Conecte-se Conosco

Saúde

Estudo sugere que curados de Covid-19 não transmitem mais a doença

Publicado

em

O Centros de Controle e Prevenção de Doenças da Coreia do Sul relata que fez uma investigação epidemiológica com 285 pessoas que tiveram a doença

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) – Um relatório publicado pelos Centros de Controle e Prevenção de Doenças da Coreia do Sul (KCDC) sugere que ex-pacientes de Covid-19 que voltam a ter um resultado positivo nos testes para o novo coronavírus não transmitem mais a doença.

No documento, divulgado na terça-feira (19), o KCDC relata que fez uma investigação epidemiológica com 285 pessoas que tiveram a doença, foram liberadas do isolamento após testes, mas voltaram a ter o parasita detectado dias depois.

Os pesquisadores passaram então a acompanhar 790 pessoas que tiveram contato próximo com esses “re-positivos”. Apenas três novos casos foram encontrados entre essas pessoas, mas esses novos infectados tinham outros casos da Covid-19 confirmados na família ou faziam parte do grupo religioso Shincheonji, cujo templo funcionou como um foco de transmissão da doença durante a chegada do novo coronavírus ao país asiático.

Além dos testes RT-PCR, feitos com amostras de secreção respiratória para captar a presença do vírus, os cientistas usaram material que continha o vírus, coletado de 108 pessoas, para tentar fazer o patógeno se multiplicar em culturas de células em laboratório. Nenhuma das amostras vingou.

A presença de anticorpos neutralizantes do novo coronavírus foi detectado no teste sorológico de todos os participantes da pesquisa, afirma o relatório.

Em fevereiro deste ano, começaram a surgir no Japão os primeiros relatos de pessoas que teriam sido infectadas pelo vírus uma segunda vez. Uma mulher no país teria desenvolvido a doença logo após ter sido curada. Em seguida, novos episódios semelhantes apareceram também na China.

Para João Prats, Infectologista da Beneficência Portuguesa de São Paulo, os resultados divulgados agora pelos cientistas coreanos indicam que não há nova infecção, mas sim a detecção de partes do vírus que são incapazes de gerar a doença.

“O teste é muito sensível e pega pedaços do vírus que não podem mais infectar outras pessoas. É como se fossem os restos mortais; ele não tem mais as armas nem o maquinário que usa para entrar na célula humana”, afirma o médico.

No início de maio, a líder técnica da OMS (Organização Mundial da Saúde), Maria van Kerkhove, disse em entrevista à TV britânica que os resultados positivos em pessoas já curadas acontecem porque os testes do tipo PCR analisam o material genético do coronavírus e estariam reagindo com células mortas que emergem durante o processo de cicatrização dos pulmões. “Não são vírus ativos, não é reinfecção, nem reativação”, afirmou ela.

Segundo Raquel Stucchi, infectologista da Unicamp (Universidade Estadual de Campinas) e consultora da SBI (Sociedade Brasileira de Infectologia), uma possibilidade é que a quantidade de vírus tenha diminuído muito no corpo desses pacientes quando o resultado do teste foi negativo para a presença do vírus, mas, algum tempo depois, o organismo voltou a fazer a excreção viral, expulsando o que sobrou do invasor.

“Esse resultado nos dá alguma tranquilidade por indicar que as pessoas que se recuperam da doença podem não causar novas infecções”, diz a médica. “Ao que parece, uma segunda onda da doença aconteceria com quem não foi exposto ao vírus ainda”, completa.

No entanto, Stucchi lembra que os resultados completos da pesquisa coreana precisam ainda ser publicados e novos estudos devem ser concluídos antes que se possa afirmar que não existe a possibilidade de uma segunda infecção, ou que pessoas que já tiveram a doença não podem transmitir o parasita.

A infectologista cita como exemplo o vírus HIV, que tem um teste rápido para detecção do invasor baseado na presença de anticorpos para o vírus. “Esses anticorpos são produzidos quando o corpo entra em contato com o vírus, mas eles não garantem proteção”, diz.

