Conecte-se Conosco

Saúde

Gigantes farmacêuticas se unem para testar remédios contra coronavírus

Publicado

em

[responsivevoice_button voice=”Brazilian Portuguese Female”]

Cerca de 450 pacientes de diferentes países, selecionados aleatoriamente, vão participar do experimento

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) – As farmacêuticas Roche e Gilead se uniram para um estudo que vai avaliar o uso conjunto das maiores apostas das duas empresas no tratamento contra a Covid-19, doença causada pelo novo coronavírus.

O estudo vai investigar a ação do remdesivir, um antiviral desenvolvido pela Gilead para combater vírus que têm RNA como material genético, associado ao tocilizumab (vendido com o nome Actemra), um antiinflamatório usado no tratamento da artrite reumatoide, doença crônica inflamatória e autoimune.

Cerca de 450 pacientes de diferentes países, selecionados aleatoriamente, vão participar do experimento. O estudo vai dividir os participantes em dois grupos: um que recebe os dois medicamentos e outro tratado com o remdesivir e um placebo. O arranjo vai possibilitar uma observação mais precisa da ação das substâncias.

“Isso é necessário para que possamos ter a evidência mais pura possível”, afirma Lenio Alvarenga, diretor de Acesso e médico da Roche Farma Brasil.

Anunciado na manhã da quinta-feira (28), o estudo deve iniciar o recrutamento dos pacientes nas próximas semanas. De acordo com Alvarenga, existe a possibilidade de que participantes brasileiros sejam incluídos na pesquisa.

Em artigo publicado no dia 22 de maio na revista científica The New England Journal of Medicine, um dos principais periódicos da área médica, cientistas de institutos de pesquisa, universidades e hospitais norte-americanos mostraram a comprovação de que os pacientes tratados com remdesivir tiveram uma recuperação mais rápida da doença do que aqueles que não receberam o remédio.

Com base em estudos preliminares, Estados Unidos e Japão já haviam autorizado o uso emergencial do remdesivir no início de maio. Na terça-feira (26) o mesmo tipo de uso foi aprovado no Reino Unido.

O remdesivir ainda é considerado um medicamento experimental e foi desenvolvido para o combate do vírus ebola. O produto usado em testes e tratamentos atualmente vem de doações da própria empresa. Segundo a agência de notícias Reuters, um total de 1,5 milhões de frascos do remédio já foram doados pela Gilead.

O uso do anti-inflamatório tocilizumab para tratar a Covid-19 também teve bons resultados, segundo estudos preliminares.

Pesquisadores do hospital Orange Regional Medical Center, nos Estados Unidos, publicaram um artigo em meados de maio que apontou benefícios do uso do tocilizumab para a redução da mortalidade entre pacientes com Covid-19 que haviam desenvolvido a síndrome respiratória aguda grave (SRAG). O artigo, porém, não foi revisado por outros cientistas ainda.

A infecção pelo novo coronavírus gera uma resposta exagerada do sistema imunológico, que libera substâncias inflamatórias em excesso para combater o invasor, e acaba agravando a situação do paciente, danificando ainda mais os órgãos.

Os glóbulos brancos, também chamados de leucócitos, são os responsáveis pela defesa do corpo contra infecções. Essas células liberam as interleucinas, proteínas que servem para modular a resposta imunológica.

“As interleucinas carregam a informação de um lado a outro e coordenam esse exército de defesa, elas têm um papel importante quando o sistema imunológico funciona mais do que deveria”, explica Alvarenga.

“O remédio bloqueia essa comunicação e paralisa a resposta imunológica exacerbada”, completa o médico.

O estudo conduzido pelas empresas vai avaliar se o uso dos dois medicamentos em conjunto potencializa a recuperação ao mesmo tempo que proporciona segurança para o paciente.”Os dois medicamentos têm mecanismos de ação diferentes -antiviral e antiinflamatória. A ideia do estudo é ter ação em pontos diferentes e verificar se um remédio pode potencializar os benefícios ou os efeitos colaterais do outro”, afirma Alexandre Soeiro, cardiologista da Beneficência Portuguesa de São Paulo.

Segundo o médico, que faz parte de um projeto que testa vários medicamentos contra a Covid-19, a união das farmacêuticas para a realização de pesquisas é incomum. “Normalmente, as empresas fazem os estudos de maneira independente. Isso acontece agora devido à situação imposta pela pandemia”, diz.

