Conecte-se Conosco

Mundo

Primeiro-ministro de Israel planeja comparecer à posse de Bolsonaro

Publicado

em

Se comparecer, Netanyahu será o primeiro premiê israelense a visitar o Brasil desde a criação do país, em 1948

primeiro-ministro de Israel, Binyamin Netanyahu, deve comparecer à cerimônia de posse do presidente eleito, Jair Bolsonaro, em 1° de janeiro de 2019. Foi o que o próprio Netanyahu disse a Bolsonaro em conversa telefônica na segunda-feira (29) para parabenizá-lo pela vitória nas eleições.

Se comparecer, Netanyahu será o primeiro premiê israelense a visitar o Brasil desde a criação do país, em 1948.

Há pouco mais de um ano, em setembro de 2017, Netanyahu passou alguns dias na América Latina em um giro que incluiu Argentina, Colômbia e México. Segundo fontes ouvidas pela Folha de S.Paulo, o Brasil não foi incluído na viagem, na ocasião, porque Netanyahu preferiu esperar as eleições presidenciais no país.

Na mesma conversa telefônica com Bolsonaro, Netanyahu convidou o presidente eleito a visitar Israel e recebeu do capitão da reserva a promessa de que iria assim que a saúde melhorar. Durante a campanha eleitoral, Bolsonaro afirmou que sua primeira viagem oficial, se eleito, seria a Israel.

“Tenho certeza de que sua eleição levará a uma grande amizade entre nossos povos e ao estreitamento dos laços entre o Brasil e Israel. Aguardamos sua visita a Israel”, disse Netanyahu, segundo comunicado oficial.

Em sua conta no Facebook, Bolsonaro registrou a conversa com Netanyahu, afirmando que os “laços de amizade se traduzirão em acordos onde nossos povos serão os maiores beneficiados”.

– Acabo de receber os cumprimentos do Primeiro Ministro de Israel Benjamin Netanyahu ao lado do Embaixador Yossi Shelley. Nossos laços de amizade se traduzirão em acordos onde nossos povos serão os maiores beneficiados.
———
– I’ve just received incredible words from the Prime Minister of Israel, Benjamin Netanyahu as well as from ambassador Yossi Shelley. Our friendship ties will undoubtedly result in mutual agreements that will surely benefit both of our nations and citizens.

Segundo o embaixador de Israel no Brasil, Yossi Shelley, a conversa entre Netanyahu e Bolsonaro foi mais do que amigável: “Foi uma conversa excelente, aberta, entre amigos. Eles se encontraram apenas uma vez em Israel, há dois anos e meio, mas era possível sentir que havia um calor que é mais do que uma conversa de cortesia. Foi possível sentir que havia uma química”.

A questão de uma possível transferência da embaixada do Brasil de Tel Aviv para Jerusalém -seguindo o passo do presidente americano, Donald Trump- não foi levantada. Mas há certa expectativa de que a medida seja tomada, no futuro.

“É ainda cedo para falar disso”, disse Yossi Shelley. “Vamos deixar que ele tome posse e forme seu governo.”

O embaixador, que visitou Jair Bolsonaro horas depois da vitória nas urnas, na segunda-feira (29), contou que Netanyahu brincou afirmando que seu filho também se chama Jair (o nome do filho mais velho do premiê israelense é “Yair”).

“Não há dúvida de que haverá uma mudança (no relacionamento entre Brasil e Israel)”, disse Shelley. “Acho que quem escutou o seu discurso de vitória entende que ele vai mudar sua política externa. Israel é importante para o novo presidente porque ele disse isso em todos os momentos possíveis. Há uma simpatia em relação a Israel.”

O deputado federal Jair Bolsonaro foi a Israel em maio de 2016 em uma visita organizada pelo ex-candidato à presidência Pastor Everaldo. Bolsonaro estava acompanhado de dois filhos, Eduardo e Flávio. Ele foi recebido pelo presidente do Knesset (o Parlamento de Israel), Yuli Edelstein. Já naquele momento, Bolsonaro afirmou que, se fosse eleito presidente, sua primeira visita oficial seria a Israel.

“O ciclo do PT está chegando ao final e peço a Deus que eles tenham consciência e que saiam sem prejudicar mais ainda o Brasil”, disse Bolsonaro à Folha de S.Paulo, na ocasião.

