Conecte-se Conosco

Brasil

Método agroflorestal preserva com exploração do açaí da Mata Atlântica

Publicado

em

O controle da extração e o cultivo protegem a espécie ameaçada e ao mesmo tempo geram renda para os agricultores, sendo responsável por 20% dos ganhos das famílias

Mais de 500 famílias estão envolvidas na produção de polpa dos frutos da palmeira Juçara, em sete estados brasileiros, da Bahia até Santa Catarina, o açaí da Mata Atlântica.

A Juçara foi praticamente dizimada para o uso do tronco como palmito. Hoje só existe em áreas de conservação e está ameaçada de extinção. Por meio de cultivo agroflorestal, ela vem sendo preservada para a obtenção dos frutos e replantada. O sistema faz um arranjo de várias culturas simultâneas, para manter a biodivesidade.

Com o processamento dos frutos, se obtém uma polpa rica em antioxidantes, que está sendo usada em sucos, preparações culinárias e incorporada na merenda escolar no litoral norte de São Paulo.

O controle da extração e o cultivo protegem a espécie ameaçada e ao mesmo tempo geram renda para os agricultores, sendo responsável por 20% dos ganhos das famílias.

A participação neste projeto, que já tem dez anos, foi um dos motivos da escolha do engenheiro agrônomo Pedro Brancalion para o prêmio Juventude (para pessoas com até 35 anos) da Fundação Bunge de 2018, que será entregue no dia 13 de novembro, pela atuação em pesquisas de manejo e restauração de florestas nativas tropicais.

Formado pela Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (Esalq) da USP, Brancalion atua como professor de silvicultura de espécies nativas no Departamento de Ciências Florestais. Coordena o Laboratório de Silvicultura Tropical (Lastrop), que pretende desenvolver conhecimento e tecnologia para manejar e restaurar florestas nativas de forma economicamente viável e com inclusão social, respeitando as particularidades ecológicas de cada ecossistema.

Com experiências comparadas e o acompanhamento do manejo na Serra do Mar, no norte do Estado de SP, entre Ubatuba e Parati, desde 2012, Brancalion comprovou que é possível recuperar matas nativas com a produção de alimentos. É um contraponto à ideia de que para recuperar florestas é preciso restringir o uso, cercar, interromper a produção.

A área recuperada pelo projeto da Juçara ultrapassa os 1.000 hectares. Uma única comunidade produz, em média, 10 toneladas de polpa, segundo o pesquisador.

“A Agricultura tem transformado muito a paisagem na produção de alimentos. Perdemos cobertura vegetal, áreas de nascentes, há um prejuízo para as pessoas e para a natureza. Perdemos coisas que interessam para a própria agricultura, como a qualidade de água, a polinização por insetos, o controle de pragas agrícolas naturais. Então, o desafio no Brasil é não apenas conservar a floresta, mas aumentar a área de cobertura de mata nativa”, afirma Brancalion.

Mas, segundo ele, a preservação por meio de reservas, com restrição de uso, gera custos que a tornam mais difícil de ser praticada.

“Por mais que a preservação beneficie toda a sociedade, ela tem custos para o agricultor e proprietário rural. O desafio da minha pesquisa é transformar a recuperação da floresta em algo economicamente viável, para que haja estímulo econômico”, afirma.

“Tenho explorado estratégias para transformar a recuperação da floresta em algo produtivo, para pagar os custos e que dê mais renda que o agricultor tinha quando destinava a terra a outros uso, como por exemplo, manter um pasto”, conta.

Segundo Brancalion, a pesquisa indica que o sistema pode ser usado em áreas maiores, com solo raso ou arenoso, como as de pasto extensivo, que dão pouco dinheiro e não geram benefícios ambientais.

“O agricultor não preserva por falta de opção. Este sistema é uma alternativa”. diz

Entre os benefícios, estão a divulgação de uma nova cultura agrícola florestal, a promoção de diversidade genética de espécies e os serviços ambientais naturais, como a proteção da água, da fauna e da flora. Além desses, o cultivo da Juçara possibilita o desenvolvimento de uma nova frente de exploração culinária, em novos modelos de negócios para os agricultores, e o aproveitamento para a merenda escolar.

“A comunidade funciona também como rede de proteção. Os agricultores defendem as suas plantas contra os ladrões de palmito. A conservação pelo uso é mais efetiva que reservar uma área enorme de parque e não ter como fazer a segurança. Os palmiteiros invadem”, afirma.

“Temos grandes áreas no Vale do Paraíba que já foram usadas para café, gado e hoje têm solo degradado. Essas áreas poderiam ser usadas para recuperação de floresta nativa e uma cultura do tipo, gerando renda”, defende.