A Roche também anunciou um estudo global para avaliar a eficácia e a segurança do uso do tocilizumab, sem o remdesivir, contra a Covid-19. O experimento será feito com 450 pacientes escolhidos aleatoriamente da Europa e dos Estados Unidos. A pesquisa conta com dois grupos, um recebe o antiinflamatório e outro, um placebo. Nos dois casos, os pacientes contam com um tratamento padrão para a doença.

O recrutamento de pacientes para esse estudo, realizado em parceria com a Autoridade Biomédica de Pesquisa e Desenvolvimento Avançado (Barda), dos Estados Unidos, deve terminar na próxima semana. O encerramento do experimento está previsto para agosto deste ano, mas, segundo Alvarenga, ele pode ser finalizado antes desse prazo.

No Brasil, o tocilizumab é aprovado pela legislação para o tratamento da artrite reumatoide, uma doença autoimune -fruto de um comportamento anormal do sistema imunológico.

Por Folhapress

Seja sempre o primeiro a saber. Baixe os nossos aplicativos gratuito.

Siga-nos em nossas redes sociais FacebookTwitter e InstagramVocê também pode ajudar a fazer o nosso Blog, nos enviando sugestão de pauta, fotos e vídeos para nossa a redação do Blog do Silva Lima por e-mail blogdosilvalima@gmail.com ou WhatsApp (87) 9 9937-6606 ou 9 9101-6973.

Saúde

Diferença entre anemia e leucemia: mitos e verdades sobre as enfermidades

Amanda Oliveira, coordenadora do curso de Enfermagem da Faculdade Anhanguera, desmistifica as dúvidas frequentes das doenças na população.

Publicado

em

O mês de junho é marcado pela campanha laranja, que visa conscientizar sobre a leucemia e outras doenças do sangue. Essas condições geram muitas dúvidas na população devido a seus diagnósticos semelhantes. Neste cenário, esclarecer as diferenças entre as duas é fundamental, pois, embora afetem o sangue, apresentam causas, sintomas e tratamentos distintos.

Segundo dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), estima-se que cerca de 1,62 bilhão de pessoas em todo o mundo tenham anemia, tornando-a uma das condições mais comuns globalmente. Por sua vez, a leucemia é uma preocupação frequente no Brasil, com previsão de mais de 11 mil casos entre 2023 e 2025, conforme o Instituto Nacional do Câncer (INCA).

Amanda de Oliveira, coordenadora do curso de Enfermagem da Faculdade Anhanguera, explica que a anemia é caracterizada pela diminuição do número de glóbulos vermelhos ou da quantidade de hemoglobina no sangue. A hemoglobina é uma proteína essencial para o transporte de oxigênio para os tecidos do corpo. As causas mais comuns de anemia incluem deficiências nutricionais, como falta de ferro, vitamina B12 e ácido fólico, perdas sanguíneas por menstruação intensa ou sangramentos gastrointestinais, e doenças crônicas. Os sintomas mais comuns incluem fadiga, fraqueza, palidez, falta de ar e tontura.

Amanda de Oliveira, coordenadora do curso de Enfermagem da Faculdade Anhanguera, esclarece que a anemia é caracterizada pela diminuição do número de glóbulos vermelhos ou da quantidade de hemoglobina no sangue. “A hemoglobina é uma proteína essencial para o transporte de oxigênio para os tecidos do corpo. As causas mais comuns incluem deficiências nutricionais, como falta de ferro, vitamina B12 e ácido fólico, perdas sanguíneas por menstruação intensa ou sangramentos gastrointestinais, e doenças crônicas. Os sintomas incluem fadiga, fraqueza, palidez, falta de ar e tontura”.

Por outro lado, a leucemia é um câncer que afeta os tecidos formadores de sangue, incluindo a medula óssea e o sistema linfático. “Caracteriza-se pela produção descontrolada de glóbulos brancos anormais, que podem interferir na produção de glóbulos vermelhos e plaquetas, levando a diversos problemas de saúde. Os sintomas incluem febre ou calafrios, fadiga persistente, infecções frequentes, perda de peso, dores nos ossos e articulações, além de sangramentos ou hematomas fáceis”, ressalta a professora.

Há muitos mitos e verdades em torno dessas condições. Um dos mais comuns é que anemia e leucemia são a mesma coisa, quando na verdade são condições distintas. “A anemia é geralmente um sinal de outra condição subjacente, enquanto a leucemia é um tipo de câncer”, ressalta Amanda. Outro equívoco é acreditar que suplementos de ferro curam todos os tipos de anemia. Suplementos de ferro são eficazes apenas para a anemia por deficiência de ferro, e não para outros tipos, como a anemia falciforme ou a anemia aplástica. Além disso, é um mito pensar que a leucemia só afeta crianças. Ela pode afetar pessoas de todas as idades, embora certos tipos sejam mais comuns em crianças e outros em adultos.

