Conecte-se Conosco

Política

Temer critica Janot e diz que não tem temor sobre Funaro

Publicado

em

 

Peemedebista disse que a decisão de fatiar uma acusação para prejudicar o denunciado “não é tipicamente uma função para a estatura de um chefe do Ministério Público Federal”.

presidente Michel Temer criticou nesta quinta-feira (24) a conduta do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, e disse que não está preocupado com a delação premiada do corretor de valores Lúcio Funaro.

Sem citar o nome do atual responsável pela PGR (Procuradoria-Geral da República), o peemedebista disse que a decisão de fatiar uma acusação para prejudicar o denunciado “não é tipicamente uma função para a estatura de um chefe do Ministério Público Federal”.

As declarações foram dadas em entrevista ao “SBT Brasil”. A expectativa é de que o procurador-geral apresente no início de setembro nova denúncia contra o presidente, desta vez utilizando elementos apresentados pelo corretor de valores contra o comando nacional do PMDB.

“Há procuradores-gerais que entram numa disputa para ver quem ganha. Qual foi a primeira ideia? Vamos fatiar a denúncia. Para que fatiar a denúncia se o inquérito é um só e os fatos estão ali elencados? Foi para dizer: se ele ganhar a primeira, eu venho com a segunda. Se ele ganhar a segunda, eu venho com a terceira. Isso não é tipicamente uma função para a estatura de um chefe do Ministério Público Federal”, disse.

O peemedebista disse ainda que não conhece Lúcio Funaro e que não tem nenhuma relação com ele. “Não tenho temor nenhum. Eu nem o conheço. Se eu o conheço, conheço daquele jeito, de cumprimento, mas não tenho nenhuma relação”, afirmou.

Na entrevista, o presidente refutou ainda a possibilidade de deixar o mandato antes do fim para se candidatar a deputado federal, mantendo assim direito a foro privilegiado.

“Essa questão de prerrogativa de foro não me preocupa e não deve preocupar a ninguém. Não tenho nenhuma intenção de me candidatar a nada”, disse.

O peemedebista atacou ainda a crítica feita a ele sobre encontros fora da agenda oficial e em horários fora do expediente administrativo, como o realizado com a futura procuradora-geral da República, Raquel Dodge.

Ele disse que essa cobrança deve acabar porque conversa “com quem quiser”, a hora que achar “mais oportuna” e “onde quiser”.

Segundo ele, quem fala que 22h é tarde, “deve ser porque trabalha até as 18h e acha que depois ninguém pode trabalhar”.”O presidente trabalha permanentemente e ele não tem local de trabalho.Eu converso com quem eu quiser, a hora que eu achar mais oportuna e onde eu quiser”, disse.

‘COOPTAÇÃO’

Na entrevista, o presidente rebateu a propaganda nacional do PSDB e negou que seu governo exerça um “presidencialismo de cooptação”.

“Eu não exerço cooptação. Eu acho um pouco estranho que as pessoas se esqueçam do passado e não há outra forma de governar se não houver uma coligação, uma composição com os partidos políticos”.

Perguntado se o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso tem sido injusto com ele, o peemedebista disse que deixa as críticas “por conta” do tucano.

“A ponte pode ser pinguela, mas o que importa é que estamos atravessando”, disse.

 

Com informações da Folhapress.

Siga-nos em nossas redes sociais FacebookTwitter e Instagram. Você também pode ajudar a fazer o nosso Blog, nos enviando sugestão de pauta, fotos e vídeos para nossa a redação do Blog do Silva Lima por e-mail blogdosilvalima@gmail.com ou WhatsApp (87) 9 9937-6606 ou 9 9200-1776.

Política

Um dia após reunião com Bolsonaro, advogadas de Flávio foram até chefe da Receita

Publicado

em

Um dia após a reunião em que presidente Jair Bolsonaro (PL) sugeriu uma “conversa” com o chefe da Receita Federal para avaliação do caso envolvendo a possível prática de “rachadinha” no gabinete de Flávio Bolsonaro (PL-RJ), enquanto era deputado estadual no Rio, as advogadas Juliana Bierrenbach e Luciana Pires, defensoras do senador, se encontraram com José Tostes Neto, então secretário especial da Receita.

A reunião com a sugestão de Bolsonaro ocorreu em 25 de agosto de 2020. A transcrição do áudio encontrado pela Polícia Federal (PF) revela que, durante o encontro, o então presidente afirmou que a situação diante do inquérito contra Flávio poderia ser “o caso de conversar com o chefe da Receita”. As advogadas estavam na reunião e, no dia seguinte, participaram de agenda com José Tostes.

