Conecte-se Conosco

Esporte

Brasileirão: Santos sofre, mas arranca empate do Ceará e deixa Z-4

Publicado

em

Agora, a equipe de Cuca ocupa a 15ª posição, com 18 pontos, mesma pontuação da Chapecoanse, 17ª colocada e última equipe a ocupar a zona de rebaixamento.

Santos visitou o Ceará nesta quarta-feira, em Fortaleza, no estádio Presidente Vargas, em partida antecipada da 20ª rodada do Brasileiro, e após sair atrás no placar, reagiu e buscou o empate por 1 a 1. O placar tira os paulistas da zona de rebaixamento.

Agora, a equipe de Cuca ocupa a 15ª posição, com 18 pontos, mesma pontuação da Chapecoanse, 17ª colocada e última equipe a ocupar a zona de rebaixamento. Porém, o Santos vence nos critérios de desempate: possui uma vitória a mais (4 a 3). Já o Ceará vai a 15 pontos e fica na 18ª posição.

Embora tenham deixado a zona de rebaixamento, os santistas ainda não convenceram e chegaram ao nono jogo sem vencer.

O último triunfo ocorreu diante do Fluminense, em 13 de junho, no Maracanã, na última rodada antes da paralisação para a Copa do Mundo da Rússia. Desde então, o Santos conquistou seis empates e três derrotas.

Foi o terceiro jogo de Cuca à frente da equipe. Antes, ele havia sido derrotado pelo Cruzeiro, na estreia, e empatado com o Botafogo.

O Santos veio com novidades na escalação. O atacante Gabriel e o volante Renato foram sacados do time titular. Pituca e Yuri Alberto ganharam a chance de iniciar.

A equipe jogou no tradicional esquema 4-3-3. Alison ficou mais plantado atrás, enquanto Carlos Sánchez e Diego Pituca tiveram mais liberdade para ir para o ataque.

Na linha de três ofensiva, os atacantes Rodrygo, aberto pela direita, e Bruno Henrique, pela esquerda, tinham a missão de acompanhar os laterais quando o time ficava sem a bola. Yuri Alberto foi escalado como centroavante.

A proposta de usar Yuri para segurar a bola lá na frente não funcionou. Primeiro, porque ele foi presa fácil para os zagueiros. Depois, porque foi atrapalhado pela falta de aproximação dos meio-campistas da equipe santista.

Até por isso, o domínio cearense foi total durante toda a primeira etapa do duelo.

Faltou ao time de Cuca maior compactação entre a última linha defensiva e o meio-campo e principalmente alguém cerebral, capaz de ditar o ritmo e fazer o time segurar mais a bola.

O Ceará, por sua vez, bem ajustado, recuperava a bola com facilidade, graças à troca lenta de passes dos santistas, e acelerava no contragolpe.

Tanto que já nos primeiros 15 minutos, Vanderlei já havia sido exigido em três ocasiões. Quando Juninho Quixadá conseguiu vencer o goleiro, carimbou o travessão.

A primeira finalização do Santos só aconteceu aos 27min, com Diego Pituca arriscando de fora da área. O chute, contudo, pouco assustou e saiu longe da meta.

Foram 11 finalizações cearenses contra só três dos santistas no primeiro tempo.

Na etapa final aqueles que haviam ganhado uma chance a perderam: Pituca deu lugar ao meia Bryan Ruiz. O costa-riquenho fez a sua estreia pelo clube. Já Yuri Alberto viu Gabigol retomar a posição.

As alterações potencializaram o futebol de Bruno Henrique. Se na etapa inicial o camisa 11 apareceu várias vezes pelo meio querendo participar da armação, sem sucesso, com Bryan Ruiz, mesmo sem empolgar muito, cuidando do setor, e Gabriel como referência, o jogador voltou a ser um bom ponta.

Foi assim que conseguiu duas boas arrancadas. Em uma delas, aos 15 min, livrou-se de Fabinho, invadiu a área e exigiu grande defesa do goleiro cearense Éverson.

Embora tenha tido uma pequena melhora em relação à etapa inicial, o Santos ainda continuava tendo problemas com a equipe da casa.

E foi em um contragolpe, aos 33min, que Arthur, finalmente, guardou a bola na rede. Ele se aproveitou de vacilo de Gustavo Henrique, que não saiu na marcação de Leandro Carvalho e deu condição para que ele recebesse o passe em condição legal.

O gol não abalou o Santos. Pelo contrário, encheu os paulistas de coragem. E, aos 41min, mesmo sem merecer, o time de Cuca chegou ao empate: Alison cruzou, a zaga do Ceará parou e Jean Mota, sozinho, estufou o peito na bola para tirar Éverson da jogada e deixar tudo igual.