Transfusões para casos mais graves

Um ponto comum para as duas doenças é o papel das transfusões de sangue para pacientes com anemia grave ou leucemia.

Segundo a professora, diagnósticos de anemia grave podem necessitar de transfusões de sangue para aumentar rapidamente os níveis de glóbulos vermelhos e hemoglobina. “Já no caso da leucemia, a ação pode ser necessária para tratar sintomas como anemia ou baixa contagem de plaquetas, que podem resultar do próprio câncer ou dos tratamentos utilizados, como quimioterapia”.

Foto Shutterstock

Por Rafael Damas

           

Seja sempre o primeiro a saber. Baixe os nossos aplicativos gratuito.

Siga-nos em nossas redes sociais FacebookTwitter e InstagramVocê também pode ajudar a fazer o nosso Blog, nos enviando sugestão de pauta, fotos e vídeos para nossa a redação do Blog do Silva Lima por e-mail blogdosilvalima@gmail.com ou WhatsApp (87) 9 9937-6606 ou 9 9155-5555.

Continue lendo

Saúde

Lula se vacinou contra dengue na rede privada, sem divulgar e antes da campanha do SUS

O Palácio do Planalto afirma que a dose foi fornecida pela rede privada.

Publicado

em

O presidente Lula (PT) se vacinou contra a dengue no dia 5 de fevereiro, sem divulgação e antes de o SUS (Sistema Único de Saúde) iniciar a campanha de imunização. O Palácio do Planalto afirma que a dose foi fornecida pela rede privada, mas se recusa a informar o modelo e custo da vacina, além do nome do laboratório.

A campanha do SUS contra a dengue começou quatro dias após Lula receber a primeira dose. A escassez de vacinas na rede pública tornou o governo alvo de críticas e forçou o Ministério da Saúde a limitar a vacinação ao grupo de 10 a 14 anos.

Desde que assumiu o terceiro mandato de presidente, Lula se vacinou em público contra a gripe e Covid para incentivar as campanhas de imunização. Procurada, a Secom (Secretaria de Comunicação Social da Presidência) não explicou por qual razão a vacinação contra a dengue não foi divulgada.

Apesar de o Palácio não informar o modelo do imunizante, a vacina atualmente aprovada para pessoas que nunca tiveram a dengue no Brasil é a Qdenga, da fabricante Takeda, a mesma que foi incorporada ao SUS.

A Secom também não informou em que local o presidente foi imunizado.

Lula recebeu a segunda dose da vacina contra a dengue no dia 6 de maio, também sem divulgação. As datas de aplicação do imunizante foram reveladas pela Presidência da República após pedido da Folha baseado na LAI (Lei de Acesso à Informação). A reportagem também solicitou dados sobre a imunização de Lula contra a Covid.

Na primeira resposta, a Presidência informou que Lula “recebeu todas as doses de vacinas compatíveis com a sua idade e já disponibilizadas pelo Ministério da Saúde, relativas à Covid-19 e à dengue, conforme orientação de sua equipe médica”.

Após recurso, o governo apontou as datas e locais de imunização, além do modelo de cada dose usada pelo presidente contra a Covid. Foram sete aplicações, sendo que a última foi feita em 17 de junho com o imunizante da farmacêutica Moderna, adaptado para a variante XBB e comprado com atraso pela Saúde.

O Planalto informou, ainda na segunda resposta, as datas em que Lula foi vacinado contra a dengue, mas não apontou o local da aplicação e o modelo da vacina utilizada. A Folha solicitou novamente esses dados em recurso apresentado na segunda-feira (17).

A Secom confirmou, em nota, apenas que a vacina da dengue foi obtida da rede privada.

O Brasil enfrenta a sua pior epidemia de dengue. Dados do Ministério da Saúde apontam 6 milhões de casos prováveis e 4 mil mortes pela doença em 2024, além de outras 2,8 mil em investigação. Os registros feitos até junho superam o ano passado inteiro, quando houve 1,6 milhão de casos e 1,1 mil mortos por causa da arbovirose.

As doses compradas pelo ministério ainda estavam sob análise de controle de qualidade quando Lula se vacinou. Os imunizantes foram liberados em 8 de fevereiro e as primeiras vacinas foram aplicadas no dia seguinte pelo SUS.

Já o estoque das clínicas privadas ficou escasso entre fevereiro e março. A Takeda, que produz a Qdenga, vendeu toda a sua produção ao SUS.

