Conecte-se Conosco

Mundo

Manifestantes contra reforma da Previdência invadem loja da Louis Vuitton em Paris

Os atos acontecem na véspera do parecer do Conselho Constitucional sobre a proposta de reforma da Previdência.

Publicado

em

Manifestantes grevistas contra a controversa reforma da Previdência promovida pelo governo de Emmanuel Macron invadiram nesta quinta-feira (13) a sede do império de luxo LVMH, em Paris, com sinalizadores de fumaça e alto-falantes, durante a 12ª jornada de protestos na França.

Os atos acontecem na véspera do parecer do Conselho Constitucional sobre a proposta e tiveram uma evidente redução no número de participantes: 380 mil, segundo o Ministério do Interior, contra 570 mil na semana passada e mais de 1 milhão no dia 19 de março. De acordo com a junta intersindical que articula as greves e os protestos, os atos desta quinta reuniram mais de 1,5 milhão de pessoas pelo país.

A LVMH é uma holding detentora de marcas como Louis Vuitton, Tiffany, Moët & Chandon. Executivo-chefe do gigante de luxo, o francês Bernard Arnault, com fortuna de US$ 211 bilhões, recentemente desbancou Elon Musk, dono da Tesla e do Twitter, como a pessoa mais rica do mundo, segundo a revista Forbes.

A invasão à sede da holding, onde fica uma loja da Louis Vuitton, foi protagonizada por trabalhadores dos sindicatos ferroviários, da saúde e da educação, entre jovens estudantes e black blocs, que entoaram palavras de ordem contra o capitalismo. Eles deixaram o local cerca de dez minutos depois.

“Viemos aqui para, simbolicamente e pacificamente, dar ao governo a ideia de tirar recursos dos bolsos dos bilionários”, disse Fabien Villedieu, um ativista da SUD-Rail, sindicato dos trabalhadores ferroviários.

Ao final dos atos desta quinta na capital francesa, a sede do Banco da França (BNF) foi atacada por manifestantes radicais, que atiraram fogos de artifício contra o prédio na Praça das Bastilha e picharam suas paredes com frases como “tudo foi pago, Macron” e “taxar os ricos”. Em Bordeaux, manifestantes também tentaram incendiar a sede local do Banco da França, mas foram impedidos por policiais.

No total, 36 pessoas foram presas e 156 ficaram feridas em Paris. Dez agentes de segurança também apresentaram ferimentos. Em Lyon, confrontos entre manifestantes e policiais deixaram feridos, entre os quais um jornalista do site de notícias Actu. Os atos em Rennes, por sua vez, foram marcados por incêndios a carros nas ruas, enquanto em Nantes os confrontos entre manifestantes e agentes duraram quase duas horas. Atos numerosos ocorreram também em Marseilles, Toulouse e Bordeaux.

O ministro do Interior, Gérald Darmanin, proibiu atos no entorno da sede do Conselho Constitucional, onde os chamados “sábios” analisam há semanas o texto da reforma e seu percurso até a aprovação.

A reforma da Previdência francesa foi imposta aos franceses a partir da decisão anunciada pela primeira-ministra Elisabeth Borne de recorrer a um dispositivo constitucional considerado pouco democrático. O artigo 49.3 da Constituição Francesa permite a aprovação de projetos de lei apresentados pelo governo mesmo sem a votação do texto pela Assembleia Nacional.

Nesta sexta (14), o Conselho Constitucional vai emitir seu parecer sobre a reforma. Ele pode aprovar o texto na sua integralidade, aprová-lo com ressalvas ou rejeitá-lo totalmente. A aprovação da reforma pelo conselho seria uma vitória da dupla Macron-Borne que pode reacender os movimentos de rua, prolongando ainda mais a crise política e social no país. Neste caso, o texto é promulgado imediatamente.

A rejeição total da reforma, por outro lado, seria uma vitória do movimento sindical que deixaria a primeira-ministra francesa na berlinda. Laurent Berger, secretário-geral da Confederação Francesa Democrática do Trabalho (CFDT) disse no ato parisiense que a luta sindical contra a reforma previdenciária estava “longe do fim”. Ele projeta grandes manifestações populares em 1º de maio.

A secretária-geral da Confederação Geral do Trabalho, Sophie Binet, afirmou que, “ao contrário do que o governo espera, o movimento não acabou” e que Macron “não pode governar até que retire esta reforma”.

Foto Getty Images

Por Folhapress

Seja sempre o primeiro a saber. Baixe os nossos aplicativos gratuito.

Siga-nos em nossas redes sociais FacebookTwitter e InstagramVocê também pode ajudar a fazer o nosso Blog, nos enviando sugestão de pauta, fotos e vídeos para nossa a redação do Blog do Silva Lima por e-mail blogdosilvalima@gmail.com ou WhatsApp (87) 9 9937-6606 ou 9 9101-6973.

