Conecte-se Conosco

Saúde

Sobe para 17 número de mortos por H1N1 na capital paulista

Publicado

em

h1n1_5

A secretaria divulgou ainda que já são 201 casos de Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) causada pelo H1N1, contra 12 registros em 2015.

Subiu para 17 o número de mortos por H1N1 neste ano na capital paulista, segundo balanço divulgado pela Secretaria Municipal da Saúde de São Paulo nesta sexta-feira, 8. No levantamento anterior, de duas semanas atrás, eram oito vítimas, o que representa crescimento de 112% no período. Em todo o ano passado, nenhuma morte pelo vírus foi registrada na cidade.

A secretaria divulgou ainda que já são 201 casos de Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) causada pelo H1N1, contra 12 registros em 2015.

Do total de mortos, 14 tinham comorbidade, ou seja, alguma doença crônica que aumenta o risco de complicações no caso de infecção por gripe. Os outros três óbitos ainda estão em investigação.

Apesar do crescimento de casos, o secretário municipal da Saúde, Alexandre Padilha, disse que não há razão para que a população tema o risco de uma nova pandemia, como a de 2009. “Não estamos tendo a reemergência do vírus nem uma mutação. Estamos tendo uma antecipação da circulação dos vírus gripais, mas não existe nenhum indício de que repetiremos o cenário de 2009. Naquela ocasião não tínhamos a vacina adequada nem tínhamos claro a função do oseltamivir (Tamiflu) na redução das complicações”, disse.

Com o surto na cidade, a quantidade de cápsulas do medicamento distribuídas na rede municipal triplicou na última semana, segundo a secretaria, passando de 30 mil na última semana de março para 109 mil na primeira semana de abril.

Padilha afirmou que, para reforçar a estrutura das unidades de saúde durante o período de surto, as Organizações Sociais da Saúde (OSSs), unidades conveniadas que administram serviços municipais, foram autorizadas a contratar médicos de forma emergencial como pessoa jurídica. A secretaria disse ainda que montará bancos de reservas de médicos que possam ser deslocados para unidades com maior demanda.

Segundo o secretário, a estrutura das Unidades Básicas de Saúde (UBSs) também será reforçada na próxima segunda-feira, 11, para o primeiro dia da campanha de vacinação contra a gripe, quando serão imunizados gestantes, idosos e crianças de seis meses a cinco anos.

“Poderemos usar mais de uma sala só para vacinação e desmarcar vacinações agendadas contra outras doenças”, disse.

Com informações do Estadão Conteúdo.

Saúde

Ministério da Saúde garante novo lote de vacinas contra a Covid-19

Publicado

em

Na última sexta-feira (19), o Ministério da Saúde firmou um contrato crucial para a aquisição de 12,5 milhões de doses da mais recente vacina contra a Covid-19. Esses imunizantes têm previsão de chegar à população brasileira nos próximos 15 dias, representando um avanço significativo na campanha de vacinação em curso no país.

A assinatura do contrato foi resultado de um processo de licitação emergencial, que culminou na seleção da empresa vencedora. Desde a aprovação dessa nova vacina pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) em dezembro de 2023, o Ministério da Saúde tem trabalhado para garantir o abastecimento adequado de toda a rede do Sistema Único de Saúde (SUS).

Um aspecto notável desse processo foi a entrada da concorrência entre empresas no fornecimento de vacinas contra a Covid-19 no Brasil, algo inédito até então. Todas as aquisições anteriores ocorreram em um cenário sem competição. Essa mudança não apenas estimulou uma economia significativa de R$ 100 milhões, devido à diferença de preços entre as propostas apresentadas, mas também refletiu um avanço em termos de transparência e eficiência no processo de aquisição.

Importante lembrar que a disponibilização à população brasileira de vacinas atualizadas contra a Covid-19 contam com a aprovação da Anvisa e são recomendadas pela Organização Mundial da Saúde (OMS). Destaca-se ainda a importância da vacinação como a medida mais segura para prevenir casos graves e óbitos causados pela doença.

Fonte: Nill Junior

 

 

           

Seja sempre o primeiro a saber. Baixe os nossos aplicativos gratuito.

Siga-nos em nossas redes sociais FacebookTwitter e InstagramVocê também pode ajudar a fazer o nosso Blog, nos enviando sugestão de pauta, fotos e vídeos para nossa a redação do Blog do Silva Lima por e-mail blogdosilvalima@gmail.com ou WhatsApp (87) 9 9937-6606 ou 9 9155-5555.