O Prêmio Fundação Bunge foi criado em 1955 como incentivo à inovação e novos talentos na cultura e nas ciências. A Bunge é uma das principais empresas de agronegócio e alimento no Brasil, atuando com grãos e oleaginosas, processamento de soja e trigo, fabricação de produtos alimentícios, açúcar, bioenergia e instalações portuárias. Pertence à holding Bunge Limited, com sede nos EUA.

Por Folhapress.

Seja sempre o primeiro a saber. Baixe o nosso aplicativo gratuito.


Siga-nos em nossas redes sociais FacebookTwitter e Instagram. Você também pode ajudar a fazer o nosso Blog, nos enviando sugestão de pauta, fotos e vídeos para nossa a redação do Blog do Silva Lima por e-mail blogdosilvalima@gmail.com ou WhatsApp (87) 9 9937-6606 ou 9 9101-6973.

Brasil

Mega-Sena acumula; próximo sorteio terá prêmio de R$ 90 milhões

Publicado

em

Os números sorteados ontem foram 07, 16, 21, 33, 55 e 60

Ninguém acertou as seis dezenas do sorteio 2.144 da Mega-Sena, realizado na noite desse sábado (20) em Nova Petrópolis, no Rio Grande do Sul. O próximo sorteio, na quarta-feira (24) pagará R$ 90 milhões a quem acertar as seis dezenas.

Os números sorteados ontem foram 07, 16, 21, 33, 55 e 60. A quina teve 188 ganhadores, que vão receber R$ 21.418,23 cada.

A quadra teve 10.251 apostas ganhadoras, com prêmio individual de R$ 561,14.

Por Notícias ao Minuto

Seja sempre o primeiro a saber. Baixe o nosso aplicativo gratuito.

Siga-nos em nossas redes sociais FacebookTwitter e Instagram.Você também pode ajudar a fazer o nosso Blog, nos enviando sugestão de pauta, fotos e vídeos para nossa a redação do Blog do Silva Lima por e-mail blogdosilvalima@gmail.com ou WhatsApp (87) 9 9937-6606 ou 9 9101-6973.

 

Continue lendo

Brasil

Muzema: Justiça decreta a prisão de três pessoas

Publicado

em

A delegada Adriana Belém, titular da 16ª Delegacia de Polícia (Barra), pediu e a Justiça decretou a prisão de três pessoas ligadas ao desabamento dos dois edifícios na comunidade da Muzema, no Rio de Janeiro, que já deixou 20 mortos confirmados e três moradores ainda desaparecidos.

Ela explicou que o pedido à Justiça só foi possível a partir dos depoimentos de algumas testemunhas, ocorridos nesta quinta-feira (18), que reconheceram o construtor José Bezerra Lira, o Zé do Rolo, e os vendedores Rafael Costa e Renato Ribeiro. Todos foram indiciados por homicídio doloso.

“Nós tínhamos a informação de que seriam eles. Ontem (quinta) foi o nosso primeiro contato com as vítimas, que em princípio resistiam, por motivos óbvios, mas confiaram no nosso apelo, foram lá e reconheceram. Nós pedimos a prisão desses três, que foram efetivamente reconhecidos, como o construtor e dois vendedores”, explicou a delegada.

A Muzema é uma área na zona oeste, em Jacarepaguá, controlada por milícias, que promovem a construção irregular e ilegal de imóveis, em áreas ambientais, sem nenhuma autorização da prefeitura nem engenheiro responsável. O solo na região é arenoso e os dois prédios desabaram no início da manhã do dia 12, poucos dias depois que uma chuvarada atingiu fortemente a cidade. (Do Nill Jr)

Seja sempre o primeiro a saber. Baixe o nosso aplicativo gratuito.

Siga-nos em nossas redes sociais FacebookTwitter e Instagram.Você também pode ajudar a fazer o nosso Blog, nos enviando sugestão de pauta, fotos e vídeos para nossa a redação do Blog do Silva Lima por e-mail blogdosilvalima@gmail.com ou WhatsApp (87) 9 9937-6606 ou 9 9101-6973.

Continue lendo

Brasil

Governo voltará a se reunir com caminhoneiros para tentar evitar greve

Publicado

em

O governo têm promovido diálogo com representantes mas, devido a falta de coesão entre as lideranças da categoria, admite a dificuldade nas negociações

Embora venha monitorando representantes dos caminhoneiros e conversando com alguns líderes, o Governo Federal admite a dificuldade para negociar com todas as lideranças da categoria devido à falta de coesão. Temendo uma nova greve como a realizada em maio de 2018, novas rodadas de conversas estão marcadas para a próxima semana, segundo informações do site Congresso em Foco.