Durante o governo Dilma Rousseff, o relacionamento diplomático entre Brasil e Israel foi afetado. Em 2014, durante um conflito entre Israel e o grupo islâmico Hamas, que controla a Faixa de Gaza, o então ministro das Relações Exteriores do Brasil, Luiz Alberto Figueiredo, de chamar de volta ao país para consultas o embaixador em Tel Aviv, Henrique Sardinha Filho. Em reação, o então porta-voz da chancelaria de Israel, Yigal Palmor, qualificou o Brasil de “anão diplomático”.

Dois anos depois, em agosto de 2016, o governo Rousseff não aceitou as credenciais do candidato ao cargo de embaixador de Israel em Brasília, Dani Dayan. A motivação teria sido o fato de que Dayan liderou, de 2007 a 2013, o Conselho Yesha (representante dos 500 mil colonos israelenses na Cisjordânia e em Jerusalém Oriental).

Nos oito anos do governo Lula, o relacionamento não passou por muitas turbulências. Lula chegou a visitar o país, mesmo que tenha se recusado a colocar uma coroa de flores no túmulo do “pai” do sionismo, Theodor Herzl, o que causou em certo mal-estar. Por outro lado, Lula aceitou colocar flores no túmulo de ex-presidente palestino Yasser Arafat, em Ramallah (Cisjordânia), considerado como terrorista por muitos israelenses.

Por Folhapress.

Seja sempre o primeiro a saber. Baixe o nosso aplicativo gratuito.

Siga-nos em nossas redes sociais FacebookTwitter e Instagram. Você também pode ajudar a fazer o nosso Blog, nos enviando sugestão de pauta, fotos e vídeos para nossa a redação do Blog do Silva Lima por e-mail blogdosilvalima@gmail.com ou WhatsApp (87) 9 9937-6606 ou 9 9101-6973.

Mundo

Ataques simultâneos atingem igrejas e hotéis no Sri Lanka

Publicado

em

Os primeiros seis ataques ocorreram por volta das 8h45 (horário local, 2h30 em Brasília)

Uma série de explosões simultâneas em três igrejas e três hotéis de luxo no Sri Lanka provocou a morte de mais de 150 pessoas neste domingo (21). Entre os mortos, há pelo menos 35 estrangeiros, segundo balanços iniciais. Cerca de 500 pessoas ficaram feridas.

Segundo as autoridades do Sri Lanka, os primeiros seis ataques ocorreram por volta das 8h45 (horário local, 2h30 em Brasília). No momento das explosões, os templos católicos estavam celebrando o Domingo da Ressureição, uma das datas mais importantes do calendário cristão.

A capital, Colombo, foi alvo de pelo menos quatro explosões: em três hotéis de luxo e uma igreja. As outras duas igrejas atingidas ficam em Negombo, no oeste do país (região que abriga uma grande população católica); e em Batticaloa, no leste.

Poucas horas depois das seis explosões simultâneas iniciais, foram registrados mais dois atentados. Uma explosão atingiu um pequeno hotel em Dehiwala, um subúrbio de Colombo. Uma oitava explosão foi registrada em Dematagoda, outro subúrbio da capital, e atingiu uma residência.  

Sete pessoas foram presas por suspeita de participação nos ataques. A rede BBC informou que o governo disse que a maioria das explosões foi provocada por terroristas suicidas.

Nenhum grupo reivindicou a autoria das ações até o momento. Em resposta aos ataques, o governo impôs toque de recolher em toda a ilha, com início às 18h (horário local) até as 6h do dia seguinte. O governo determinou ainda um bloqueio temporário às redes sociais para impedir a difusão “de informações incorretas”. 

“O governo decidiu bloquear todas as plataformas de redes sociais para evitar a disseminação de informações incorretas e falsas. Essa é apenas uma medida temporária”, afirmou a Presidência do país em comunicado. 

Segundo as autoridades, pelo menos 45 pessoas morreram em Colombo, 67 em Negombo, 25 em Batticaloa e 2 em Dehiwala.

O presidente do Sri Lanka, Maithripala Sirisena, pediu calma ao país após a série de atentados.

“Por favor, fiquem calmos e não sejam enganados por rumores”, declarou Sirisena em mensagem à nação. O presidente, que se mostrou “em ‘choque’ e triste com o que ocorreu”, esclareceu que “as investigações estão em curso para descobrir que tipo de conspiração está por trás desses atos cruéis”.Com informações da Agência Brasil

Por Notícias ao Minuto

Seja sempre o primeiro a saber. Baixe o nosso aplicativo gratuito.