Continue lendo

Saúde

Entenda por que não é recomendado usar maquiagem para fazer exercício físico

A pele é o maior órgão do corpo humano e é essencial para proteção contra micróbios.

Publicado

em

Após um dia de trabalho, parece comum trocar apenas de roupa para ir à academia e continuar com a maquiagem. Por mais banal que seja, fazer disso um hábito não é o recomendado por especialistas. Os cosméticos podem obstruir os poros, dificultando a remoção de óleo e outras sujidades do rosto durante o exercícios físicos, o que pode causar acne e infecções na pele.

A pele é o maior órgão do corpo humano e é essencial para proteção contra micróbios.

O cuidado é importante para mantê-la saudável.

Por isso, usar maquiagem facial durante a atividade física pode ter efeitos prejudiciais na pele, afirmam os médicos.

Quando estamos falando de exercícios, há um aumento da temperatura interna do corpo, levando a mudanças na circulação sanguínea na pele e ao aumento da produção de suor, o que pode resultar na expansão dos poros para eliminar resíduos e sebo, explica a dermatologista Juliana Piquet, membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia.

“Embora suar seja uma maneira saudável de eliminar toxinas, a umidade também pode ter efeito oclusivo sobre os poros e provocar surtos de acne, especialmente se você estiver usando maquiagem ou outros produtos inadequados.”

Por essa razão, os médicos reforçam a importância da limpeza da pele antes de iniciar o treino que inclua a remoção completa da maquiagem para eliminar sujeira e óleo acumulados. Optar por produtos suaves e não comedogênicos é fundamental para evitar irritações, afirmam os dermatologistas.

Danilo Talarico, médico e professor do Instituto Lapidare, com especialização em dermatologia clínica e cirúrgica, indica uma rotina para seguir antes e depois do treino: lavar o rosto com um sabonete ou creme de limpeza adequado para o seu tipo de pele, utilizando as mãos e água fria. Em seguida, aplique um hidratante, preferencialmente não oleoso, e um um protetor solar, de preferência, com cor. “O mais importante é repetir esses passos após o exercício para garantir a remoção dos subprodutos da pele acumulados durante o exercício”, completa o médico.

O ambiente úmido também pode favorecer a proliferação de fungos, contribuindo para o surgimento de micoses e agravando condições como a dermatite seborreica. “Procure sempre malhar sem maquiagem. Se você aproveita a hora do almoço ou pratica exercício no fim do dia, é importante levar um demaquilante ou sabonete para retirar a maquiagem antes de se exercitar”, sugere a profissional.

Um estudo publicado no Journal of Cosmetic Dermatology analisou os efeitos do uso de base em creme na pele durante o exercício físico. Após 20 minutos da prática, foram feitas medições das condições da pele. Os resultados indicaram que a umidade e a elasticidade aumentaram em ambas as áreas, mas houve um aumento significativo nos níveis de sebo e óleo nas áreas maquiadas.

“A maquiagem pode interferir na capacidade da pele de regular a umidade durante o exercício, criando uma barreira que dificulta a evaporação do suor”, afirma Ana Maria Pellegrini, dermatologista especializada pela Sociedade Brasileira de Dermatologia, com experiência em medicina estética.

Segundo a pesquisa, o uso de make na prática de exercícios pode causar ressecamento e aumentar a produção de sebo, potencialmente obstruindo os poros. Não foi constatada a mesma liberação de óleo e sujidade da pele com maquiagem em comparação com a pele sem maquiagem após o exercício. Isso sugere que a maquiagem aplicada pode resultar no acúmulo desses subprodutos da pele nos poros, o que pode levar à formação de lesões, especialmente os comedões abertos e fechados, precursoras da acne.

“Além dos efeitos diretos na pele, a maquiagem durante o exercício também pode afetar o desempenho físico, aumentando o risco de superaquecimento e desconforto”, afirma a dermatologista.

No estudo, os pesquisadores avaliaram o uso de uma base em creme, mas outras texturas também podem afetar a pele. “Os diferentes tipos de produtos de maquiagem podem ter efeitos variados na pele durante o exercício, com produtos mais pesados como base e corretivo potencialmente causando mais obstrução do que produtos mais leves como pó”, explica a médica.

PROTETOR SOLAR

Segundo os especialistas, para manter uma boa pele é importante ter um sono regulado, uma alimentação balanceada, e manter uma rotina de cuidados com a pele e boa prática de atividade física.

