Conecte-se Conosco

Saúde

Anvisa discute nesta sexta-feira regulamentação de cigarro eletrônico

Desde 2009, resolução da entidade proíbe a fabricação, a comercialização, a importação e a propaganda de dispositivos eletrônicos para fumar.

Publicado

em

Nesta sexta-feira (1º), a diretoria colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) avalia se coloca em consulta pública a regulamentação de cigarros eletrônicos no Brasil.

Desde 2009, resolução da entidade proíbe a fabricação, a comercialização, a importação e a propaganda de dispositivos eletrônicos para fumar, popularmente conhecidos como vape. 

Com a publicação da pauta da reunião, na última quarta-feira (22), a Anvisa informou ter recebido diversos pedidos de manifestação oral e de acesso às dependências da agência por representantes do setor regulado, de entidades civis e pela população em geral para acompanhar a deliberação. 

Estão previstas ainda manifestações públicas em frente à sede da Anvisa, em Brasília, por entidades interessadas na matéria. “A diretoria colegiada decidiu que a citada reunião pública será conduzida sem a presença de representantes do setor regulado, de entidades civis e da população em geral, com o objetivo de resguardar a normalidade da sua realização.”  

O debate será transmitido por meio do canal oficial da Anvisa no YouTube. Interessados podem enviar manifestações orais para conhecimento dos diretores conforme instruções disponíveis. O material será publicado no site da agência e reproduzidos durante a reunião.  

No ano passado, a diretoria Colegiada da Anvisa aprovou, por unanimidade, relatório técnico que indicava a necessidade de se manter a proibição dos dispositivos eletrônicos para fumar e a adoção de medidas adicionais para coibir o comércio irregular desse tipo de produto, como o aumento das ações de fiscalização e a realização de campanhas educativas. 

O documento configura uma espécie de etapa de diagnóstico e estudo, com informações e dados sobre os prováveis efeitos de uma regulação, servindo para verificar impacto, propor cenários para atuação e subsidiar a tomada de decisão. O relatório, portanto, consolida todas as evidências coletadas pela equipe técnica da Anvisa. 

Os dispositivos eletrônicos para fumar são também conhecidos como cigarros eletrônicos, vape, pode-cigarettee-ciggye-pipee-cigar e heat not burn (tabaco aquecido). Embora a comercialização no Brasil seja proibida, os dispositivos podem ser encontrados em diversos estabelecimentos comerciais e o consumo, sobretudo entre os jovens, tem aumentado. 

Desde 2003, quando foram criados, os equipamentos passaram por diversas mudanças: produtos descartáveis ou de uso único; produtos recarregáveis com refis líquidos (que contém, em sua maioria, propileno glicol, glicerina, nicotina e flavorizantes), em sistema aberto ou fechado; produtos de tabaco aquecido, que possuem dispositivo eletrônico onde se acopla um refil com tabaco; sistema pods, que contém sais de nicotina e outras substâncias diluídas em líquido e se assemelham a pen drives, dentre outros. 

“A comercialização, importação e propaganda de todos os tipos de dispositivos eletrônicos para fumar são proibidas no Brasil, por meio da Resolução de Diretoria Colegiada da Anvisa nº 46, de 28 de agosto de 2009. Essa decisão se baseou no princípio da precaução, devido à inexistência de dados científicos que comprovassem as alegações atribuídas a esses produtos.” 

Com aroma e sabor agradáveis, os cigarros eletrônicos chegaram ao mercado com a promessa de serem menos agressivos que o cigarro comum. Entretanto, a Associação Médica Brasileira (AMB) alerta que a maioria absoluta dos vapes contém nicotina – droga psicoativa responsável pela dependência e que, ao ser inalada, chega ao cérebro entre sete e 19 segundos, liberando substâncias químicas que trazem sensação imediata de prazer. 

De acordo com a entidade, nos cigarros eletrônicos, a nicotina se apresenta sob a forma líquida, com forte poder aditivo, ao lado de solventes (propilenoglicol ou glicerol), água, flavorizantes (cerca de 16 mil tipos), aromatizantes e substâncias destinadas a produzir um vapor mais suave, para facilitar a tragada e a absorção pelo trato respiratório. “Foram identificadas, centenas de substâncias nos aerossóis, sendo muitas delas tóxicas e cancerígenas.”

“O cigarro eletrônico em forma de pen drive e com USB entrega nicotina na forma de ‘sal de nicotina’, algo que se assemelha à estrutura natural da nicotina encontrada nas folhas de tabaco, facilitando sua inalação por períodos maiores, sem ocasionar desconforto ao usuário”, destacou a AMB. 

