Conecte-se Conosco

Saúde

Faxina na quarentena? 10 dicas para manter seu colchão bem limpo

Publicado

em

Dicas para retirar manchas, evitar ácaros e muito mais!

Que tal aproveitar a quarentena para fazer uma faxina geral em casa? Sim, não é das tarefas mais divertidas mas é sempre necessária. Hoje daremos dez dicas caseiras para livrar o seu colchão das sujeiras mais comuns:

Ácaros – Faça uma limpeza semanal com bicarbonato de sódio, que deve ser polvilhado por toda a superfície do colchão. Aguarde 30 minutos e passe o aspirador de pó. Nunca coloque o colchão sob o sol.

Mofo – Deixe o colchão tomar um ar para que a umidade seque. Se as manchas forem recentes, passe um pano umedecido em detergente com água e borrife vinagre branco. Deixe secar. Se o bolor for mais antigo, use 1 colher de sopa de bicarbonato diluída em 30 ml de água oxigenada. Aplique com uma escova dental e esfregue até formar espuma. Tire o excesso com pano úmido.

Urina – Aplique bicarbonato de sódio sobre as manchas e deixe agir por 30 minutos. Depois, com uma esponja, esfregue levemente uma solução de partes iguais de sabão em pó e água morna. Passe um pano úmido para limpar essa mistura e deixe o colchão secar diante do ventilador.

Sangue – O detergente quebra as moléculas de manchas biológicas, mas, para removê-las, nunca deve ser aplicado diretamente sobre elas, mas em um pano úmido. Depois de passar sobre o local sujo, deixe agir por 15 minutos e passe um pano seco. Se não funcionar, aplique com uma escovinha ou um pano um pouco de água oxigenada de 10 volumes e depois limpe.

Vinho – Misture meio copo de água morna e meio copo de vinagre de álcool ou de limão e aplique com uma toalha branca sobre o colchão. Se a mancha estiver muito concentrada, evite esfregá-la para não aumentar o estrago.

Cigarro – Passe sobre o colchão um pano embebido em vinagre de maçã branco. Ou espalhe bicarbonato e deixe agir por cerca de oito horas, antes de remover com aspirador.

Suor – Misture meio copo de água morna mais meio copo de vinagre de álcool e 3 colheres de sopa de bicarbonato. Depois, aplique essa solução em uma flanela e esfregue a área afetada. Caso o colchão fique cheirando a vinagre, pingue cerca de 20 gotas de óleo essencial de lavanda em outro pano e passe sobre o local já limpo.

Ferrugem – Cubra a área manchada com uma pastinha feita com suco de meio limão e um punhado de bicarbonato. Deixe agir por cerca de 30 minutos e depois limpe com um pano úmido em água. 

Cheiro de cachorro molhado – Borrife uma mistura de meio copo de vinagre branco e meio de álcool. Esfregue e deixe secar naturalmente.

Tinta – Com uma folha de papel-toalha pressione a mancha para absorvê-la. Nunca esfregue! Depois, umedeça um pano com álcool e aperte. Se não sair, passe outro pano umedecido em 1 colher de sopa de detergente, 2 colheres de chá de vinagre e 1 xícara de água. Deixe agir por cerca de 10 minutos e repita o processo, caso seja necessário. Depois é só limpar com pano umedecido em água fria.

Por Notícias ao Minuto Brasil

Seja sempre o primeiro a saber. Baixe os nossos aplicativos gratuito.

Siga-nos em nossas redes sociais FacebookTwitter e InstagramVocê também pode ajudar a fazer o nosso Blog, nos enviando sugestão de pauta, fotos e vídeos para nossa a redação do Blog do Silva Lima por e-mail blogdosilvalima@gmail.com ou WhatsApp (87) 9 9937-6606 ou 9 9101-6973.

 

Saúde

Neurônios cansados podem provocar distorção na percepção do tempo

Publicado

em

Para investigar a relação entre esses neurônios e a percepção do tempo, os cientistas mostraram a 20 pessoas, com idade média de 21 anos, uma mesma imagem (um círculo cinza) por períodos muito curtos de tempo, menores do que um segundo, 30 vezes seguidas

 Quando recebemos um estímulo visual ou sonoro com a mesma duração seguidas vezes, neurônios de uma determinada parte do nosso cérebro começam a ficar exaustos, diminuem a atividade, e podemos perceber o tempo passar de maneira levemente distorcida -para mais ou para menos.