Além disso, o protetor solar é indispensável. “Oriento os meus pacientes a sempre usarem os filtros solares, seja ao ar livre ou em espaços fechados, e ainda reforço a necessidade de conter pigmento, pois ele é o único que protege contra a luz visível responsável pelo envelhecimento [causado pela radiação solar] e hiperpigmentação”, recomenda Talarico.

Ele completa que logo após a atividade física é recomendada a higienização do rosto; em seguida, a rotina de cuidados com a pele personalizada (conforme orientação médica), garantindo a remoção dos detritos acumulados pelo filtro solar durante o exercício.

Para assegurar uma proteção adequada da pele durante o exercício, é aconselhável optar por protetores solares leves e não comedogênicos, que não causem obstrução dos poros. Além disso, é importante reaplicar o protetor solar conforme necessário e limpar o rosto após o exercício para remover qualquer acúmulo de suor, óleo e maquiagem, sugere Ana Maria Pellegrini.

Foto Istock

Por Folhapress

           

Seja sempre o primeiro a saber. Baixe os nossos aplicativos gratuito.

Siga-nos em nossas redes sociais FacebookTwitter e InstagramVocê também pode ajudar a fazer o nosso Blog, nos enviando sugestão de pauta, fotos e vídeos para nossa a redação do Blog do Silva Lima por e-mail blogdosilvalima@gmail.com ou WhatsApp (87) 9 9937-6606 ou 9 9155-5555.

Continue lendo

Saúde

Casos de febre oropouche disparam no Brasil; conheça a doença

Publicado

em

O número de casos de febre oropouche quadruplicaram no Brasil. Enquanto em 2023 foram registrados 832 casos da doença, o Ministério da Saúde (MS) contabilizou 3.354 apenas nas quinze primeiras semanas de 2024.

Do total deste ano, 2.538 dos casos são em residentes dos Amazonas, seguidos por Rondônia (574), Acre (108), Pará (29) e Roraima (18). Fora da região Norte, Bahia (31), Mato Grosso (11), São Paulo (7) e Rio de Janeiro (6) foram os Estados com maior número de registros da doença.

De acordo com o MS, a descentralização do diagnóstico laboratorial para detecção do vírus nos Estados da região amazônica, onde a febre é considerada endêmica, é o principal motivo por trás do aumento no número de casos.

A situação, contudo, é mais complexa. Enquanto locais da Amazônia têm maior disponibilidade de exames, há outras regiões do Brasil sem possibilidade de detecção, o que sugere que o número de casos de febre oropouche seja muito superior ao registrado.

Além disso, outro fator que colabora com a subnotificação é a semelhança entre os sintomas da oropouche com a dengue. Além de serem arboviroses – grupo de doenças virais transmitidas principalmente por artrópodes, como mosquitos e carrapatos -, os dois quadros costumam causar dor de cabeça, nos músculos e articulações, além de náusea e diarreia.

Na análise da infectologista do Hospital Israelita Albert Einstein, Emy Gouveia, o ritmo atípico da febre oropouche, assim como de dengue, também pode ser associado ao fenômeno El Niño e às mudanças climáticas, que resultam em temperaturas elevadas e chuvas irregulares, condições ideais para a reprodução dos mosquitos transmissores e, consequentemente, disseminação da doença.

O que é a febre oropouche?

Como o nome sugere, a febre oropouche é uma doença causada pelo vírus oropouche. Transmitido aos seres humanos principalmente pela picada do Culicoides paraensis, conhecido como maruim ou mosquito-pólvora, esse vírus foi detectado no Brasil na década de 1960 a partir de amostra de sangue de um bicho-preguiça capturado durante a construção da rodovia Belém-Brasília.

Desde então, casos isolados e surtos foram relatados no Brasil, principalmente nos Estados da região Amazônica. Também já foram relatados casos e surtos em outros países das Américas Central e do Sul (Panamá, Argentina, Bolívia, Equador, Peru e Venezuela).

Como ocorre a transmissão?

Segundo Emy, a transmissão ocorre quando um mosquito pica primeiro uma pessoa ou animal infectado e, em seguida, pica uma pessoa saudável, passando a doença para ela.

Existem dois tipos de ciclos de transmissão da doença:

Ciclo silvestre: nesse ciclo, os animais como bichos-preguiça e macacos são os hospedeiros do vírus. Alguns tipos de mosquitos, como o Coquilletti diavenezuelensis e o Aedes serratus, também podem carregar o vírus, mas o maruim é considerado o principal transmissor nesse ciclo.