“Cada pod do cigarro eletrônico no formato de pen drive contêm 0,7 mililitro (ml) de e-líquido com nicotina, possibilitando 200 tragadas, similar, portanto, ao número de tragadas de um fumante de 20 cigarros convencionais. Ou seja, pode-se afirmar que vaporizar um pen drive equivale a fumar 20 cigarros (um maço).” 

Ainda de acordo com a entidade, o uso de cigarro eletrônico foi associado como fator independente para asma, aumenta a rigidez arterial em voluntários saudáveis, sendo um risco para infarto agudo do miocárdio, da mesma forma que os cigarros tradicionais. Em estudos de laboratório, o cigarro eletrônico se mostrou carcinógeno para pulmão e bexiga. 

Entre agosto de 2019 e fevereiro de 2020, foi registrado um surto de doença pulmonar em usuários de cigarros eletrônicos. Apenas nos Estados Unidos, foram notificados quase 3 mil casos e 68 mortes confirmadas.  

Além do debate no âmbito da Anvisa, tramita no Senado Federal o Projeto de Lei (PL) 5008/2023, de autoria da senadora Soraya Thronicke, que permite a produção, importação, exportação e o consumo dos cigarros eletrônicos no Brasil. 

De acordo com a Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar (PeNSE), realizada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) em 2019, 22,6% dos estudantes de 13 a 17 anos no país disseram já ter experimentado cigarro pelo menos uma vez na vida, enquanto 26,9% já experimentaram narguilé e 16,8%, o cigarro eletrônico. 

O estudo ouviu adolescentes de 13 a 17 anos que frequentavam do 7º ano do ensino fundamental até a 3ª série do ensino médio das redes pública e privada. 

O Brasil é reconhecido internacionalmente por sua política de controle do tabaco. Em julho de 2019, tornou-se o segundo país a implementar integralmente todas as medidas previstas pela Organização Mundial de Saúde (OMS) no intuito de reduzir o consumo do tabaco e proteger as pessoas das doenças crônicas não transmissíveis (DCNTs). 

Foto  iStock

Por Agência Brasil

Seja sempre o primeiro a saber. Baixe os nossos aplicativos gratuito.

Siga-nos em nossas redes sociais FacebookTwitter e InstagramVocê também pode ajudar a fazer o nosso Blog, nos enviando sugestão de pauta, fotos e vídeos para nossa a redação do Blog do Silva Lima por e-mail blogdosilvalima@gmail.com ou WhatsApp (87) 9 9937-6606 ou 9 9155-5555.

Saúde

Smartwatches não devem ser usados para medir glicose, diz Anvisa

A regulamentação exige que tais dispositivos sejam aprovados pela agência.

Publicado

em

A Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) emitiu uma nota sobre o uso de smartwatches (dispositivos eletrônicos) para medição de índice glicêmico e de oxigênio.

A regulamentação exige que tais dispositivos sejam aprovados pela agência. Até o momento, apenas cinco sistemas de relógios inteligentes (smartwatches) foram aprovados para medir pressão arterial, eletrocardiograma e notificação de ritmo cardíaco irregular.

Não há dispositivos regularizados para medição não invasiva de glicose ou oximetria (oxigênio) devido à falta de estudos que comprovem sua segurança e eficácia.

Dispositivos que medem apenas frequência cardíaca e respiratória não são regulamentados pela Anvisa. O processo de regulamentação visa garantir a segurança e eficácia dos produtos por meio de estudos científicos rigorosos.

A medição não invasiva de glicemia por smartwatches ainda está em desenvolvimento e não foi regulamentada devido à necessidade de comprovação de sua precisão, evitando assim doses inadequadas de insulina e complicações relacionadas ao controle da diabetes.

IMPORTÂNCIA DA MEDIÇÃO DE GLICEMIA

A medição de glicemia é utilizada para monitorar os níveis de glicose no sangue, sendo de grande importância para pessoas com diabetes, pois ajuda a avaliar o controle do açúcar no sangue ao longo do tempo.

Manter os níveis de glicose dentro do limite é essencial para prevenir complicações de saúde relacionadas ao diabetes, como problemas cardiovasculares, danos nos nervos, nos rins e nos olhos.

A medição de glicemia também é importante para ajustar a dieta, o exercício físico e a medicação conforme necessário para controlar a doença.