Siga-nos em nossas redes sociais FacebookTwitter e Instagram.Você também pode ajudar a fazer o nosso Blog, nos enviando sugestão de pauta, fotos e vídeos para nossa a redação do Blog do Silva Lima por e-mail blogdosilvalima@gmail.com ou WhatsApp (87) 9 9937-6606 ou 9 9101-6973.

 

Continue lendo

Mundo

Bolsonaro: “Nossas orações estão com o povo francês”

Publicado

em

O presidente comentou sobre o incêndio de grandes proporções na catedral de Notre-Dame, em Paris

presidente Jair Bolsonaro lamentou o incêndio de grandes proporções na catedral de Notre-Dame, em Paris, que teve início da tarde desta segunda-feira (15). Bolsonaro usou sua conta pessoal no Twitter para expressar seu pesar pelo ocorrido, que classificou como “terrível”.

“Em nome dos brasileiros, manifesto profundo pesar pelo terrível incêndio que assola um dos maiores símbolos da cultura e da espiritualidade cristã e ocidental, a catedral de Notre-Dame, em Paris. Neste momento sombrio, as nossas orações estão com o povo francês”, escreveu.

Imagens do incêndio mostram uma grande coluna de fumaça que erguida em decorrência do fogo. Autoridades francesas tratam o caso oficialmente como um acidente.

Notre-Dame é uma das mais importantes e famosas catedrais de Paris, dedicada a Santa Maria, mãe de Jesus Cristo. Ela foi construída entre 1160 e 1345, em estilo gótico, é considerada Patrimônio Mundial da Humanidade. Ao longo dos anos, a catedral foi palco de cerimônias celtas e romanas, além de ter inspirado o romance conhecido como O Corcunda de Notre-Dame, do escritor francês Victor Hugo, publicado em 1831. Anualmente, ela recebe cerca de 13 milhões de visitantes. Com informações da Agência Brasil

Por Notícias ao Minuto

 

Seja sempre o primeiro a saber. Baixe o nosso aplicativo gratuito.

Siga-nos em nossas redes sociais FacebookTwitter e Instagram.Você também pode ajudar a fazer o nosso Blog, nos enviando sugestão de pauta, fotos e vídeos para nossa a redação do Blog do Silva Lima por e-mail blogdosilvalima@gmail.com ou WhatsApp (87) 9 9937-6606 ou 9 9101-6973.

Continue lendo

Mundo

Brexit: Empresas britânicas estão mais pessimistas desde o referendo

Publicado

em

Oito em cada 10 líderes financeiro esperam que o ambiente de longo prazo das empresas se deteriore

As empresas britânicas estão mais pessimistas desde o referendo do Brexit, em 2016, uma vez que oito em cada 10 empresários esperam que o ambiente de negócios se deteriore a longo prazo, com a saída do Reino Unido da União Europeia (UE). 

Um relatório da  empresa de consultoria Deloitte revela que as preocupações com o impacto de longo prazo do Brexit estão aumentando, sendo que mais da metade dos líderes empresariais esperam conter o recrutamento e as despesas. 

Este estudo ‘mede’ o sentimento dos empresários depois das sucessivas rejeições do acordo da primeira-ministra britânica, Theresa May, de acordo com o jornal ‘Guardian’.

“Eles [os empresários] entraram em março preparados para tempos difíceis e os momentos de incertezas do Brexit não alterou significativamente essa imagem. Quando as expectativas já são baixas, é difícil ficar decepcionado”, disse o economista-chefe da Deloitte, Ian Stewart.

Um estudo em separado da consultora de recrutamento Morgan McKinley Financial Services revelou que a incerteza econômica está dissipar. 

Por Notícias ao Minuto

Seja sempre o primeiro a saber. Baixe o nosso aplicativo gratuito.

Siga-nos em nossas redes sociais FacebookTwitter e Instagram.Você também pode ajudar a fazer o nosso Blog, nos enviando sugestão de pauta, fotos e vídeos para nossa a redação do Blog do Silva Lima por e-mail blogdosilvalima@gmail.com ou WhatsApp (87) 9 9937-6606 ou 9 9101-6973.

Continue lendo
Propaganda  

Trending