Conecte-se Conosco

Saúde

Estudo brasileiro poderá resultar em ferramenta de combate ao câncer

Publicado

em

Estudos preliminares feitos por um grupo de 11 pesquisadores brasileiros, coordenado pela professora do Departamento de Química Inorgânica da Universidade Federal Fluminense (UFF), Célia Machado Ronconi, poderão resultar, no futuro, em uma ferramenta efetiva para a destruição de células cancerígenas.

Os estudos in vitro (em laboratório) utilizaram células de câncer de mama de uma mulher de 69 anos, em parceria com o Instituto Nacional do Câncer José de Alencar Gomes da Silva (Inca). A linha de pesquisa foi o desenvolvimento de sistema de transporte de fármacos, utilizando a doxorrubicina, um fármaco tóxico usado para vários tipos de câncer. “A gente sabe que os fármacos de câncer não são seletivos. Eles atacam tanto a célula tumoral quanto a sadia”, disse Célia Ronconi.

A ideia do grupo foi desenvolver um mecanismo em que o fármaco só fosse liberado na presença da célula tumoral, “para ver se o protótipo ia funcionar”. Foi desenvolvida então uma espécie de reservatório em escala nanométrica, no qual foi colocado o fármaco (doxorrubicina). “Aí, a gente tampa esse reservatório como se fosse uma válvula mesmo”, explicou Célia. Os pesquisadores usaram um composto grande para cobrir totalmente a superfície do reservatório.

PH ácido

Célia Ronconi informou que o fármaco não vaza. Ele fica preso dentro do reservatório. Quando ele encontra um PH mais ácido – como o das células de câncer, que varia entre 4.5 e 5.5, a tampa do nanorreservatório é liberada. “Na superfície desse material, nós colocamos grupos que reagissem a esse PH mais ácido, de maneira que a tampa se soltasse”. Em uma linguagem mais simples, isso quer dizer que a tampa só abre quando o meio está ácido, ou seja, quando ele chega à célula tumoral.

Os ensaios in vitro, em que os pesquisadores cresceram as células isoladas de câncer, resultaram em estudos de viabilidade celular, para ver o quanto esse dispositivo, carregado com o fármaco, seria tóxico para essas células. “Deu um resultado bem surpreendente. A gente conseguiu redução de 92% na viabilidade celular. Ou seja, ele matou 92% das células de câncer de mama”. Célia Ronconi chamou a atenção para o fato de que o fármaco usado puro, na mesma concentração, matou só 70% dessas células. “O nosso sistema foi mais tóxico, carregado com o fármaco”. Puro, o fármaco apresentou baixa toxicidade. Os pesquisadores pretendem investigar porque o efeito é maior do fármaco no nanorreservatório do que o fármaco puro.

Ensaios in vivo

A próxima etapa da pesquisa deverá ser iniciada em 2020 e envolve não só ensaios com células sadias, mas também in vivo, isto é, com animais, usando camundongos imunodeficientes. Há ideia também de fazer ensaios com outros tipos de câncer. Célia afirmou que o resultado obtido até agora é muito promissor e anima os pesquisadores a seguir adiante com os estudos. Somente após a realização de todos os estudos, se poderá afirmar que o nanorreservatório poderá ser utilizado no tratamento de pacientes com câncer. “Ainda falta muita coisa para ser feita. Tem um protocolo a ser seguido”, lembrou. “Mas os resultados foram muito promissores”.

Na avaliação da coordenadora da pesquisa, a importância maior do nanorreservatório anticâncer é diminuir os efeitos que a droga causa, porque a droga não é seletiva. Ela vai tanto para as células sadias, quanto para as células de câncer. “A nossa ideia é fazer com que o reservatório só vá liberar o fármaco quando encontrar a célula de câncer. Eu projetei o reservatório só para abrir com PH ácido, que é o PH da célula de câncer”.

Tumores localizados

A pesquisa trabalha com a perspectiva de o nanorreservatório poder ser injetado no corpo humano para atuar em tumores mais localizados, onde liberaria seu conteúdo, que é o fármaco. Célia admitiu que isso pode ocorrer, “em princípio”. Mas insistiu que essa possibilidade ainda não foi estudada a fundo. “Haveria essa possibilidade. Mas não estudei isso ainda”.