OXIMETRIA É USADA PARA MEDIR OXIGÊNIO NO SANGUE

O processo de medição da saturação de oxigênio no sangue (SpO2) é chamado de oximetria. Geralmente, esse método é realizado por meio de um dispositivo chamado oxímetro de pulso -que é dispositivo colocado no dedo, orelha ou outra parte do corpo e funciona emitindo luzes de diferentes comprimentos de onda através do tecido. Essa técnica é considerada não invasiva.

A oximetria é uma ferramenta importante na avaliação da função pulmonar e da oxigenação do corpo, sendo amplamente utilizada em ambientes clínicos, como hospitais, consultórios médicos e em casa para monitorar a saúde respiratória.

A Anvisa também fez um alerta acerca da veiculação de anúncios falsos sobre as ferramentas disponíveis nos smartwatches, que podem ser denunciadas à agência, assim como a venda de aparelhos médicos não regulamentados, sendo uma infração sujeita a penalidades.

Foto  iStock

Por Folhapress

           

Seja sempre o primeiro a saber. Baixe os nossos aplicativos gratuito.

Siga-nos em nossas redes sociais FacebookTwitter e InstagramVocê também pode ajudar a fazer o nosso Blog, nos enviando sugestão de pauta, fotos e vídeos para nossa a redação do Blog do Silva Lima por e-mail blogdosilvalima@gmail.com ou WhatsApp (87) 9 9937-6606 ou 9 9155-5555.

Continue lendo

Saúde

Densitometria óssea: como é feito o exame que detecta osteoporose

Publicado

em

O nome pode parecer complicado, mas o exame é muito simples. A densitometria óssea é um exame de imagem que, do ponto de vista do paciente, praticamente não tem diferenças em relação a um raio-X. Além de ser indolor e rápido, o teste permite a detecção precoce de problemas como a osteopenia e a osteoporose.

Em geral, a densitometria óssea faz isso a partir de imagens do fêmur e das vértebras. Como o nome sugere, o objetivo é avaliar a densidade mineral desses ossos: quando há perda nessas regiões, isso é indício de que o problema também está acontecendo no restante do corpo.

Como é feita a densitometria óssea?

Para fazer a densitometria óssea, o paciente fica deitado em uma maca. Sobre ele, uma máquina chamada densitômetro passa emitindo uma quantidade muito baixa de radiação, que permite captar as imagens dos ossos analisados. O exame leva cerca de 15 minutos.

É recomendado remover joias ou itens de roupa com peças de ferro. Em geral, não é necessário estar em jejum.

Mas atenção: suplementos ou remédios que contenham cálcio não podem ser ingeridos nas 24 horas anteriores ao exame.

Você também precisa informar ao médico caso tenha realizado um exame com contraste – como tomografias ou urografias – até 14 dias antes da densitometria. Esse intervalo é necessário para não haver risco de que os resultados da densitometria sejam alterados pelos resquícios do contraste no corpo.

Para que serve a densitometria óssea?

A vantagem da densitometria óssea é o diagnóstico da osteopenia ou da osteoporose de forma precoce, permitindo um tratamento mais eficaz. Quando a perda óssea é detectada em um raio-X, em geral os problemas já se encontram em um estágio mais avançado.

A osteopenia é uma fase anterior à osteoporose, em que já há perda de massa nos ossos, mas não na intensidade da osteoporose, quando há um aumento significativo no risco de fraturas.

Para quem esse exame é recomendado?

O processo de diminuição da densidade óssea é natural com o avançar da idade – mas o risco de fraturas e outros danos pode ser diminuído com tratamento e mudanças no estilo de vida.

Por isso, em geral, a densitometria óssea é recomendada para mulheres com mais de 65 anos e homens com mais de 70 anos.

Outros fatores, no entanto, favorecem a perda óssea e aumentam o risco para osteopenia e osteoporose. Para pessoas que possuem esses fatores de risco, o exame pode ser indicado mais cedo na vida.

Confira situações que podem levar à indicação de densitometria óssea:

  • Investigação da causa de fraturas em pessoas com mais de 50 anos;
  • Casos de artrite reumatoide, lúpus, espondilite anquilosante, bem como usuários de medicamentos corticoides;
  • Pessoas que tomam medicamentos para câncer, epilepsia, anticoagulantes e esteroides;
  • Histórico familiar de osteoporose;
  • Tabagismo e alcoolismo;
  • Doenças que aumentam risco de fraturas (como diabetes);
  • Mulheres após a menopausa (as mudanças hormonais enfraquecem os ossos);
  • Disfunções da tireoide;
  • Doenças gastrointestinais.

