Conecte-se Conosco

Esporte

Darlan brilha e seleção brasileira masculina se vinga da Argentina na Liga das Nações de Vôlei

Nesta sexta-feira (24), sem tempo para descansar, o Brasil tem novo desafio gigante, desta vez contra a Sérvia.

Publicado

em

Sob a batuta do jovem e talentoso Darlan, a seleção brasileira de vôlei se redimiu da apresentação pífia diante de Cuba com uma grande vitória em batalha de cinco sets nesta quinta-feira, se vingando da arquirrival Argentina. O campeão da Superliga com o Sesi-Bauru, de somente 21 anos, anotou 20 pontos e comandou o triunfo por 3 sets a 2, parciais de 25/13, 20/25, 19/25, 25/22 e 15/11 pela segunda rodada da Liga das Nações, no Maracanãzinho, no Rio. Lucarelli cresceu a partir do terceiro set e contribuiu com outros 16 pontos.

Com a torcida especial das ginastas Rebeca Andrade, Jade Barbosa e Flávia Saraiva e um público extremamente atuante, o Brasil melhorou bastante em fundamentos que não funcionaram diante dos cubanos, casos do bloqueio, ataques pelo meio de rede e o saque. Mostrando concentração para superar momento delicado na partida e, com jogo forte que era esperado já na estreia, fechou no tie-break.

Nesta sexta-feira, sem tempo para descansar, o Brasil tem novo desafio gigante, desta vez contra a Sérvia, jogo no qual buscará seu segundo triunfo neste retorno do técnico Bernardinho. O encerramento da primeira fase da Liga das Nações ocorre no domingo de manhã, diante da Itália.

Depois de ganhar a disputa do bronze nos Jogos de Tóquio, em 2021, os argentinos voltaram a aprontar diante do Brasil com 3 a 0 na final do Campeonato Sul-Americano, em Recife, no ano passado. Ganhar o clássico no Maracanãzinho não era apenas questão de honra, mas importante para se vingar e complicar a busca dos arquirrivais por vaga em Paris-2024 – iniciaram a partida em sétimo no ranking. E espantar o rótulo de “freguês.”

A derrota na estreia diante de Cuba fez o técnico Bernardinho mexer na equipe. O meio de rede Lucão, poupado, deu lugar para Isac no time titular. Já o ponteiro Adriano foi observado desde o início na vaga de Leal, maior pontuador do jogo de terça-feira, em troca ousada de Bernardinho.

A seleção entrou em quadra com festa antes do primeiro ponto, na emocionante capela durante o hino nacional. Com arquibancadas mais uma vez lotadas, a esperança de uma apresentação melhor. Apoio não faltava. Tampouco confiança. Mas era necessário sacar melhor – foram 19 erros diante de Cuba – e ajustar o bloqueio, inoperante na estreia.

A primeira boa vantagem na parcial que começou equilibrada veio com o primeiro bloqueio brasileiro na partida e depois em contragolpe para a seleção abrir 7 a 4. Os argentinos não acertavam nada e Darlan obrigou o técnico Marcelo Mendez – ganhou tudo dirigindo o Cruzeiro – a pedir o primeiro tempo com 10 a 5. Darlan virava todas as bolas.

Diferentemente do jogo contra Cuba, até os erros brasileiros davam certo e o time fazia o ponto. A seleção estava mais “ligada” e precisa. O bloqueio colaborava e não vinham desperdícios de ataques ou contragolpes. Com nova pancada de Darlan, seu sexto ponto no set, o Brasil subiu a vantagem para 15 a 7.

Sem sustos e em grande apresentação, o Brasil abriu 1 a 0 com Adriano fechando a parcial com imponentes 25 a 13. Darlan, autor de somente 10 pontos contra os cubanos, foi o destaque do set com nove ataques bem executados.

Depois de largar bem no segundo set, com 5 a 3, o Brasil cometeu três erros seguidos e viu os argentinos abrirem vantagem. Lucarelli não deixou os hermanos se empolgarem. Darlan recolocou o time em vantagem com 11 a 10 após grande defesa de Lucarelli.

Em momento de falta de estabilidade brasileira, a Argentina conseguiu abrir 17 a 14 e obrigou Bernardinho à primeira pausa. O treinador optou por passar calma aos jogadores, dizendo que os erros já eram passado e mostrou confiança em reação na parcial. Teve de pedir nova pausa com 22 a 18 contra, pedindo para o Brasil rodar. O empate em sets veio após erro de Adriano e 25 a 20.

O terceiro set começou com princípio de confusão, após comemoração exagerada de Danani e cobrança de Bruninho, que ultrapassou a quadra para reclamar da postura do líbero argentino. O levantador foi punido com cartão amarelo. Bernardinho pedia calma aos brasileiros, mas os hermanos abriram logo 3 a 1. O jogo ficou tenso.