Um estudo publicado no último dia 14 mostrou que o cansaço de um grupo de neurônios especialmente sensíveis à noção de tempo, que ficam no giro supramarginal -parte do cérebro responsável por processamentos sensoriais- pode ser a causa de percerbermos o tempo passar de maneira diferente quando ouvimos a mesma música ou vemos um mesmo filme várias vezes.Os resultados foram divulgados na revista científica Journal of Neuroscience.

Para investigar a relação entre esses neurônios e a percepção do tempo, os cientistas mostraram a 20 pessoas, com idade média de 21 anos, uma mesma imagem (um círculo cinza) por períodos muito curtos de tempo, menores do que um segundo, 30 vezes seguidas.

Uma parte do grupo recebeu a versão curta do estímulo, de 0,25 segundos, e outra parte a versão longa, de 0,75 segundos.Após as repetições, os cientistas iniciaram os testes para avaliar se a percepção do tempo dessas pessoas havia se alterado.

Os pesquisadores mostraram aos participantes o mesmo círculo por durações de tempo um pouco maiores: de 0,35; 0,45; 0,55 e 0,65 segundos cada uma. Ao mesmo tempo, um toque sonoro com duração de 0,50 segundos era executado.Foi solicitado aos participantes que indicassem se o barulho tinha durado mais ou menos do que a exibição das imagens.

Para os que receberam as repetições curtas na primeira fase do estudo, o ruído que durava 0,5 segundos pareceu ser mais rápido do que a exibição da imagem na tela que durou 0,35 segundos.Para as pessoas que receberam a repetição mais longa, de 0,75 segundos, o efeito foi o contrário, de que o ruído era mais demorado do que as imagens que ficavam mais tempo na tela, como a de 0,65 segundos.

“É melhor não confiar na sua percepção de tempo após ter sido exposto a repetidos flashes de imagens ou barulhos”, afirma um dos autores do artigo, Masamichi Hayashi, neurocientista na Universidade de Osaka e no Centro Nacional de Tecnologia da Informação e das Comunicações do Japão, e também na Universidade da Califórnia em Berkeley, nos Estados Unidos.

Durante os testes, os participantes tiveram os cérebros escaneados por um aparelho de ressonância magnética funcional, capaz de detectar a atividade no órgão. Os cientistas perceberam que, nessa fase, os neurônios sensíveis ao tempo tinham uma atividade menor, como se estivessem cansados após as repetições sensoriais às quais foram submetidos.

Para os autores do estudo, a redução de atividade nesses neurônios, devida à exaustão pela repetição de um estímulo, poderia explicar por que, em algumas ocasiões, uma pessoa sente o tempo passar de um jeito um pouco diferente do tempo chamado físico, objetivo ou real.

Embora os resultados possam jogar luz sobre aspectos ainda misteriosos da relação entre os seres humanos e o tempo, Hayashi lembra que a pesquisa que conduziu tem a limitação de ter investigado essas alterações na percepção para períodos de tempo muito curtos.”

Pesquisas futuras terão de estudar se nossos resultados podem ser aplicados à percepção de intervalos de tempo mais longos”, conclui o cientista.

Por Folhapress

Seja sempre o primeiro a saber. Baixe os nossos aplicativos gratuito.

Siga-nos em nossas redes sociais FacebookTwitter e Instagram.Você também pode ajudar a fazer o nosso Blog, nos enviando sugestão de pauta, fotos e vídeos para nossa a redação do Blog do Silva Lima por e-mail blogdosilvalima@gmail.com ou WhatsApp (87) 9 9937-6606 ou 9 9101-6973.

Continue lendo

Saúde

Pernambuco ultrapassa 140 mil casos da Covid-19 e chega a 7.971 mortes

Publicado

em

Foram confirmados, nesta sexta-feira (18), 910 casos da Covid-19 e 17 óbitos de pessoas com o novo coronavírus em Pernambuco (veja vídeo acima). Com isso, o estado chegou a 140.235 infectados e 7.971 mortes pela doença, números contabilizados desde o início da pandemia, em março.