A densitometria óssea é contraindicada para grávidas. No Brasil, o exame pode ser realizado no Sistema Único de Saúde.

Fonte : Veja Saúde

 

 

           

Seja sempre o primeiro a saber. Baixe os nossos aplicativos gratuito.

Siga-nos em nossas redes sociais FacebookTwitter e InstagramVocê também pode ajudar a fazer o nosso Blog, nos enviando sugestão de pauta, fotos e vídeos para nossa a redação do Blog do Silva Lima por e-mail blogdosilvalima@gmail.com ou WhatsApp (87) 9 9937-6606 ou 9 9155-5555.

Continue lendo

Saúde

Prolactina: o que é, e o que significa quando ela está alta no exame

Publicado

em

prolactina, também resumida como PRL, é um hormônio produzido na hipófise, tanto por homens quanto mulheres. Embora seja mais conhecida pela relação com a amamentação, ela tem outras funções relacionadas à vida sexual e à saúde reprodutiva – daí também porque médicos pedem exames para medir se a prolactina está alta ou baixa.

Além do papel estimulante para produção de leite materno, a prolactina é parte essencial da regulação do ciclo menstrual, já que o processo de liberação do óvulo tem participação do hormônio. Ela também é importante para o pós-parto, agindo desde antes do nascimento do bebê para inibir a liberação de outros hormônios.

Com um aumento do PRL, há uma supressão da libido na parturiente. É um mecanismo de defesa do corpo para reduzir a chance de novas gestações imediatamente após o nascimento da criança, possibilitando um foco maior no recém-nascido durante o período da amamentação.

Em geral, a prolactina baixa só costuma ser um problema para lactentes, já que reduz a produção de leite. O PRL alto demais, porém, tem consequências para mulheres e homens – neles, o hormônio em excesso pode reduzir a libidoalém de causar perda muscular e levar à disfunção erétil. Conheça outras consequências da hiperprolactina abaixo.

O que significa a prolactina alta

O hormônio aumenta em até 20 vezes durante a gravidez, já que tem diversas funções no processo de gestação. Para grávidas, essa elevação não é necessariamente um problema, mas, em condições normais, o nível de prolactina em mulheres deve ficar próximo de 29 nanogramas por mililitro de sangue (ng/ml). Para os homens, as medidas devem ficar próximas de 20 ng/ml.

Como a prolactina é um hormônio, as alterações na taxa de produção sempre estão conectadas com glândulas. Tumores na região da hipófise, pituitária e rins podem causar alterações, assim como o uso de medicações que afetam o funcionamento dessas partes do corpo, como é o caso dos antidepressivos e anticoncepcionais.

Em mulheres, consequências dessas mudanças nos níveis de PRL podem gerar lactação fora do período, irregularidade no ciclo menstrual, infertilidade, baixa libido, menor lubrificação natural e inchaço.

Em homens, a prolactina alta também provoca redução de libido e outros impactos pelo corpo. Em casos extremos, mais raros, pode haver aumento dos peitos e até produção de leite.

O que significa a prolactina baixa

A redução de PRL é mais rara e está ligada ao hipopituitarismo, que não é apenas uma deficiência na produção de prolactina, mas de diversos outros hormônios que vêm da hipófise. Não existem indícios de que os níveis baixos de PRL causem algum problema perceptível para a saúde, com exceção de uma redução na produção do leite materno.

Como é o exame para medir a prolactina

É um exame de sangue simples e não exige preparação especial, como jejum. A medição é feita para detectar os níveis de PRL calculados em ng/ml. Se houver suspeita de algum tumor nas glândulas relacionadas ao hormônio, podem ser solicitados também exames complementares, como uma tomografia.

Como normalizar os níveis de PRL

O tratamento depende da origem desse desequilíbrio hormonal. O mais comum é que o excesso de prolactina seja enfrentado com medicamentos que reduzem os níveis de PRL no organismo. Mas, se for o caso de um tumor, geralmente é necessária a remoção dessa massa para que a produção atinja níveis normais novamente.

           

Seja sempre o primeiro a saber. Baixe os nossos aplicativos gratuito.

Siga-nos em nossas redes sociais FacebookTwitter e InstagramVocê também pode ajudar a fazer o nosso Blog, nos enviando sugestão de pauta, fotos e vídeos para nossa a redação do Blog do Silva Lima por e-mail blogdosilvalima@gmail.com ou WhatsApp (87) 9 9937-6606 ou 9 9155-5555.

Continue lendo
Propaganda

Trending

Fale conosco!!