Depois de ceder o empate por 6 a 6, a Argentina voltou a dominar o placar. Bruno Lima, Vincentín e Palonsky começaram a superar o bloqueio verde e amarelo com facilidade. O Brasil perdeu a concentração com a provocação e os erros apareceram em série: 11 a 6. A vantagem aumentou para sete pontos com 21 a 14. Sem vibração, veio a virada com 25 a 19.

Necessitando reagir no quarto set, o Brasil desperdiçou contra-ataque importante com Darlan para abrir vantagem de dois pontos no começo da parcial. Ao menos, caminhava ponto a ponto com os oponentes. Até Isac, pelo meio, enfim, colocar o Brasil com dois pontos a mais no placar: 14 a 12.

A torcida novamente inflamou e Lucarelli começou a acertar seus ataques. E também o saque. Com ace do camisa 7, o Brasil abriu importante 18 a 15. Depois, no bloqueio de Flávio e ataque de Adriano, ampliou para 22 a 18. O time abriu 24 a 21, mas desperdiçou as duas primeiras chances de fechar. Lucarelli igualou a partida e aliviou a tensão. Primeira partida da Liga das Nações a ser decidida no tie-break.

O set mais curto começou com ace de Lucarelli e com Darlan somando seu 18º ponto em contragolpe. Abrir dois pontos de início era fundamental para desestabilizar os argentinos. Mas o toque na rede de Darlan deixou tudo igual: 3 a 3. O garoto se redimiu ao fazer 5 a 3 e vibrar muito.

A virada de quadra veio com 8 a 6 após bola pelo meio de Isac. Em ataque de Lucarelli, o Brasil subiu para 10 a 7. “Oh, Brasil olê, Brasil olê”, já comemorava a torcida no pedido de tempo argentino. O ponteiro, em saque forte, deixou o time com 11 a 7. Após bola para fora de Vicentin, 14 a 10 e desespero dos adversários. Só um milagre salvava a Argentina. Ele não veio, com Flávio definindo.

Foto Getty

Por Estadão

           

Seja sempre o primeiro a saber. Baixe os nossos aplicativos gratuito.

Siga-nos em nossas redes sociais FacebookTwitter e InstagramVocê também pode ajudar a fazer o nosso Blog, nos enviando sugestão de pauta, fotos e vídeos para nossa a redação do Blog do Silva Lima por e-mail blogdosilvalima@gmail.com ou WhatsApp (87) 9 9937-6606 ou 9 9155-5555.

Esporte

Palmeiras vende Estevão ao Chelsea em operação que pode chegar a R$ 358 milhões

Publicado

em

O Palmeiras confirmou a venda milionária do jovem atacante Estevão, de 17 anos, para o Chelsea. Ele assinou o contrato neste sábado, após passar por exames médicos em São Paulo em maio.

A transação totaliza aproximadamente 61,5 milhões de euros, sendo 45 milhões de euros fixos e 16,5 milhões de euros em metas. O Palmeiras receberá 70% desse valor, enquanto Estevão e sua família ficarão com os 30% restantes.

Após a assinatura, o Verdão e o Chelsea confirmaram a venda da joia. Estevão continuará jogando pelo Palmeiras nesta temporada e na próxima, incluindo o Mundial de Clubes de 2025, antes de se juntar ao Chelsea em julho de 2025.

Foto Reprodutção/ estevaowilian

Por Blog do torcedor

           

Seja sempre o primeiro a saber. Baixe os nossos aplicativos gratuito.

Siga-nos em nossas redes sociais FacebookTwitter e InstagramVocê também pode ajudar a fazer o nosso Blog, nos enviando sugestão de pauta, fotos e vídeos para nossa a redação do Blog do Silva Lima por e-mail blogdosilvalima@gmail.com ou WhatsApp (87) 9 9937-6606 ou 9 9155-5555.

Continue lendo

Esporte

Seleção masculina tropeça de novo e volta a adiar vaga na fase final da Liga das Nações

O Brasil perdeu duas seguidas pela primeira vez nesta Liga das Nações.

Publicado

em

A seleção brasileira masculina de vôlei voltou a tropeçar na Liga das Nações nesta sexta-feira. Desta vez, a equipe comandada por Bernardinho levou 3 sets a 0 do Canadá, com parciais de 24/26, 19/25 e 24/26, na penúltima partida do time nacional na fase classificatória.

Assim, os brasileiros adiaram mais uma vez a classificação para a fase final, que reúne as oito melhores equipes da competição. O Brasil já poderia ter sacramentado a vaga se tivesse vencido os Estados Unidos por 3 a 1 na quinta – acabou perdendo por 3 a 2. Agora as apostas estão todas no confronto com a França, na madrugada de domingo, às 4h (de Brasília).

Com o resultado, o Brasil perdeu duas seguidas pela primeira vez nesta Liga das Nações. O time figura no sexto lugar, com chance de perder colocações na sequência da rodada por ter jogos a mais que os rivais. São seis vitórias em 11 jogos, com 20 pontos.