O sigilo da gravação foi suspenso nesta segunda-feira, 15, pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes. Após a divulgação do material, Fabio Wajngarten, ex-assessor e advogado de Jair Bolsonaro, saiu em defesa do ex-presidente, alegando que a conversa exposta “só reforça o quanto o presidente ama o Brasil e o seu povo”.

Já Flávio Bolsonaro disse que não foram tratadas ilegalidades durante a reunião. “O áudio mostra só as minhas advogadas comunicando as suspeitas de que um grupo agia com interesses políticos dentro da Receita Federal, com o objetivo de prejudicar a mim e a minha família”, disse o senador em vídeo publicado nas redes sociais.

A advogada Juliana Bierrenbach, por sua vez, disse que uma reunião do gênero era “necessária” diante da situação do processo envolvendo Flávio, mas que não tinha conhecimento prévio de que o então presidente estaria na audiência.

“Eu não tinha a mais remota ideia, foi um susto para mim quando entrei na sala e encontrei o presidente e o Ramagem. Eu achei que fosse ter uma reunião com o general (Augusto) Heleno e com algum assessor dele, foi o que me foi dito”, disse Juliana em entrevista ao portal Metrópoles nesta terça-feira, 16.

A informação sobre o encontro com o secretário consta em um relatório de agendas emitido pela Receita em junho de 2021, em resposta a um requerimento de informação da deputada federal Natália Bonavides (PT-RN). Segundo o registro enviado à Câmara, Juliana e Luciana estiveram com Tostes das 18h às 19h do dia 26 de agosto de 2020, para uma “visita de cortesia”.

Além disso, horas antes, Luciana esteve no Palácio do Planalto. É o que aponta um registro solicitado ao Gabinete de Segurança Institucional (GSI) via Lei de Acesso à Informação (LAI). De acordo com o documento, que não especifica quem Luciana encontrou no local, a advogada entrou no prédio às 11h05 e permaneceu lá até às 11h26. Apesar dos registros de entrada e de saída, o nome de Luciana não consta em nenhum compromisso da agenda pública da Presidência.

Continue lendo

Política

Regina Duarte é condenada por postar foto de Leila Diniz

Publicado

em

A atriz Regina Duarte precisou se retratar judicialmente via redes sociais na segunda, 15, após sofrer processo movido pela diretora Janaína Diniz, filha da atriz Leila Diniz, que morreu em 1972. Na ação, Regina foi condenada a indenizar Janaína em R$ 30 mil por uso indevido da imagem da mãe da diretora.

No dia 23 de dezembro, Regina Duarte compartilhou um vídeo que continha a imagem de Leila Diniz e de outras atrizes, como Eva Wilma e Tônia Carreiro, que, na ocasião, protestavam contra a censura imposta pelo AI-5. Porém, na legenda, Regina escreveu: “O Exército precisará que os plenários do próximo governo tenham vergonha do que se passa em nosso País e… tomem uma atitude”.

A Justiça compreendeu que o vídeo enganosamente dava a entender que as atrizes apoiavam o Golpe Militar. “É aviltante e, mais, profundamente doloroso, para Janaina, e várias outras mulheres que fizeram parte dessa luta histórica, ver a figura de sua mãe atrelada justamente a tudo aquilo contra o qual ela arduamente lutou”, lia-se na sentença.

Condenação

Regina foi condenada a pagar R$30 mil para Janaína Diniz, além de se retratar publicamente, o que aconteceu na postagem feita no Instagram. No texto, Regina Duarte aponta que era amiga de Leila Diniz e usou a foto por estar “amplamente divulgada na internet”.

“O que fiz foi na maior boa fé. Jamais imaginei que alguém pudesse interpretar meu post de forma diferente ou sentir-se prejudicado. Apaguei o vídeo em 10 de março de 2024 e hoje, aqui e agora, penitencio-me por ter usado uma imagem captada em 1968 referindo-se, no vídeo, a um movimento das brasileiras em 1964?, lia-se na publicação de Regina Duarte.

Na postagem em que se retrata, desta segunda, 15, a atriz inclui a sentença homologada pela juíza Keyla Blank.