CEARÁ

Everson; Fabinho, Tiago Alves, Luis Otávio, João Lucas; Edinho, Richardson, Calyson, Felipe Azevedo (Leandro Carvalho); Juninho Quixadá (Ricardinho), Arthur. T.: Lisca

SANTOS

Vanderlei; Victor Ferraz , Luiz Felipe, Gustavo Henrique, Jean Mota; Alison, Diego Pituca (Bryan Ruiz), Carlos Sánchez (Gabriel Calabres); Rodrygo, Bruno Henrique, Yuri Alberto (Gabigol). T.: Cuca

Estádio: Presidente Vargas, em Fortaleza (CE)

Juiz: Marcelo de Lima Henrique (RJ)

Cartões amarelos: Jean Mota (Santos); Edinho (Ceará)

Gols: Arthur, aos 35 minutos do segundo tempo (Ceará); Jean Mota, aos 43 minutos do segundo tempo (Santos)

Com informações da Folhapress.

Seja sempre o primeiro a saber. Baixe o nosso aplicativo gratuito.

Siga-nos em nossas redes sociais FacebookTwitter e Instagram. Você também pode ajudar a fazer o nosso Blog, nos enviando sugestão de pauta, fotos e vídeos para nossa a redação do Blog do Silva Lima por e-mail blogdosilvalima@gmail.com ou WhatsApp (87) 9 9937-6606 ou 9 9101-6973.

Esporte

‘Chegarei com toda a força’, diz Cuca sobre desafio no São Paulo

Publicado

em

Treinador passa por tratamento cardiológico e depende da liberação médica para voltar ao dia a dia do futebol

Em seu primeiro pronunciamento como técnico do São Paulo, Cuca, oficializado pela diretoria na última quinta-feira, em seguida ao anúncio de que André Jardine não seguiria no cargo, comentou ao site oficial do clube sobre a expectativa de iniciar o quanto antes sua segunda passagem pelo Morumbi – na anterior, em 2004, ele chegou à semifinal da Copa Libertadores.

O treinador passa por tratamento cardiológico e depende da liberação médica para voltar ao dia a dia do futebol. Na quinta-feira, o presidente Carlos Augusto de Barros e Silva, o Leco, revelou uma hipotética data, segundo o próprio, informada a ele por Cuca: 15 de abril. Mas o prazo pode se estender, dependendo da evolução da recuperação. Em dezembro, o técnico foi submetido a uma cirurgia porque apresentava quadro de entupimento arterial.

“Minha vontade era de me apresentar agora, mas ainda não fui liberado pelo meu médico e terei de continuar com o tratamento aqui em Curitiba. Enquanto esses dois meses não chegam, estarei me preparando ainda mais para desenvolver meu trabalho”, afirmou Cuca, que terá mais uma vez a parceria se seu irmão, Cuquinha, como auxiliar. Ele vai começar a trabalhar antes, até para ajudar na transição futura.

Enquanto Cuca não puder trabalhar, a equipe será dirigida por Vagner Mancini, que é coordenador de futebol do São Paulo desde o início deste ano. “Quero agradecer ao Mancini, porque todos sabemos que ele chegou ao São Paulo para exercer outra função, de coordenador, e ele só está assumindo o time de forma interina pelo nosso bem, especialmente pelo bem do São Paulo”, comentou o treinador. “Eu já tinha uma admiração grande por ele, e agora essa atitude só reforça o meu apreço. Estou muito feliz por esse desfecho e desejo ao Mancini e aos atletas toda a sorte do mundo no clássico contra o Corinthians no domingo. Estarei na torcida.”

Em sua primeira passagem pelo São Paulo, em 2004, Cuca comandou o time em 51 jogos: 30 vitórias, oito empates e 13 derrotas (64,05% de aproveitamento). Semifinalista da Libertadores daquele ano, foi um dos responsáveis pela montagem do elenco que fez história na temporada seguinte com os títulos continental, do Mundial de Clubes e do Campeonato Paulista.

“Tenho um carinho muito grande pelo São Paulo, desde 2004. Agradeço a todos, especialmente à diretoria são-paulina, pela compreensão e também pela decisão de esperar pela minha plena recuperação. Chegarei com toda a força para ajudar o clube a cumprir com todos os objetivos”, finalizou.

(Por Esporte ao minuto)

Seja sempre o primeiro a saber. Baixe o nosso aplicativo gratuito.

Siga-nos em nossas redes sociais FacebookTwitter e Instagram.Você também pode ajudar a fazer o nosso Blog, nos enviando sugestão de pauta, fotos e vídeos para nossa a redação do Blog do Silva Lima por e-mail blogdosilvalima@gmail.com ou WhatsApp (87) 9 9937-6606 ou 9 9101-6973.