“O próximo jogo se tornou uma final para a gente. Não pode vacilar, não pode começar devagar, como fizemos hoje nos dois primeiros sets. Erramos muito no saque, nos ataques. Elevamos o número de erros. Já tínhamos conversado no vestiário sobre o Canadá, por ser uma equipe que cresce quando começa na frente, joga muito bem. Quanto tem uma pressão, eles sentem também”, comentou o central Lucão.

“Conseguimos melhorar no terceiro set, mas acabamos errando algumas coisas que não podíamos ali no final do set. Mas é um aprendizado. Todo mundo está rodando, pegando experiência, crescendo ao longo do campeonato. O jogo de domingo é essencial para a gente. Não podemos vacilar”, alertou o experiente jogador.

O maior pontuador do Brasil nesta sexta foi Darlan, com 12 acertos. Leal e Lucão anotaram nove pontos cada. Pelo lado canadense, Loeppky foi o maior destaque da partida, com 21 pontos.

Foto Shutterstock

Por Estadão

           

Seja sempre o primeiro a saber. Baixe os nossos aplicativos gratuito.

Siga-nos em nossas redes sociais FacebookTwitter e InstagramVocê também pode ajudar a fazer o nosso Blog, nos enviando sugestão de pauta, fotos e vídeos para nossa a redação do Blog do Silva Lima por e-mail blogdosilvalima@gmail.com ou WhatsApp (87) 9 9937-6606 ou 9 9155-5555.

Continue lendo

Esporte

Messi bate recorde de aparições na Copa América, e Argentina supera o Canadá

Publicado

em

A 48ª edição da Copa América começou nesta quinta-feira com belo show antes de a bola rolar na Mercedes-Benz Arena, em Atlanta, na Geórgia, muitos dirigentes em campo e nas tribunas, emoção na execução dos hinos, recorde de aparições de um Messi sem pontaria, mas preciso em assistência, e com a campeã Argentina superando o Canadá após alguns sustos com triunfo por 2 a 0. Os gols foram dos centroavantes Julián Álvarez e Lautaro Martínez.

Aposentado por problemas cardíacos, o ex-atacante argentino Agüero colocou a taça para exibição no gramado com direito a beijinho e aplausos da torcida. Antes mesmo de a tricampeã mundial entrar em campo, Messi já causava frisson no estádio do Atlanta Falcons, da NFL, completamente lotado – capacidade de 71 mil pessoas – ao aparecer no telão. No túnel dos vestiários, era idolatrado pelos mascotes mirins. A criançada estava encantada com a proximidade do astro.

MAIOR ATLETA A DISPUTAR COPA AMÉRICA

Ao iniciar a partida, Messi completou 35 jogos e se isolou como maior atleta a disputar uma partida na Copa América, ultrapassando o ex-goleiro chileno Livingston, que atuou em 34 oportunidades. São 13 gols e 17 assistências do astro.

Diante da atual campeã, o Canadá adotou postura ousada nos minutos iniciais, com linhas altas para tentar surpreender. Em uma bobeira, entretanto, deixou Di María avançar de seu campo e parar no goleiro Crépeau. Messi deu enorme pique e poderia ter recebido o passe. Logo depois, o camisa 10 apareceu livre e mandou raspando. Estava impedido.

Mesmo estreante na Copa América, o Canadá parecia não temer os campeões mundiais. E partiu para a trocação, sempre rondando a área, mas pecando no toque final. O jogo era agradável, com os argentinos vendo seu favoritismo duro de ser confirmado frente um oponente ajustado e confiante. Eustáquio, de cabeça, exigiu grande defesa de Dibu Martínez antes do intervalo.

A apresentação abaixo do esperado, com ataque inoperante, fez a Argentina demorar a retornar do vestiário. O papo com Lionel Scaloni durou 20 minutos. Foi longo para a equipe não somar seu quarto tropeço seguido em uma estreia de competição. Não ganhou nos primeiros jogos das duas últimas Copa Américas e também sofreu um deslize na Copa do Mundo do Catar antes de se recuperar para erguer o troféu contra a França.

Os argentinos necessitaram de somente três minutos para desencantar. Após dividida de Mac Allister com o goleiro, a bola sobrou para Julian Álvarez mandar ao gol vazio e sair celebrando O centroavante do Manchester United quase ampliou um minuto mais tarde. Crépeau salvou de ponta dos dedos.

SEM GOL DE MESSI

O tão aguardado gol de Messi pela torcida quase sai aos 19 após chutão de Martínez para frente. O astro saiu cara a cara e parou em Crépeau, no rebote driblou o goleiro e deu a cavadinha. Mas Cornelius apareceu para livrar o Canadá. Ainda falharia em novo lançamento e cobertura para fora.

Continue lendo
Propaganda

Trending

Fale conosco!!