De acordo com a Secretaria Estadual de Saúde (SES), 26 dos 910 casos registrados nesta sexta-feira (18) são de Síndrome Respiratória Aguda Grave (Srag). Já outros 884 são leves, ou seja, não foi preciso internamento hospitalar. Do total de 40.235 casos da Covid-19 em Pernambuco, 25.990 são graves e 114.245 são leves.

Das 17 mortes confirmadas pela SES nesta sexta-feira (18), sete ocorreram nos últimos três dias, sendo duas na quinta-feira (17), três na quarta-feira (16) e duas na terça-feira (15). Outros 10 óbitos aconteceram entre os dias 9 de maio e 13 de setembro.

Além disso, o boletim desta sexta registrou de 121.708 pacientes recuperados da doença. Destes, 15.883 eram pacientes graves, que necessitaram de internamento hospitalar, e 105.825 eram casos leves. Fonte: G1PE

 

Seja sempre o primeiro a saber. Baixe os nossos aplicativos gratuito.

Siga-nos em nossas redes sociais FacebookTwitter e Instagram.Você também pode ajudar a fazer o nosso Blog, nos enviando sugestão de pauta, fotos e vídeos para nossa a redação do Blog do Silva Lima por e-mail blogdosilvalima@gmail.com ou WhatsApp (87) 9 9937-6606 ou 9 9101-6973.

Continue lendo

Saúde

Usar óculos reduz risco de infeção por coronavírus, afirma estudo

Publicado

em

Especialistas na China sugerem que o acessório pode funcionar como uma barreira protetora contra o novo coronavírus SARS-CoV-2, causador da doença da Covid-19

Cientistas do hospital da Universidade de Nanchang apontam que os olhos constituem uma das principais formas do vírus entrar no corpo humano. 

Os investigadores argumentam que os óculos podem assim agir como uma barreira, impedindo que a Covid-19 se associe aos receptores ACE-2 – as proteínas que servem de ‘porta de entrada’ para o novo coronavírus.

O novo estudo, publicado no JAMA Ophthalmology, analisou 276 pacientes admitidos naquela unidade hospitalar doentes com Covid-19 entre 27 de janeiro e 13 de março. 

No decorrer da análise, os especialistas apuraram que 30 indivíduos (10.9%) usavam óculos, incluindo 16 casos de pessoas que viam mal de perto e 14 que observavam mal à distância. 

Desses pacientes, 16 (5.8%) afirmaram usar os óculos por períodos de tempo prolongado – o que foi definido como utilizar o acessório durante mais de oito horas por dia. 

Os cientistas compararam estes valores com um estudo de há 35 anos, com estudantes entre os sete e os 22 anos na provínicia de Hubei, que determinou que 31.5% das pessoas que viam mal de perto usavam óculos. 

Ou seja, esses participantes teriam atualmente entre 42 e 57 anos – valores próximos à idade mediana de 31 para os doentes com Covid-19. 

O que por sua vez, sugere que a maioria da população está 5.4 vezes mais predisposta a usar óculos diariamente, comparativamente aos que foram diagnosticados com o novo coronavírus. 

Os autores, liderados pelo investigador Weibiao Zeng, escreveram: “o nosso principal achado indica que não existem muitos pacientes com Covid-19 que utilizem óculos por um período extenso todos os dias, o que pode levar a evidências preliminares que quem utiliza óculos diariamente está menos suscetível à Covid-19”. 

Tendo como base os dados apurados, os investigadores sugerem que os óculos podem “prevenir ou desencorajar os indivíduos de tocar nos olhos, daí evitando que ocorra a transferência do vírus das mãos para a vista, fazendo com que quem use óculos frequentemente raramente fique infetado com o SARS-CoV-2”. 

Por Notícias ao MInuto

Seja sempre o primeiro a saber. Baixe os nossos aplicativos gratuito.

Siga-nos em nossas redes sociais FacebookTwitter e Instagram.Você também pode ajudar a fazer o nosso Blog, nos enviando sugestão de pauta, fotos e vídeos para nossa a redação do Blog do Silva Lima por e-mail blogdosilvalima@gmail.com ou WhatsApp (87) 9 9937-6606 ou 9 9101-6973.

Continue lendo
Propaganda  

Trending