Mundo

Hamas dispara foguetes contra Tel Aviv a partir da faixa de Gaza

Publicado

em

As sirenes de alerta foram ouvidas no centro de Israel pela primeira vez em meses. Pouco depois, as brigadas Ezedin al Qasam, o braço armado do Hamas, anunciaram no Telegram que atacaram Tel Aviv “com uma importante série de foguetes em resposta aos massacres sionistas contra civis”.

O Exército israelense afirmou que ao menos oito foguetes foram disparados a partir de Rafah, no sul da Faixa de Gaza, onde suas forças lutam contra combatentes islamistas palestinos. “Alguns foguetes foram interceptados”, informou uma nota militar.

A Defesa Civil de Gaza afirmou que encontrou seis corpos depois de um ataque aéreo contra uma casa no leste de Rafah, onde Israel prossegue com as operações militares, apesar de uma ordem, emitida na sexta-feira, da Corte Internacional de Justiça (CIJ) para que o país interrompa as ações neste setor.

Foto SAID KHATIB / AFP

Por JC

           

Seja sempre o primeiro a saber. Baixe os nossos aplicativos gratuito.

Siga-nos em nossas redes sociais FacebookTwitter e InstagramVocê também pode ajudar a fazer o nosso Blog, nos enviando sugestão de pauta, fotos e vídeos para nossa a redação do Blog do Silva Lima por e-mail blogdosilvalima@gmail.com ou WhatsApp (87) 9 9937-6606 ou 9 9155-5555.

Continue lendo

Mundo

Família tem infecção parasitária nos EUA após comer carne de urso

De acordo com um relatório divulgado recentemente e citado pelo The Guardian, em julho de 2022, um paciente de 29 anos foi hospitalizado com suspeita de triquinelose, e o caso foi comunicado ao departamento de saúde de Minnesota.

Publicado

em

Seis pessoas foram diagnosticadas com triquinelose, uma doença parasitária zoonótica, após consumirem espetinhos de carne de urso preto em Dakota do Sul, nos Estados Unidos, conforme relatado pelo Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC).

De acordo com um relatório divulgado recentemente e citado pelo The Guardian, em julho de 2022, um paciente de 29 anos foi hospitalizado com suspeita de triquinelose, e o caso foi comunicado ao departamento de saúde de Minnesota.

Os sintomas apresentados incluíam febre, intensas dores musculares, inchaço nos olhos, eosinofilia e elevação dos níveis de eosinófilos, um tipo de glóbulo branco.

Segundo o relatório, uma semana antes dos sintomas surgirem, o paciente e outras oito pessoas compartilharam uma refeição que incluía carne de urso preto, que havia sido congelada por 45 dias antes de ser grelhada e servida mal passada, juntamente com legumes cozidos com a carne.

Uma investigação sobre o incidente revelou seis casos de triquinelose, incluindo dois em pessoas que consumiram apenas os legumes. A triquinelose é uma infecção parasitária causada pelas larvas da triquina, um tipo de verme. Normalmente, a carne contaminada com as larvas da triquina é proveniente de animais carnívoros como o urso, o javali ou a morsa.

Testes moleculares revelaram que as larvas presentes na carne de urso foram congeladas em um freezer doméstico por mais de 15 semanas e eram triquinas nativas, uma espécie resistente ao congelamento. O CDC alertou que cozinhar adequadamente é a única maneira confiável de matar os parasitas da triquina e que a carne infectada pode ser contaminada por meio da contaminação cruzada.

Além disso, o CDC observou que seis dias antes do início dos sintomas no primeiro paciente, ele e oito membros da família de Arizona, Minnesota e Dakota do Sul se reuniram em Dakota do Sul por vários dias. Durante o encontro, eles consumiram carne de urso preto abatido por um dos membros da família no norte de Saskatchewan, Canadá, em maio de 2022.

Conforme o relatório, a carne foi inicialmente servida mal passada por engano, supostamente porque era escura e difícil para os membros da família verificar visualmente o nível de cozimento. Depois que alguns membros da família começaram a comer e perceberam que a carne estava mal cozida, ela foi recozida antes de ser servida novamente.

Três das seis pessoas com sintomas, duas das quais procuraram atendimento médico pelo menos duas vezes antes de receberem tratamento, foram hospitalizadas. Esses três pacientes receberam tratamento direcionado para triquinelose com albendazol, um medicamento para o tratamento de várias infecções por vermes parasitas.

Todas as seis pessoas com sintomas se recuperaram, e o CDC informou que os pacientes não hospitalizados não receberam tratamento direcionado para triquinelose, pois seus sintomas foram resolvidos apenas com cuidados de suporte.