Ciclo urbano: já no ciclo urbano, os humanos são os principais hospedeiros do vírus. O maruim também é o vetor principal, porém, alguns casos também podem estar associados ao Culex quinquefasciatus, comumente encontrado em ambientes urbanos.

“A diversidade de mosquitos envolvidos na transmissão do vírus é uma das preocupações mais sérias em relação ao aumento de casos no Brasil, especialmente em regiões além da Amazônia, uma vez que a disseminação pode ocorrer de maneira mais rápida, considerando que as pessoas também são hospedeiras”, afirma Emy.

Como diferenciar a febre oropouche da dengue?

Além da diferença entre os mosquitos vetores, que, no caso da dengue, é o Aedes aegypti, as doenças se diferenciam pela evolução do quadro clínico.

O paciente diagnosticado com dengue pode começar a sentir dores abdominais intensas e, no pior dos casos, pode apresentar hemorragias internas, o que não acontece na oropouche.

Uma característica específica da oropouche é a apresentação de ciclo bifásico. Geralmente, a pessoa tem febre e dores por alguns dias e eles desaparecem em seguida. Após uma semana, o quadro da doença retorna, até sumir novamente.

Segundo Emy, não há casos de mortalidade pela doença. Porém, uma outra característica marcante é que nos casos mais graves pode haver comprometimento do sistema nervoso central, com quadros como meningite asséptica e meningoencefalite, principalmente em pacientes imunocomprometidos.

Vale ressaltar também que, diferente da dengue, ainda não há imunizantes específicos para a febre oropouche.

Quais são os grupos de risco?

De acordo com a infectologista do Hospital Albert Einstein, os idosos e as crianças são os principais grupos de risco da febre oropouche.

No caso dos idosos, o perigo está relacionado à maior possibilidade de desidratação e presença de comorbidades. Já entre crianças, além da desidratação, a dificuldade de controlar a febre é o que amplia o risco de a doença evoluir para um quadro pior.

Como o diagnóstico é feito?

Atualmente, apenas um exame faz a identificação da doença: o RT-PCR desenvolvido pela Fiocruz Amazonas. A coleta é por meio do sangue e o exame fica disponível nos Laboratórios Centrais de Saúde Pública (Lacens).

Existem também testes que dizem se a pessoa tem anticorpos da doença, e que revelam infecção recente, mas são poucos disponibilizados em laboratórios.

“Geralmente, por causa da pouca disponibilidade de exames, eles ficam restritos às pessoas com sintomas típicos da fase aguda da doença ou que testaram negativo para dengue ou chicungunya. Além disso, quando o paciente não é da Amazônia, mas teve passagem pela região, a atenção é redobrada”, afirmou Emy.

Como é o tratamento?

De acordo com a especialista, ainda não há um medicamento específico para tratar a febre oropouche. Por isso, o tratamento é de suporte. Ou seja, costumam ser administradas medicações para dor, náuseas e febre, além da indicação de hidratação e repouso.

Outra diferença em relação à dengue é que a febre oropouche não possui contraindicação de medicamentos. Então, a administração de anti-inflamatórios é liberada. Mas, para isso, é essencial que exista uma diferenciação do quadro clínico, já que a administração de certos medicamentos durante a dengue pode agravar a situação do paciente, ocasionando inclusive quadros hemorrágicos.

Como prevenir?

De acordo com o Ministério da Saúde, as formas de prevenção incluem:

– Evitar áreas onde há muitos mosquitos, se possível;

– Usar roupas que cubram a maior parte do corpo e aplique repelente nas áreas expostas da pele, especialmente nas regiões com maior número de casos;

– Manter a casa limpa, removendo possíveis criadouros de mosquitos, como água parada e folhas acumuladas;

– Se houver casos confirmados na sua região, é recomendado seguir as orientações das autoridades de saúde local para reduzir o risco de transmissão, como medidas específicas de controle de mosquitos.

Fonte:  ESTADAO CONTEUDO

 

           

Seja sempre o primeiro a saber. Baixe os nossos aplicativos gratuito.

Siga-nos em nossas redes sociais FacebookTwitter e InstagramVocê também pode ajudar a fazer o nosso Blog, nos enviando sugestão de pauta, fotos e vídeos para nossa a redação do Blog do Silva Lima por e-mail blogdosilvalima@gmail.com ou WhatsApp (87) 9 9937-6606 ou 9 9155-5555.

Continue lendo
Propaganda

Trending

Fale conosco!!