Conecte-se Conosco

Saúde

Batimento cardíaco irregular pode aumentar risco de demência, diz estudo

Publicado

em

Fibrilação atrial pode levar ao acúmulo de sangue no coração e à formação de coágulos.

Pessoas com um tipo específico de batimento cardíaco irregular chamado fibrilação atrial podem experimentar um declínio mais rápido nas habilidades de pensamento e memória e ter um risco maior de demência do que aquelas sem fibrilação atrial, de acordo com um estudo publicado na edição on-line de 10 de outubro de 2018 da “Neurology”, o jornal médico da Academia Americana de Neurologia.

Com fibrilação atrial, uma forma de arritmia, o ritmo normal do coração está fora de sincronia. Como resultado, o sangue pode acumular-se no coração, possivelmente formando coágulos que podem ir para o cérebro, causando um derrame.

A boa notícia do estudo é que as pessoas com fibrilação atrial que estavam tomando anticoagulantes eram na verdade menos propensas a desenvolver demência do que aquelas que não tomavam.

“O fluxo sanguíneo comprometido causado pela fibrilação atrial pode afetar o cérebro de várias maneiras”, disse o autor do estudo, Chengxuan Qiu, do Instituto Karolinska e da Universidade de Estocolmo, na Suécia.

“Nós sabemos que conforme as pessoas envelhecem, a chance de desenvolver fibrilação atrial aumenta, assim como a chance de desenvolver demência. Nossa pesquisa mostrou uma ligação clara entre os dois e descobriu que tomar anticoagulantes pode realmente diminuir o risco de demência”, disse Qiu.

O estudo

Para o estudo, os pesquisadores analisaram dados sobre 2.685 participantes com uma idade média de 73 anos, que foram acompanhados durante cerca de seis anos como parte de um estudo maior. Os participantes foram examinados e entrevistados no início do estudo e, em seguida, uma vez após seis anos para os menores de 78 anos e uma vez a cada três anos para aqueles com 78 anos ou mais. Todos os participantes estavam livres de demência no início do estudo, mas 243 pessoas, ou 9%, tinham fibrilação atrial.

Através de entrevistas e exames médicos, os pesquisadores reuniram dados do estilo de vida e médicos sobre os participantes no início do estudo e durante cada visita de acompanhamento. Todos foram examinados para fibrilação atrial, para o pensamento global e habilidades de memória, bem como demência.

Saúde

Surto de febre amarela avança para Sudeste e Sul do Brasil, alerta OMS

Publicado

em

Em comunicado emitido em Brasília, entidade amplia área de vacinação para estrangeiros e aponta para ‘terceira onda’ de contaminação

Organização Mundial da Saúde (OMS) elevou nesta quarta-feira, 13, o alerta sobre a febre amarela no Brasil e ampliou a área onde uma vacinação é recomendada a estrangeiros e turistas que visitem o País. Para a entidade, há indícios de que uma “terceira onda” de contaminação esteja sendo iniciada, com progressão do surto em direção ao Sul e ao Sudeste do Brasil.

A iniciativa foi tomada após casos em humanos serem notificados de julho de 2018 a janeiro deste ano em nove municípios paulistas bem como a confirmação de casos humanos e epizootias (mortes de macacos) por febre amarela no Paraná.

“Embora seja cedo para determinar se este ano terá os altos números de casos em humanos observados nos dois últimos grandes picos sazonais, há indicações de que a transmissão do vírus continua a se propagar em direção ao sul e em áreas com baixa cobertura vacinal”, declarou a OMS, em comunicado.

Em dezembro de 2018 e janeiro deste ano, a entidade apontou para 36 casos confirmados de febre amarela em humanos, incluindo 8 mortes, em 11 municípios brasileiros. Diante do cenário, a OMS sugere que a vacina seja adotada por quem vai viajar aos Estados do Acre, Amapá, Amazonas, Bahia, Distrito Federal, Espírito Santo, Goiás, Maranhão, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas, Pará, Paraná, Piauí, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Rondônia, Roraima, Tocantins, Santa Catarina e São Paulo.

A recomendação é de que o imunizante seja aplicado dez dias antes de o viajante embarcar para esses destinos. Uma dose da vacina é suficiente. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Por Estadão Conteúdo

Seja sempre o primeiro a saber. Baixe o nosso aplicativo gratuito.

Siga-nos em nossas redes sociais FacebookTwitter e Instagram.Você também pode ajudar a fazer o nosso Blog, nos enviando sugestão de pauta, fotos e vídeos para nossa a redação do Blog do Silva Lima por e-mail blogdosilvalima@gmail.com ou WhatsApp (87) 9 9937-6606 ou 9 9101-6973.

Continue lendo

Saúde

Vacina italiana consegue reduzir reserva de HIV em 90%

Publicado

em

Pesquisa abre novas perspectivas para a cura da Aids

Uma vacina terapêutica desenvolvida na Itália conseguiu reduzir em 90% a “reserva” de vírus latente em pacientes contaminados com o HIV.