Com base nos resultados, o KCDC informou que não faria mais testes adicionais em pessoas que se recuperaram da doença e foram liberadas do isolamento.

“O estudo indica que essas pessoas ainda têm o material genético do vírus, mas não são mais capazes de infectar. Assim, não é mais necessário vigiar os curados, e os recursos podem ser usados para outros casos”, diz Prats.

A Coreia do Sul é um dos países que tiveram maior sucesso na contenção do novo coronavírus, usando uma metodologia que envolveu uma grande aplicação de testes e um rastreamento mais duro dos contatos próximos dos infectados.

Até esta quarta-feira (20), o país, que tem 51,3 milhões de habitantes, registrou 11.110 casos da Covid-19 e 263 mortes causadas pela doença, segundo plataforma da Universidade Johns Hopkins, dos Estados Unidos, que monitora os números da pandemia.

Os resultados que vêm da Coreia do Sul coincidem com os de pesquisas conduzidas em outros países. Em um estudo pré-print publicado no início de maio por cientistas de instituições chinesas, foi relatada a tentativa de infectar macacos pela segunda vez com o novo coronavírus.

Após os animais receberem uma nova dose do vírus, não foi possível detectar neles disseminação viral, o que, segundo os cientistas, indica que uma primeira infecção pelo Sars-Cov-2 é suficiente para proteger de novas invasões do parasita.

Pré-prints são artigos que divulgam resultados preliminares de estudos e que ainda não passaram pela revisão de outros cientistas da mesma área. Portanto seus resultados devem ser lidos com cautela, alertam especialistas.

Por Folhapress

Seja sempre o primeiro a saber. Baixe os nossos aplicativos gratuito.

Siga-nos em nossas redes sociais FacebookTwitter e InstagramVocê também pode ajudar a fazer o nosso Blog, nos enviando sugestão de pauta, fotos e vídeos para nossa a redação do Blog do Silva Lima por e-mail blogdosilvalima@gmail.com ou WhatsApp (87) 9 9937-6606 ou 9 9101-6973.

Saúde

Cuidado. Beber esta quantidade de café pode causar overdose

Publicado

em

Uma jovem britânica sofreu uma overdose após ingerir 20 gramas de cafeína em pó, o que equivale a 56 xícaras (150 mililitros cada) de café

De acordo com os especialistas, consumir entre um ou dois gramas de cafeína é o que basta para provocar efeitos tóxicos consideráveis no organismo. Estes efeitos danosos podem incluir taquicardia, condição que consiste numa frequência cardíaca superior a 100 batimentos por minuto, rutura do tecido muscular, alucinações, delírio, desorientação ou mania. 

Entretanto doses mais elevadas, comummente associadas à toma em demasia de cafeína através de suplementos dietéticos, podem levar à morte. Por outras palavras, e conforme explica a revista Galileu, umas ‘simples’ cinco gramas de cafeína podem ser fatais. 

Segundo um caso divulgado pelos médicos responsáveis pela edição de maio do periódico British Medical Journal, uma mulher de 26 anos terá sido internada no Hospital Queen Elizabeth, em Londres, ao sofrer uma overdose decorrente da ingestão de duas colheres de chá de cafeína em pó.

Adicionalmente, a paciente terá chegado ao hospital com pressão arterial baixa, e com uma frequência cardíaca em repouso extrema e perigosamente elevada de 109 batimentos por minuto.

A realização de um eletrocardiograma revelou que sofria de taquicardia ventricular polimórfica e de acidose metabólica, um distúrbio eletrolítico sério que acidifica o sangue. 

Consequentemente, a jovem acabou por ter de ser internada nos cuidados intensivos do Hospital Queen Elizabeth, e posteriormente necessitou de ser ligada a um ventilador. 

Felizmente, após uma semana a doente saiu dos cuidados intensivos e recuperou, tendo sido acompanhada pela equipa de psiquiatria do hospital.

Os médicos escreveram no artigo que a mulher teve “sorte de sobreviver à overdose”, isto porque os testes realizados revelaram que os seus índices de cafeína em 147,1mg/L, estavam a um nível muito acima dos 80mg/L – detectados em casos de overdoses letais da substância.