Leila Diniz

Leila Diniz tornou-se uma figura representativa no combate ao conservadorismo durante a Ditadura Militar. A imagem da atriz grávida de Janaína, na praia, tornou-se símbolo feminista. Em suas entrevistas, mostrava-se à favor da emancipação feminina, declarando que era uma mulher livre, o que acabou tornando-a alvo de censura por parte dos militares.

Em 1993, Rita Lee cita a atriz na faixa Todas as Mulheres do Mundo, no verso: “Toda mulher quer ser amada/Toda mulher quer ser feliz/Toda mulher é meio Leila Diniz”. A atriz morreu em 1972, vítima de um acidente aéreo.

Regina Duarte chegou a receber ajuda financeira de fãs para quitar a indenização. Em uma postagem feita em junho, a atriz se pronunciou:

“Saiu uma nota na imprensa divulgando uma sentença sobre um processo que venho sofrendo. Hoje pela manhã fui surpreendida por vários pix em valores diversos na minha conta bancária pessoal. Quero agradecer todo o cuidado, carinho, atenção e preocupação comigo”, escreveu.

Fonte: Estadão Conteúdo

           

Seja sempre o primeiro a saber. Baixe os nossos aplicativos gratuito.

Siga-nos em nossas redes sociais FacebookTwitter e InstagramVocê também pode ajudar a fazer o nosso Blog, nos enviando sugestão de pauta, fotos e vídeos para nossa a redação do Blog do Silva Lima por e-mail blogdosilvalima@gmail.com ou WhatsApp (87) 9 9937-6606 ou 9 9155-5555.

Continue lendo

Política

Ramagem: ‘Qualquer ministro do STF abraça a causa da promiscuidade entre MP e Receita’

Alexandre Ramagem fez, enquanto chefe do órgão de inteligência, importantes ponderações sobre o caminho que a defesa do senador Flávio Bolsonaro deveria seguir para aventar nulidades no inquérito das ‘rachadinhas’.

Publicado

em

No centro do inquérito sobre a estrutura paralela montada na Agência Brasileira de Inteligência, o delegado de Polícia Federal Alexandre Ramagem fez, enquanto chefe do órgão de inteligência, importantes ponderações sobre o caminho que a defesa do senador Flávio Bolsonaro deveria seguir para aventar nulidades no inquérito das ‘rachadinhas’.

A Polícia Federal investiga, desde fases anteriores da investigação, se a ‘Abin paralela’ apoiou a defesa de Flávio e do filho 04 de Bolsonaro, Jair Renan. As indicações de Ramagem sobre a defesa de Flávio constam de áudio de uma reunião da qual Ramagem participou, junto ao ex-chefe do Executivo e do então ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), general Augusto Heleno, com as advogadas do filho 01 de Bolsonaro.

A gravação de uma hora e oito minutos revela as dicas que Ramagem deu para que as advogadas pudessem questionar a conduta dos auditores responsáveis pelo documento que colocou Flávio na mira dos investigadores. Eles elaboraram o RIF que deu origem ao inquérito das ‘rachadinhas’ ao apontar movimentações suspeitas do ex-assessor Fabrício Queiroz.

Em nota, a advogada Luciana Pires disse que sua atuação na reunião “se deu de forma técnica e nos estritos limites do campo jurídico”. Ramagem disse que Bolsonaro sabia da gravação e que o ex-presidente “sempre se manifestou que não queria jeitinho e muito menos tráfico de influência”.

Sobre a divulgação do áudio, Flávio Bolsonaro disse que a “montanha pariu um rato”. A defesa de Bolsonaro disse que a conversa “só reforça o quanto o presidente ama o Brasil e o seu povo”.

A primeira intervenção de Ramagem ocorreu quase na metade da reunião, aos 27 minutos. O encontro se deu um mês após a prisão do ex-assessor Fabrício Queiroz – peça-chave no inquérito das rachadinhas. A gravação, encontrada no celular de Ramagem, foi tornada pública nesta segunda-feira, 15.

A gravação mostra que Ramagem, depois de ouvir algumas estratégias que as advogadas de Flávio pretendiam adotar – um pedido direto ao GSI ou Reclamação no Supremo Tribunal Federal -, apontou qual seria “o caminho correto de averiguar uma possível vulnerabilidade” no inquérito.

“O que circula realmente é a promiscuidade entre MP e Receita, desde o começo. Nenhuma novidade. Que bate na questão do e-mail que já é sempre levantado com a quebra do sigilo bancário. Isso é bastante robusto. Qualquer que seja um ministro do STF, ele vai abraçar essa causa. Nessa questão abraça sim”, garantiu.