Continue lendo

Esporte

Corinthians se salva com gol no fim e empata com o Racing na ‘Sula’

Publicado

em

O Corinthians voltará a enfrentar o Racing no dia 27, na Argentina, e precisará fazer gols. Um empate por 0 a 0 dá a classificação aos “hermanos”

Em sua estreia na Copa Sul-Americana de 2019, o Corinthians passou a maior parte do tempo atrás do Racing (ARG) no placar, mas conseguiu balançar as redes no fim e ficou no empate em 1 a 1, na quinta-feira (14), no Itaquerão.

Andrés Rios abriu o placar para os argentinos aos 22 minutos do primeiro tempo, após passar facilmente pelo zagueiro Manoel e chutar sem chances para o goleiro Cássio.

Ao longo do jogo, as duas equipes tiveram a chance de marcar, mas o gol só saiu no fim, e foi do time da casa. Gustavo cabeceou para empatar em 1 a 1, após cruzamento de Sornoza. Foi o sexto gol dele no ano.

O Corinthians voltará a enfrentar o Racing no dia 27, na Argentina, e precisará fazer gols. Um empate por 0 a 0 dá a classificação aos “hermanos”. Até lá, terá dois compromissos, entre eles um clássico, no domingo (17), contra o São Paulo, no mesmo Itaquerão.

CORINTHIANS

Cássio; Fagner, Manoel, Henrique, Carlos Augusto; Ralf, Ramiro (Clayson), Sornoza, Jadson (Pedrinho), Vagner Love (Sérgio Díaz); Gustavo. T.: Fábio Carille.

RACING

Arias; Saravia, Sigali, Domínguez, Pillud; Díaz, Solari, Cardozo, Ojeda, Andrés Ríos (Guillermo Fernández); Cvitanich (Cristaldo). T.: Eduardo Coudet.

Estádio: Arena Corinthians, em São Paulo

Público pagante: 23.941 (total de 24.237)

Renda: 935.243,00

Juiz: Victor Carrillo (PER)

Cartões Amarelos: Vagner Love, Ramiro (Corinthians); Saravia, Cardozo, Solari (Racing)

Gols: Andrés Ríos, aos 22min do primeiro tempo (Racing); Gustavo, aos 42 minutos do segundo tempo (Corinthians).

(Por Notícias ao minuto)

 

Continue lendo

Esporte

Prefeitura manda Flamengo fechar CT, mas clube não informa se cumpre

Publicado

em

Objetivo seria cumprir a ordem de 2017 de interdição

Durante reunião com autoridades públicas, a Prefeitura do Rio mandou que o Flamengo feche CT do Ninho do Urubu, que sofreu incêndio e vitimou dez jovens. O objetivo seria cumprir a ordem de 2017 de interdição. Presente, o vice-presidente do Flamengo Rodrigo Dunshee de Abranches não respondeu se fechará o local.

O Ministério Público Estadual do Rio enviou à promotoria de urbanismo a decisão para entrar com uma ação judicial para fechar o centro de treinamento. O local não tem alvará de bombeiros e por isso está irregular.

A promotora da infância Denise Vidal confirmou que na reunião houve o pedido de fechar completamente o CT. Se isso não ocorrer, o MP vai atuar pela área de urbanismo.

Questionado, o vice do Flamengo afirmou que “a licença é colateral”. Disse que uma reunião de segunda-feira vai decidir se fecha o local. Segundo ele, a questão está sub júdice.

Como o CT está aberto desde 2017 mesmo com interdição, é possível que o clube mantenha o complexo aberto. Durante a semana, a justiça fechou o local para menores, mas não atendeu o pedido do MP para fechar completamente.

Alguns setores já haviam sido interditados por por ordem de auditores fiscais do trabalho que encontraram problemas nas instalações elétricas. A perícia ocorreu na última quarta-feira reunindo Ministério Público Estadual, corpo de bombeiros, auditores fiscais do trabalho, entre outros órgãos. Foi permitido que o centro de treinamento continuasse a funcionar até esta sexta-feira.

(Por Folhapress)

Seja sempre o primeiro a saber. Baixe o nosso aplicativo gratuito.

Siga-nos em nossas redes sociais FacebookTwitter e Instagram.Você também pode ajudar a fazer o nosso Blog, nos enviando sugestão de pauta, fotos e vídeos para nossa a redação do Blog do Silva Lima por e-mail blogdosilvalima@gmail.com ou WhatsApp (87) 9 9937-6606 ou 9 9101-6973.

Continue lendo
Propaganda

Trending