Por Notícias ao Minuto

Seja sempre o primeiro a saber. Baixe os nossos aplicativos gratuito.

Siga-nos em nossas redes sociais FacebookTwitter e InstagramVocê também pode ajudar a fazer o nosso Blog, nos enviando sugestão de pauta, fotos e vídeos para nossa a redação do Blog do Silva Lima por e-mail blogdosilvalima@gmail.com ou WhatsApp (87) 9 9937-6606 ou 9 9101-6973.

Continue lendo

Saúde

China tem 1º dia sem novos casos de coronavírus desde o início da pandemia

Publicado

em

A China anunciou neste sábado (23.mai.2020) que, pela 1ª vez desde o início do surto de coronavírus, não registrou nenhum novo caso de covid-19 em seu território. Também não houve novas mortes ligadas à doença, informou a Comissão Nacional de Saúde do país.

Contudo, as autoridades disseram que investigam dois novos casos suspeitos, um importado (quando o vírus foi contraído em outro país) em Xangai e outra suspeita de transmissão local na província de Jilin, no nordeste do país.

Segundo a comissão, ao todo há 79 casos ativos de infecção, nove deles graves. Outras 376 pessoas estão isoladas e sendo monitoradas, ou por estarem sob suspeita de infecção ou por terem testado positivo sem apresentar sintomas.

O coronavírus Sars-Cov-2 foi registrado pela primeira vez na cidade chinesa de Wuhan em dezembro do ano passado, e acabou se alastrando por outros países e continentes nos meses seguintes, infectando mais de 5 milhões de pessoas e matando mais de 300 mil.

Segundo dados oficiais, o número de infecções na China atingiu seu pico em meados de fevereiro, mas, em março, passou a sofrer quedas acentuadas em meio às medidas de contenção impostas pelo governo. O país chegou a zerar as transmissões locais, mas continuou registrando casos importados.

A nação asiática de 1,4 bilhão de pessoas soma hoje mais de 82 mil infecções e 4.634 mortes, um número bem abaixo dos registrados em países muito menores.

Contudo, a confiabilidade dos números oficiais da China tem sido questionada, principalmente pelos Estados Unidos. Pequim nega as acusações de encobrimento e insiste que tem sido transparente no compartilhamento de informações com a Organização Mundial da Saúde.

O marco de zero casos ocorre um dia depois de o primeiro-ministro Li Keqiang ter dito que o país alcançou “grandes conquistas estratégicas em nossa resposta à covid-19”. Ele alertou, contudo, que a nação ainda enfrenta desafios “imensos”. Autoridades seguem monitorando de perto Wuhan, antigo epicentro da doença, e pretendem testar todos os seus 11 milhões de habitantes. Fonte: Poder 360

 

Seja sempre o primeiro a saber. Baixe os nossos aplicativos gratuito.

Siga-nos em nossas redes sociais FacebookTwitter e InstagramVocê também pode ajudar a fazer o nosso Blog, nos enviando sugestão de pauta, fotos e vídeos para nossa a redação do Blog do Silva Lima por e-mail blogdosilvalima@gmail.com ou WhatsApp (87) 9 9937-6606 ou 9 9101-6973.

Continue lendo

Saúde

Covid-19. Sono, exercício e alimentação podem ajudar a gerir o stress

Publicado

em

Segundo José Soares, o isolamento, a pressão social, o teletrabalho, o medo, a incerteza e a falta de referências são fatores que contribuem para o fraco desenvolvimento cognitivo

especialista em fisiologia José Soares afirmou hoje que preparar o sono, fazer exercício, ter momentos de relaxamento e alimentação equilibrada são algumas das atividades que podem ajudar a gerir o ‘stress’ e pressão causados pela pandemia da covid-19.Numa videoconferência para abordar o impacto que a pandemia tem causado na população , especialmente ao nível do ‘stress’ e ansiedade, José Soares, professor catedrático em fisiologia da Universidade do Porto (Portugal), afirmou que “a aceitação é fundamental”.