A defesa de Flávio chegou a indicar que o senador não queria percorrer tal caminho. “Ele acha temerário.” Ramagem respondeu: “Calma, calma. Não, neste momento é questão política.”

O então chefe da Abin alegou que “três ministros do STF já tiveram esse problema com a Receita no nível local, o próprio Gilmar Mendes”.

Um ano e alguns meses depois da reunião, a Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal atendeu um pedido da defesa de Flávio e anulou quatro relatórios de inteligência financeira e as provas levantadas a partir deles, incluindo dados da quebra de sigilo do senador. O colegiado anulou os documentos produzidos com base em pedidos específicos do MP e sem supervisão judicial.

Gravação de uma hora e oito minutos foi apreendida pela PF na Operação Última Milha, que desmontou a ‘Abin paralela’

Ainda na reunião realizada em 2020, o hoje deputado federal e pré-candidato à Prefeitura do Rio, Ramagem explicou, em sua avaliação, porque o caminho do GSI não “seria o mais correto”.

“Porque são dados diferentes, de inteligência, dados ordinais. Nós estamos numa celeuma. A inteligência está sendo atacada, o STF não está em um bom momento para isso. Esses são dados fiscais e bancários que eles vão colocar como sigilo. Então o GSI não vai ter acesso, por uma barreira do próprio Ministério da Economia. O próprio ministro Paulo Guedes (então ministro da Economia de Bolsonaro) não vai poder estar do lado”, disse.

Ainda segundo Ramagem, se a defesa de Flávio acionasse o GSI, Heleno seria “crucificado”, como “pessoalidade em prol” do senador. “Acredito que não seja o melhor caminho, mesmo com previsão legal. Nesses juízos de exceção que está tendo no STF agora a previsão legal não quer dizer nada.”

As advogadas alegaram a Ramagem que o ministro Gilmar Mendes seria “intimamente ligado ao chefe da Receita”. A resposta do chefe da Abin foi a de que seria necessário “perquerer o lado bastante robusto”.

A intenção das advogadas era que o Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) produzisse “provas” da suposta devassa ilícita na vida de Flávio.

Ramagem alertou que o Serpro não forneceria os dados, protegidos por sigilo fiscal e bancário. “Eu estou querendo te ajudar no caminho, pelo critério que vocês estão no caminho de demonstrar uma nulidade indevida que esse é o ponto nodal da questão”, disse.

Ramagem então travou com as advogadas de Flávio o seguinte diálogo:

ALEXANDRE RAMAGEM: “Estou querendo colocar que vai acionar o Ministério palaciano, para fazer uma provocação de uma questão concreta judicial, em cima do Flávio, que não vai ter sucesso”

JULIANA BIERREMBACH: “Você acha?”

RAMAGEM: “Tenho certeza”

JULIANA: “Você acha que a apuração especial do Serpro não vai constar?”

RAMAGEM: “Porque a inteligência, o GSI, não pode ter acesso a esses dados. De quebra de sigilo bancário e fiscal da Receita. Tem que vir de dentro da Receita, no Serpro”.

O áudio apreendido na Operação Última Milha contém ainda um diálogo de Ramagem com as advogadas após o final da reunião. Durante o encontro, o ex-presidente Jair Bolsonaro sugeriu uma conversa com Tostes e com uma pessoa que, segundo ele, seria chefe do Serpro. Na realidade, o ex-chefe do Executivo acabou fazendo referência ao então presidente da Dataprev, Gustavo Canuto.

O ex-chefe da Abin diz que está “acompanhando bem o trabalho” e que a defesa de Flávio “tem alguns caminhos para acertar, para sair bem”. “Eu acredito que a melhor saída é dentro da Receita, pegando sério. Com uma apuração que não tem como voltar atrás. É uma apuração administrativa que se travar, judicializa. Tem que ser lá de dentro”, orientou.

Ramagem segue: “Não pode ser do agente político, ministro da Economia, tem que ser na Receita, mostrando que tem uma notícia para ele, para ele botar para baixo.”

Depois, o ex-diretor da Abin diz que “compensa conversar” com o Canuto e que seria “mais importante” falar com a Receita. “Eu vou falar, também. Pedir autorização para falar”.

No dia seguinte à reunião, as advogadas de Flávio tiveram uma reunião com Tostes.