Uma ala mais radical, que não tem participado das conversas com o Palácio do Planalto, fala em uma paralisação a partir do dia 29 de abril, em resposta ao aumento de R$ 0,10 no preço do diesel. Outra, mais ponderada e que tem dialogado com o governo, considera a medida precipitada e deve voltar a se reunir com ministros e técnicos da equipe de Jair Bolsonaro para avaliar o cenário.

O valor do diesel deve subir dos atuais R$ 2,14 para R$ 2,24, em média, nos 35 pontos de distribuição no país. Apesar do reajuste, o presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco, acredita que são baixas as chances de greve.

Cobrança

Em entrevista ao site Congresso em Foco, Wallace Landim, presidente da Cooperativa dos Transportes Autônomos do Brasil (Branscoop), ressalta a necessidade de respostas rápidas para solucionar os problemas da categoria. “Sei que estamos todos na UTI, mas vamos tentar segurar o máximo possível. O governo está trabalhando, mas precisamos de ações urgentes. Espero que consigamos resolver todas as questões a tempo de salvar a todos”, afirmou.

Ele explica que, desde a greve de maio do ano passado, que paralisou o país, a categoria começou a se organizar mais, embora ainda não hajam “lideranças estabelecidas” e o WhatsApp continue sendo o meio preferido para os diálogos internos.

Para Wallace, apenas da sensação geral de descontentamento que ainda prevalece, o sentimento é de que “o governo está disposto a conversas”. Ele afirmou que estará em Brasília na próxima semana para tratar com os ministros da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas, da Agricultura, Tereza Cristina, e da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, e tentará mostrar à categoria que o Planalto está aberto ao diálogo.

Em nota ao Congresso em Foco, a Associação Brasileira dos Caminhoneiros (ABCAM), parceira de 54 entidades da classe, que diz representar 600 mil autônomos, afirmou estar recebendo, desde o anúncio do aumento do combustível, inúmeras reclamações, mas “ainda não é possível afirmar que a categoria está se organizando para uma nova paralisação”.

Reajuste

Na última semana, o presidente Jair Bolsonaro, que, segundo Castello Branco, não havia sido informado com antecedência do reajuste do diesel e disse que quer entender o custo que justifica o reajuste. “Na terça-feira convoquei todos da Petrobras para me esclarecerem por que 5,7 por cento de reajuste quando a inflação projetada para este ano está abaixo de 5 (por cento). Só isso, mais nada. Se me convencerem, tudo bem. Se não me convencerem, nós vamos dar a resposta adequada para vocês”, disse no dia 12 de abril.

Ao anunciar o aumento do combustível, Castello Branco negou que Jair Bolsonaro tenha exigido algo. “O presidente Bolsonaro não pediu nada. Apenas me alertou sobre os riscos que representava uma greve dos caminhoneiros. Fiz uma reunião com os diretores para suspender o reajuste de preços para uma reavaliação. Todos nós sofremos com a greve dos caminhoneiros. Fui favorável a sustar o reajuste dos preços”, contou o presidente da estatal.

Promessas

Para amenizar o descontentamento da categoria, o governo anunciou a abertura de uma linha de crédito no Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico (BNDES) no valor de R$ 500 milhões para caminhoneiros autônomos manterem seus veículos, além de investimentos em rodovias federais e melhorias nas condições de trabalho.

Para a ABCAM, os anúncios feitos pelo governo são positivos, mas ainda não esclareceu como será e quando terá ínicio o funcionamento das medidas divulgadas:

“Quais serão as regras, prazos e condições para abertura de crédito para os caminhoneiros? Quando teremos as paradas de descanso? É importante lembrar que não serão construídos pátios de estacionamento da noite para o dia, muito menos o cartão combustível, ou mesmo o documento eletrônico de frete. Sendo assim, quando, efetivamente, os caminhoneiros poderão usufruir de tais medidas?”. (Do JC Online)

Seja sempre o primeiro a saber. Baixe o nosso aplicativo gratuito.

Siga-nos em nossas redes sociais FacebookTwitter e Instagram.Você também pode ajudar a fazer o nosso Blog, nos enviando sugestão de pauta, fotos e vídeos para nossa a redação do Blog do Silva Lima por e-mail blogdosilvalima@gmail.com ou WhatsApp (87) 9 9937-6606 ou 9 9101-6973.

 

Continue lendo
Propaganda  

Trending