“Temos que aceitar que estamos numa fase difícil, compreender o que estamos a sentir e perceber que é normal”, salientou o fisiologista, tentando dar resposta às dúvidas de alguns dos participantes.

“Como lidar com a pressão?”, “Como gerir o ‘stress’ do dia-a-dia e a rotina?”, “De que forma podemos impactar a nossa performance?”, foram algumas das questões-chave da sessão.

Segundo José Soares, o isolamento, a pressão social, o teletrabalho, o medo, a incerteza e a falta de referências são fatores que contribuem para o fraco desenvolvimento cognitivo e, consequentemente, deixam o “cérebro confuso”.

“O Homem é um ser de colaboração, não foi feito para estar isolado. Ao longo deste tempo, nós deixamos de ter referências e o cérebro fica muito confuso quando não tem referências”, defendeu.

Nesse sentido, José Soares salientou quatro atividades fundamentais para melhorar a função cognitiva daqueles que, por exemplo, estão em teletrabalho: o exercício, a alimentação, o sono e o relaxamento.

No que ao exercício concerne, o fisiologista defendeu a importância das pessoas “se mexerem” ao longo do dia, uma vez que a atividade tem um efeito imediato no cérebro e melhora a sua função cognitiva.

“‘Sit for 60, move for 3’sente-se por 60 minutos, mova-se por três minutos]”, foi o lema que recomendou.

Paralelamente, defendeu a importância da alimentação e de “não cair na tentação” da ‘confort food’, de que são exemplo os bolos, chocolates e ‘fast food’.

De acordo com o fisiologista, as perturbações do sono têm sido as razões mais apontadas para a falta de concentração e exaustão das pessoas, por isso, recomendou a “preparação do sono”, como por exemplo, através do exercício, mas sem recorrer a dispositivos eletrônicos, uma vez que “despertam o cérebro”.

Por fim, José Soares salientou a necessidade de se fazerem “pausas ou intervalos” durante o tempo de trabalho, algo que defendeu ter “um impacto muito grande nas decisões”.

“Precisamos de nos rir, porque temos como que uma nuvem que ocupa espaço e sem querer, estamos a ser ‘bombardeados’ com isto [informação sobre a pandemia], e subtilmente, estamos preocupados”, aconselhou.

A videoconferência, dedicada ao tema “Promover o bem-estar mental e boas performances em tempos da covid-19”, além da participação de José Soares, contou com a moderação de Helena Canário, nutricionista na Nestlé.

A nível global, segundo um balanço da agência de notícias AFP, a pandemia de covid-19 já provocou mais de 328 mil mortos e infectou mais de cinco milhões de pessoas em 196 países e territórios.

Mais de 1,8 milhões de doentes foram considerados curados.

Em Portugal, morreram 1.277 pessoas das 29.912 confirmadas como infectadas, e há 6.452 casos recuperados, de acordo com a Direção-Geral da Saúde.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detectado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Depois de a Europa ter sucedido à China como centro da pandemia em fevereiro, o continente americano passou a ser o que tem mais casos confirmados (mais de 2,2 milhões contra cerca de dois milhões no continente europeu), embora com menos mortes (mais de 133 mil contra mais de 169 mil).

Para combater a pandemia, os governos mandaram para casa 4,5 mil milhões de pessoas (mais de metade da população do planeta), paralisando setores inteiros da economia mundial, num “grande confinamento” que vários países já começaram a aliviar face à diminuição dos novos contágios. 

Por Notícias ao Minuto

 

Seja sempre o primeiro a saber. Baixe os nossos aplicativos gratuito.

Siga-nos em nossas redes sociais FacebookTwitter e InstagramVocê também pode ajudar a fazer o nosso Blog, nos enviando sugestão de pauta, fotos e vídeos para nossa a redação do Blog do Silva Lima por e-mail blogdosilvalima@gmail.com ou WhatsApp (87) 9 9937-6606 ou 9 9101-6973.

Continue lendo
Propaganda  

Trending