Nos Estados Unidos, a triquinelose é raramente relatada, sendo que a maioria dos casos está relacionada ao consumo de carne de caça selvagem. De janeiro de 2016 a dezembro de 2022, sete surtos de triquinelose foram relatados nos EUA ao CDC, incluindo 35 casos prováveis e confirmados. A carne de urso foi a fonte suspeita ou confirmada de infecção na maioria desses surtos, conforme afirmado pelo CDC.

Foto

Por Notícias ao Minuto

           

Seja sempre o primeiro a saber. Baixe os nossos aplicativos gratuito.

Siga-nos em nossas redes sociais FacebookTwitter e InstagramVocê também pode ajudar a fazer o nosso Blog, nos enviando sugestão de pauta, fotos e vídeos para nossa a redação do Blog do Silva Lima por e-mail blogdosilvalima@gmail.com ou WhatsApp (87) 9 9937-6606 ou 9 9155-5555.

Continue lendo

Mundo

Ataque de Israel a acampamento de Rafah gera condenação internacional Pelo menos 35 pessoas morreram no bombardeio

Publicado

em

Um ataque aéreo de Israel matou pelo menos 35 pessoas em um acampamento na cidade de Rafah, em Gaza, de acordo com médicos. Líderes europeus condenaram a ação nesta segunda-feira (27) e pediram que decisão da Corte Mundial seja implementada para interromper a ofensiva israelense.

Em cenas familiares de uma guerra que está em seu oitavo mês, famílias palestinas correram para os hospitais a fim de organizar os enterros de conhecidos mortos, depois que o ataque no domingo incendiou tendas e abrigos precários.

Mulheres choravam e homens faziam orações ao lado dos corpos envoltos em mortalhas.

“O mundo inteiro está testemunhando Rafah sendo queimada por Israel e ninguém está fazendo nada para impedir isso”, disse Bassam, um morador da cidade, em mensagem na internet, sobre o ataque a uma área do oeste que havia sido designada como zona segura.

Apesar de um clamor global pelo número de civis mortos, os tanques israelenses continuaram bombardeando as áreas leste e central da cidade, matando oito pessoas, segundo autoridades de saúde locais.

As Forças Armadas de Israel disseram que o ataque aéreo de domingo, baseado em “inteligência precisa”, eliminou o chefe de gabinete do grupo militante Hamas para o segundo e maior território palestino, a Cisjordânia, além de outro oficial responsável por ataques a israelenses.

Ontem, o governo havia dito que oito foguetes foram interceptados após serem disparados de Rafah. Um ministro afirmou que isso mostrava a necessidade de continuar as operações contra o Hamas.

O ataque ocorreu no bairro de Tel Al-Sultan, onde milhares de pessoas estavam abrigadas depois que as forças Israelenses iniciaram ofensiva terrestre no leste de Rafah há mais de duas semanas.

Muitos dos mortos eram mulheres e crianças, disseram as autoridades de saúde, acrescentando que o número de óbitos provavelmente aumentará, pois alguns ficaram em estado crítico com queimaduras graves.

Israel manteve os ataques a Rafah, apesar de uma decisão do principal tribunal da Organização das Nações Unidas (ONU) na sexta-feira, ordenando que parassem, argumentando que a decisão da corte lhe concede alguma margem para ação militar no local.

A ministra das Relações Exteriores da Alemanha, Annalena Baerbock, e o chefe de política externa da União Europeia, Josep Borrell, disseram que a decisão deve ser respeitada. “A lei humanitária internacional se aplica a todos, inclusive à condução da guerra por parte de Israel”, afirmou Baerbock.

Para a agência da ONU para refugiados palestinos, a situação é horrível. “Gaza é o inferno na terra. As imagens da noite passada são mais uma prova disso”, escreveu a UNRWA na rede social  X.

Cerca de 36 mil palestinos foram mortos até o momento na ofensiva israelense, segundo autoridades de saúde. Israel lançou a operação depois que militantes liderados pelo Hamas atacaram comunidades do sul do país em 7 de outubro, matando cerca de 1.200 pessoas e fazendo mais de 250 reféns, de acordo com os registros israelenses.

O Egito condenou o “bombardeio deliberado das tendas dos deslocados” pelos militares israelenses, informou a mídia estatal, descrevendo-o como uma violação flagrante do direito internacional.

A Arábia Saudita também condenou o ataque israelense e o Catar disse que o ataque em Rafah pode prejudicar os esforços para mediar um cessar-fogo e a troca de reféns.

Fonte: Agência Brasil

 

           

Seja sempre o primeiro a saber. Baixe os nossos aplicativos gratuito.

Siga-nos em nossas redes sociais FacebookTwitter e InstagramVocê também pode ajudar a fazer o nosso Blog, nos enviando sugestão de pauta, fotos e vídeos para nossa a redação do Blog do Silva Lima por e-mail blogdosilvalima@gmail.com ou WhatsApp (87) 9 9937-6606 ou 9 9155-5555.

Continue lendo
Propaganda

Trending

Fale conosco!!