A pesquisa levou aproximadamente dois anos e foi parte do trabalho de doutorado de Evelyn Santos, aluna da UFF. Um artigo sobre os resultados dos ensaios in vitro foi publicado pelo grupo pesquisadores na última semana, na revista britânica Journal of Materials Chemistry B, da Royal Society of Chemistry, sociedade fundada em 1848. O grupo reúne pesquisadores da UFF, do Inca e do Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas (CBPF). O estudo recebeu investimentos da Fundação Carlos Chagas Filho de Amparo à Pesquisa do Rio de Janeiro (Faperj). (Por Alana Gandra)

 

Seja sempre o primeiro a saber. Baixe os nossos aplicativos gratuito.

Siga-nos em nossas redes sociais FacebookTwitter e Instagram.Você também pode ajudar a fazer o nosso Blog, nos enviando sugestão de pauta, fotos e vídeos para nossa a redação do Blog do Silva Lima por e-mail blogdosilvalima@gmail.com ou WhatsApp (87) 9 9937-6606 ou 9 9101-6973.

Saúde

Homem aguarda mais de 35h em hospital público do DF para retirar faca das costas

Publicado

em

Paciente deu entrada em Taguatinga na madrugada de domingo (16). Por falta de médico, na tarde desta terça (17) ele foi transferido para Hospital do Paranoá.

Um homem de 28 anos ficou mais de 35 horas no Hospital Regional de Taguatinga, no Distrito Federal, para retirar uma faca cravada nas costas. Segundo a família, ele chegou à unidade de saúde na madrugada de domingo (16), mas não havia médico para realizar a cirurgia.

Durante a tarde de segunda (17), o paciente foi transferido para o Hospital da Região Leste (HRL), antigo Hospital do Paranoá, onde deverá ser operado. Embora o HRT seja um dos maiores do DF, não havia neurocirurgião na unidade de saúde

Lâmina de 4 cm nas costas e hospital sem neurocirurgião

A espera de mais de 35 horas por atendimento na rede pública ocorreu após o homem ser vítima de um esfaqueamento, durante uma briga em um bar, no Recanto das Emas. Os familiares preferiram não se identificar por medo de ameaças.

Um vídeo gravado por uma acompanhante mostra que o homem aguardava o atendimento apenas com um curativo. A mulher contou que foi informada de que a faca está muito perto da coluna e, por isso, ela só pode ser retirada por um neurocirurgião – especialidade que não consta entre os profissionais do HRT.

“Ele está de bruços desde a hora que chegou no hospital. Ele não pode se mexer, ele não pode se alimentar direito.”

Segundo a família, o cabo da faca quebrou, mas o exame de imagem mostra a lâmina de 4 centímetros dentro do corpo do rapaz. “Deram todo medicamento pra que ele não sentisse dor e passaram a antitetânica. Mas, por enquanto, ele só tá no medicamento”, disse a acompanhante. 

O que diz a Secretaria de Saúde

À reportagem, a Secretaria de Saúde informou que o DF conta com 28 neurocirurgiões e que o “Hospital da Região Leste é referência” nesta especialidade. Questionados sobre por que o HRT não possui um especialista em neurocirurgia, a Secretaria de Saúde não respondeu.

A pasta informou apenas que “as equipes dos dois hospitais [HRT e HRL] estão em planejamento cirúrgico”.

Veja a nota na íntegra:

As equipes dos dois hospitais estão em planejamento cirúrgico, pois é preciso haver uma logística para remoção e utilização de centro cirúrgico. Tanto no HRT quanto o HRL trabalham com grande demanda de traumas que chegam a todo momento.

Os hospitais trabalham em rede, um dando apoio ao outro e, quando um paciente necessita de procedimento específico não oferecido em uma unidade, ele é removido para outra em que o atendimento é ofertado. (Por Luísa Doyle, TV Globo)

 

Seja sempre o primeiro a saber. Baixe os nossos aplicativos gratuito.

