde

Unidade Móvel da Covid-19 permanece com testes rápidos no centro de Serra Talhada

Publicado

em

A Prefeitura de Serra Talhada, através da Secretaria de Saúde, vem intensificando a testagem rápida e mapeamento do novo coronavírus no município. E nesta semana, a Unidade Móvel da Covid-19 continuará no Centro da Cidade, com atendimento a partir das 08h.

Nesta segunda-feira (12) a Unidade Móvel está atendendo a população em frente ao Pátio da Feira Livre; na terça (13) estará na Rua Coronel Cornélio Soares (em frente aos Correios); e na quarta (14), quinta (15) e sexta (16) estará na Praça Sérgio Magalhães.

A Unidade Móvel da Covid-19 já passou por diversos bairros e distritos de Serra Talhada, como Varzinha, Bernardo Vieira, Vila Bela, Mutirão, Cagep, Borborema, Caxixola, Malhada, Bom Jesus, Ipsep e Cohab. De segunda a sexta a unidade circula pela cidade e nos finais de semana vai até os distritos e comunidades rurais.

Testagem rápida de 12 a 16 de abril:

12/04 – Em frente ao Pátio da Feira
13/04 – Rua Cel. Cornélio Soares (em frente aos Correios)
14/04 – Praça Sérgio Magalhães
15/04 – Praça Sérgio Magalhães
16/04 – Praça Sérgio Magalhães

 

Seja sempre o primeiro a saber. Baixe os nossos aplicativos gratuito.

Siga-nos em nossas redes sociais FacebookTwitter e InstagramVocê também pode ajudar a fazer o nosso Blog, nos enviando sugestão de pauta, fotos e vídeos para nossa a redação do Blog do Silva Lima por e-mail [email protected] ou WhatsApp (87) 9 9937-6606 ou 9 9101-6973.

Continue lendo

Saúde

Estudo aponta mais eficácia da Coronavac com intervalo maior entre doses

Publicado

em

A chamada eficácia primária, que representa a proteção da vacina contra a doença em qualquer intensidade, passou de 50,38% para 50,7%, chegando a 62,3% com intervalos maiores entre as doses

Um artigo científico em pré-print (ainda sem revisão por pares) aponta que a eficácia da Coronavac contra a covid-19 é maior do que o dado anteriormente divulgado. A chamada eficácia primária, que representa a proteção da vacina contra a doença em qualquer intensidade, passou de 50,38% para 50,7%, chegando a 62,3% com intervalos maiores entre as doses. Contra casos moderados, o imunizante tem eficácia de 83,7%, quando o dado anterior apontava 78%.

As informações constam de artigo elaborado pelos profissionais que conduziram os testes da Coronavac no Brasil, liderados pelo Instituto Butantan. O documento foi submetido para análise da revista científica The Lancet. O estudo avaliou o efeito da vacina em 12,4 mil voluntários em 16 centros de pesquisa no País e teve os primeiros resultados divulgados pelo governo de São Paulo em 7 de janeiro. A vacina começou a ser aplicada nacionalmente no dia 18 de janeiro e a produção pelo Butantan representa a maior parte das doses distribuídas até aqui.

“Esse estudo corrobora o que já havíamos anunciado há cerca de três meses e nos dão ainda mais segurança sobre a efetiva proteção que a vacina do Butantan proporciona. Não resta nenhuma sombra de dúvida sobre a qualidade do imunizante”, afirmou em nota à imprensa Dimas Covas, diretor do Instituto Butantan.

A análise divulgada neste domingo, 11, aponta que os resultados de eficácia podem melhorar se houver um intervalo maior entre as doses. No estudo, a maior parte dos voluntários receberam as vacinas com intervalo de 14 dias dada a urgência para análise do imunizante e necessidade de proteção dos profissionais de saúde.

Os pesquisadores acreditam que um período de 28 dias seja o mais adequado. “Os dados sugerem que é recomendável encorajar intervalos maiores entre as doses, como 28 dias, na implementação da vacina”, escrevem no artigo.

A bula da Coronavac estipula o intervalo para a segunda dose como de 14 a 28 dias, mas a aplicação a partir do 21º já é defendida pelo Butantan desde o mês de janeiro. Um intervalo ainda maior entre as doses chegou a ser cogitado como forma de ampliar a cobertura da vacinação e acelerar a aplicação, o que acabou não sendo implementado. Um intervalo superior a 28 dias não é consenso entre os especialistas diante dos efeitos não estudados sobre a eficácia do imunizante.

Uma outra informação que consta do artigo é que a Coronavac se revelou eficaz na proteção contra as chamadas variantes de preocupação P.1 e P.2 do vírus SARS-CoV-2. “Apesar de as variantes terem várias mutações que são chave para o funcionamento de muitos anticorpos, houve uma neutralização consistente dessas variantes por parte do soro dos participantes que receberam a vacina inativada”, pontuaram os especialistas no documento.

O aumento da circulação da P.1, a chamada variante brasileira, primeiramente identificada em Manaus, é associado à vertiginosa elevação da curva de casos, internações e mortes vista no País a partir de janeiro. No início do ano, a crise em Manaus chegou a afetar o abastecimento de oxigênio, problema que se alastrou pelo Brasil a partir de fevereiro com continuidade em março, o mês mais letal da pandemia até aqui, com 66 mil mortes pela doença.

Por Estadão Conteúdo

Seja sempre o primeiro a saber. Baixe os nossos aplicativos gratuito.

Siga-nos em nossas redes sociais FacebookTwitter e InstagramVocê também pode ajudar a fazer o nosso Blog, nos enviando sugestão de pauta, fotos e vídeos para nossa a redação do Blog do Silva Lima por e-mail [email protected] ou WhatsApp (87) 9 9937-6606 ou 9 9101-6973.

 

Continue lendo

Saúde

1.343.606 doses da vacina contra a Covid-19 já foram aplicadas em PE até 10/04/21

Publicado

em

Até esta sábado, dia 10/04, Pernambuco já aplicou 1.343.606 doses da vacina contra a Covid-19, das quais 1.038.111 foram primeiras doses. No total, 305.495 pessoas finalizaram o esquema. Confira:

 Trabalhadores da saúde – 219.377 (1° dose) e 169.658 (2° dose)
 Povos indígenas aldeados – 25.074 (1° dose) e 24.633 (2° dose)
Comunidades Quilombolas – 25.788 (1° dose) e 22 (2ª dose)
 Idosos institucionalizados – 6.162 (1° dose) e 4.506 (2° dose)
 Idosos (64 a 69 anos) – 229.006 (1° dose) e 2.558 (2° dose)
Idosos (70 a 79 anos) – 347.674 (1° dose) e 69.979 (2° dose)
 Idosos (entre 80 e 84 anos) – 97.600 (1° dose) e 27.582 (2° dose)
 Idosos (85 anos e mais) – 85.967 (1° dose) e 5.916 (2° dose)
 Pessoas com deficiência institucionalizadas – 908 (1° dose) e 695 (2° dose)
 Trabalhadores das forças de segurança e salvamento – 555 (1° dose)

Seja sempre o primeiro a saber. Baixe os nossos aplicativos gratuito.

Siga-nos em nossas redes sociais FacebookTwitter e InstagramVocê também pode ajudar a fazer o nosso Blog, nos enviando sugestão de pauta, fotos e vídeos para nossa a redação do Blog do Silva Lima por e-mail [email protected] ou WhatsApp (87) 9 9937-6606 ou 9 9101-6973.

Continue lendo
Propaganda

Trending