O estudo, conduzido pelo Centro de Pesquisas contra a Aids do Instituto Superior de Saúde (ISS), órgão ligado ao governo italiano, foi publicado no periódico Frontiers in Immunology e abre novas perspectivas para a cura da doença.

“Os resultados abrem perspectivas para uma terapia capaz de controlar o vírus mesmo depois da suspensão dos remédios antirretrovirais. De tal modo, surgem oportunidades preciosas para a gestão clínica em longo prazo das pessoas com HIV, reduzindo a toxicidade associada aos remédios, melhorando a aderência à terapia e a qualidade de vida”, diz Barbara Ensoli, diretora do Centro de Pesquisas contra a Aids.

A vacina “Tat” foi aplicada em pacientes de oito hospitais italianos e reduziu o reservatório de HIV latente em 90% em um período de oito anos – o vírus latente, ou seja, que está inativo, não é afetado pelos medicamentos antirretrovirais.

“A cura da Aids é uma prioridade absoluta da comunidade científica internacional”, disse o ISS. Um estudo publicado em 2018 mostrou que a luta contra o HIV consumiu US$ 563 bilhões entre 2000 e 2015.

Por ANSA

Seja sempre o primeiro a saber. Baixe o nosso aplicativo gratuito.

Siga-nos em nossas redes sociais FacebookTwitter e Instagram.Você também pode ajudar a fazer o nosso Blog, nos enviando sugestão de pauta, fotos e vídeos para nossa a redação do Blog do Silva Lima por e-mail blogdosilvalima@gmail.com ou WhatsApp (87) 9 9937-6606 ou 9 9101-6973.

Continue lendo

Saúde

Tipo de feijão rico em fibra ajuda no controle da diabetes de tipo 2

Publicado

em

Esse tipo de diabetes corresponde a 90% dos casos da doença

Os sintomas da diabetes de tipo 2 incluem dores de cabeça severas e sede excessiva. Para reduzir o risco de incidência da doença, deve considerar adicionar este alimento à sua dieta.

Esse tipo de diabetes corresponde a 90% dos casos da doença. A condição se caracteriza pelo aumento perigoso e por vezes mortífero dos níveis de açúcar do sangue.

Alterar a dieta é uma das maneiras mais fáceis e rápidas de reduzir os níveis perigosos de açúcar na corrente sanguínea – mas afinal, o que deve ingerir para obter os resultados desejados?

Comer mais leguminosas e legumes pode ajudar a atenuar os sintomas associados à diabetes de tipo 2.

As dietistas Sarah Brewer e Juliette Kellow discutem o tópico no seu livro, ‘Eat Better, Live Longer: Understand What Your Body Needs to Stay Healthy’.

As especialistas escrevem: “O feijão frade é entre todos os tipos de feijão a ‘estrela do mundo das leguminosas’ devido ao seu alto teor em fibra, que é importante na manutenção de um peso saudável e para quem sofre de diabetes de tipo 2. Adicionalmente, esta variedade é extremamente rica em antioxidantes”.

As mesmas conclusões são reforçadas por um estudo publicado no periódico científico NCBI.

Uma pesquisa apurou que as leguminosas ajudam o corpo a regular os níveis de açúcar, tornando este alimento uma ótima opção para quem sofre com diabetes do tipo 2.

Os participantes envolvidos no estudo consumiram que 200 gramas diárias de leguminosas registraram níveis de insulina mais equilibrados.

Uma equipe de cientistas da Universidade de Toronto, no Canadá, também decidiu verificar se os legumes beneficiam igualmente os pacientes que sofrem com diabetes de tipo 2.

Nessa pesquisa, dividiram 121 voluntários em dois grupos distintos – um que foi instruído para comer legumes e outro alimentos integrais.

Os dados apurados, e publicados no periódico Scientific Journal Archives of Internal Medicine, revelaram que se deu uma redução dos valores de açúcar presentes no sangue (hemoglobina A1c) em ambos os grupos.

Apesar disso, conseguirem verificar que o grupo que havia sido instruído a ingerir legumes diariamente alcançou os melhores resultados.

Não hesite em consultar um médico se achar que poderá estar a sofrer de diabetes de tipo 2

Por Notícias ao Minuto

Seja sempre o primeiro a saber. Baixe o nosso aplicativo gratuito.

Siga-nos em nossas redes sociais FacebookTwitter e Instagram.Você também pode ajudar a fazer o nosso Blog, nos enviando sugestão de pauta, fotos e vídeos para nossa a redação do Blog do Silva Lima por e-mail blogdosilvalima@gmail.com ou WhatsApp (87) 9 9937-6606 ou 9 9101-6973.

Continue lendo
Propaganda

Trending