Siga-nos em nossas redes sociais FacebookTwitter e Instagram.Você também pode ajudar a fazer o nosso Blog, nos enviando sugestão de pauta, fotos e vídeos para nossa a redação do Blog do Silva Lima por e-mail blogdosilvalima@gmail.com ou WhatsApp (87) 9 9937-6606 ou 9 9101-6973.001

Continue lendo

Saúde

Belmonte; Secretaria Municipal de Saúde realiza Campanha de Vacinação de Tríplice Viral

Publicado

em

A Prefeitura de São José do Belmonte, por meio da Secretaria Municipal de Saúde (Sesau) iniciou nesta ultima segunda-feira, 10 de fevereiro, até o dia 13 de março, a campanha de vacinação para atualização e Tríplice Viral.

Pessoas na faixa etária de 05 a 19 anos que ainda não tomaram a segunda dose estão convocadas para comparecerem a um posto de vacinação do município para saber quais vacinas devem ser tomadas ou reforçadas. A vacina é uma maneira de prevenir doenças, o que resulta na melhoria da saúde de toda a população. É importante levar a carteira de vacinação.

A campanha acontece nas seguintes Unidades Básicas de Saúde (UBS’s):

Centro de Vacinação
UBS Centro
UBS Cohab
UBS Cacimba Nova
UBS Vila Fortuna
UBS Vila Delmiro

A coordenadora do setor de epidemiologia, enfermeira, Tatiane Fonseca, destaca que o Dia “D” de vacinação acontecerá no dia 15 de fevereiro, sábado. “A preocupação da Administração Municipal é de imunizar todos os belmontenses, crianças, adolescentes e adultos, todos precisam estar com a carteira de vacinação atualizada”, argumentou.

 

 

Seja sempre o primeiro a saber. Baixe os nossos aplicativos gratuito.

Siga-nos em nossas redes sociais FacebookTwitter e Instagram.Você também pode ajudar a fazer o nosso Blog, nos enviando sugestão de pauta, fotos e vídeos para nossa a redação do Blog do Silva Lima por e-mail blogdosilvalima@gmail.com ou WhatsApp (87) 9 9937-6606 ou 9 9101-6973.001

Continue lendo

Saúde

Rotina de festas no carnaval exige cuidados com a saúde

Publicado

em

Veja algumas dicas para curtir os dias de folia da melhor forma

Para curtir todos os dias de folia no carnaval, é preciso estar atendo à saúde. O clima é propício para quadros de desidratação, alergias na pele e transmissão de infecções. Mas, com medidas preventivas, a festa segue com muita diversão e sem problemas.

Um dos primeiros alertas é para o consumo abusivo de bebidas alcoólicas e a mistura com energéticos. A nutricionista Luciana Sarmento, do Espaço Stella Torreão, diz que essa combinação aliada ao calor excessivo pode levar à desidratação e outros perigos como intoxicação alcoólica, vômitos e até desmaios. Além de se manter hidratado com água, isotônicos ou água de coco, ela indica uma alimentação adequada e leve.

A doença do beijo é bem comum no carnaval, embora o beijo não seja a única via de contrair o vírus da mononucleose. A contaminação também pode ocorrer por meio de espirro, tosse e saliva em copos e outros utensílios. A melhor prevenção é evitar o contato íntimo com muitas pessoas, já que nunca é possível saber quem está infectado.

E é só falar em carnaval que já pensamos no glitter e no sol que vai iluminar e aquecer a passagem do trio elétrico. “Os cuidados com o sol devem ser redobrados durante as atividades ao ar livre e não esqueça de usar roupas e sapatos confortáveis”, alerta Alessandra Romiti, da Sociedade Brasileira de Dermatologia. A dica é moderar na maquiagem, em espumas e sprays para evitar alergias. Além disso, inclua chapéu ou boné de aba larga, óculos de sol com proteção UV e filtro solar.  (POR ESTADAO CONTEUDO)

 

Seja sempre o primeiro a saber. Baixe os nossos aplicativos gratuito.

Siga-nos em nossas redes sociais FacebookTwitter e Instagram.Você também pode ajudar a fazer o nosso Blog, nos enviando sugestão de pauta, fotos e vídeos para nossa a redação do Blog do Silva Lima por e-mail blogdosilvalima@gmail.com ou WhatsApp (87) 9 9937-6606 ou 9 9101-6973.001

Continue lendo
Propaganda  

Trending