Ramagem também aborda a questão do foro de Flávio Bolsonaro. “E a questão do foro dele, você não trava no STF?”, questionou a uma das advogadas. Ela responde: “Só se eles inovarem e inventarem.” Ramagem completa: “Não tem hierarquia de cargo legislativo, certo? Pô, mas dá para se atribuir que, para chegar a senador é muito mais difícil.”

Meses depois, o Supremo decidiu que deputados federais e senadores mantêm a prerrogativa de foro privilegiado, mesmo nos casos de investigações que digam respeito a mandato anterior – mandato cruzado.

Ao final do áudio, Ramagem frisa: “O que eu acredito é que você tem que construir o caminho, porque é contundente o que vocês estão trazendo. E de chegar na rede correta, no lugar correto, sabendo que vai chegar para poder dar a decisão. E, administrativamente, acho que dentro lá da Receita, acho que é o caminho.”

A advogada Luciana Pires observa que o caminho “tem que ser processual”, vez que “materialmente a história é muito ruim”. Segundo ela, entrar no mérito, “se fez, não fez”, não é bom. Ramagem completa: “Entraram no administrativo para conseguir depois entrar em jurídico.”

COM A PALAVRA, A ADVOGADA LUCIANA PIRES

Em relação à reunião que tive com o ex-Presidente da República, esclareço que estava na condição de advogada do seu filho, Senador da República. Toda a minha atuação no episódio se deu de forma técnica e nos estritos limites do campo jurídico. Protocolamos a petição mencionada nos diálogos formalmente, nos órgãos competentes, com vista a obter informações acerca do acesso ilícito aos dados pessoais do Senador Flávio Bolsonaro e, diante do seu indeferimento, impetramos um habeas data, que era o remédio processual adequado àquela ocasião, o qual hoje se encontra sob recurso.” Foi, portanto, uma reunião de cunho profissional na qual agi de acordo com as normas que regem a minha profissão.

COM A PALAVRA, ALEXANDRE RAMAGEM

Em vídeo divulgado em suas redes sociais, Alexandre Ramagem disse que Bolsonaro sabia que estava sendo gravado e que havia o aval do então presidente. “Essa gravação não foi clandestina”. Ele disse ainda que o áudio da conversa depois recuperada em seu celular foi descartado. “O presidente sempre se manifestou que não queria jeitinho. Muito menos tráfico de influência.”

Após a abertura da quarta fase da Operação Última Milha, Ramagem escreveu nas redes:

Após as informações da última operação da PF, fica claro que desprezam os fins de uma investigação, apenas para levar à imprensa ilações e rasas conjecturas.

O tal do sistema first mile, que outras 30 instituições também adquiriam, parece ter ficado de lado.

A aquisição foi regular, com parecer da AGU, e nossa gestão foi a única a fazer os controles devidos, exonerando servidores e encaminhando possível desvio de uso para corregedoria. A PF quer, mas não há como vincular o uso da ferramenta pela direção-geral da Abin.

Trazem lista de autoridades judiciais e legislativas para criar alvoroço. Dizem monitoradas, mas na verdade não. Não se encontram em first mile ou interceptação alguma. Estão em conversas de whatsapp, informações alheias, impressões pessoais de outros investigados, mas nunca em relatório oficial contrário à legalidade.

Não há interferência ou influência em processo vinculado ao senador Flávio Bolsonaro. A demanda se resolveu exclusivamente em instância judicial.

A PGR não foi favorável às prisões da operação, mas a Justiça desconsiderou a manifestação.

Há menção de áudio que só reforça defesa do devido processo, apuração administrativa, providência prevista em lei para qualquer caso de desvio de conduta funcional.

Houve finalmente indicação de que serei ouvido na PF, a fim de buscar instrução devida e desconstrução de toda e qualquer narrativa.

No Brasil, nunca será fácil uma pré-campanha da nossa oposição. Continuamos no objetivo de legitimamente mudar para melhor a cidade do Rio de Janeiro.

Foto  Reuters

Por Estadão

           

Seja sempre o primeiro a saber. Baixe os nossos aplicativos gratuito.

Siga-nos em nossas redes sociais FacebookTwitter e InstagramVocê também pode ajudar a fazer o nosso Blog, nos enviando sugestão de pauta, fotos e vídeos para nossa a redação do Blog do Silva Lima por e-mail blogdosilvalima@gmail.com ou WhatsApp (87) 9 9937-6606 ou 9 9155-5555.

Continue lendo
Propaganda

Trending

Fale conosco!!