O intervalo de três meses entre as aplicações da vacina indica que Lula recebeu a Qdenga.

Outra vacina contra a dengue registrada no Brasil, a Dengvaxia não foi incorporada à rede pública e tem esquema de três doses, sendo que o intervalo entre cada uma é de seis meses. O imunizante da Sanofi é indicado apenas a pessoas de 6 a 45 anos que já foram infectadas pela dengue.

As bulas dos dois imunizantes disponíveis no país não contemplam no público-alvo pessoas de 78 anos, como o presidente Lula. Nesses casos, o uso é considerado “off-label”, ou seja, fora das indicações do registro do produto na Anvisa e por prescrição médica.

Na data em que recebeu a primeira dose, Lula se reuniu com o diretor-geral da OMS (Organização Mundial da Saúde), Tedros Adhanom, para discutir a fabricação do imunizante contra a dengue. A agenda oficial do presidente desse dia, porém, não tem registros da vacinação.

No dia seguinte, a ministra Nísia Trindade fez um pronunciamento em rádio e TV sobre o avanço da arbovirose. “A vacinação se dará de forma progressiva, dado o número limitado de doses produzidas pelo laboratório fabricante”, disse a ministra.

Nísia ainda afirmou que os critérios para distribuição das doses foram baseados na incidência da doença e que crianças seriam o público-alvo da campanha do SUS.

Um dos planos do governo é produzir na Fiocruz a vacina Qdenda. A fundação, porém, afirma em documentos internos que já “trabalha no limite” e diz depender da construção de uma nova fábrica para conseguir atender a demanda do SUS.

A Fiocruz ainda afirma que a sua estrutura atual exige cortar a entrega de outros imunizantes para fabricar a vacina da dengue.

Para a campanha de 2024, o Ministério da Saúde comprou e recebeu doações que somam 6,5 milhões de doses da Qdenga. As vacinas são suficientes para imunizar 3,25 milhões de pessoas.

O ministério ainda comprou 9 milhões de unidades da mesma vacina para o próximo ano. Todas serão fabricadas no exterior.

Durante a gestão Jair Bolsonaro (PL), o Ministério da Saúde usou termos da LGPD (Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais) para negar o acesso aos dados da carteira de imunização do então presidente em pedidos baseados na LAI.

A CGU (Controladoria-Geral da União) decidiu liberar os dados sobre a Covid no começo do governo Lula. Os pedidos ainda motivaram a abertura de investigação sobre suposta falsificação de certificado de imunização de Bolsonaro.

A Controladoria considerou que o próprio ex-presidente havia dito que não tomou a vacina. Disse ainda que a informação teria “interesse público geral e preponderante”, pois poderia ter influenciado a política pública de imunização durante a pandemia.

Foto Getty

Por Folhapress

           

Seja sempre o primeiro a saber. Baixe os nossos aplicativos gratuito.

Siga-nos em nossas redes sociais FacebookTwitter e InstagramVocê também pode ajudar a fazer o nosso Blog, nos enviando sugestão de pauta, fotos e vídeos para nossa a redação do Blog do Silva Lima por e-mail blogdosilvalima@gmail.com ou WhatsApp (87) 9 9937-6606 ou 9 9155-5555.

Continue lendo

Saúde

Descubra seu nível de hidratação em 5 segundos com este truque simples

Conheça o truque que pode indicar se você precisa ou não ingerir mais líquidos.

Publicado

em

Nos dias quentes, é essencial verificar seu nível de hidratação, pois o corpo pode emitir sinais claros. Um truque simples que todos podem experimentar proporciona uma resposta em apenas cinco segundos.

A dica foi compartilhada no TikTok pela conta footdocdana. No vídeo, ela puxa a pele sobre uma das falanges de um dedo da mão. Se ela voltar rapidamente à posição original, seus níveis de hidratação estão adequados.

A pele com boa hidratação tem maior elasticidade e se recupera rapidamente. Por outro lado, se permanecer repuxada, pode indicar desidratação. Vale ressaltar que esse teste não substitui um diagnóstico médico, mas pode ser um bom indicador inicial.

“Esse teste pode fornecer um indicador rápido e moderadamente confiável de desidratação, mas sua precisão pode variar com base na idade e na condição da pele”, alerta o neurocientista Dorsey Standish ao site Eat This, Not That.

Foto Shutterstock

Por Notícias ao Minuto

           

Seja sempre o primeiro a saber. Baixe os nossos aplicativos gratuito.

Siga-nos em nossas redes sociais FacebookTwitter e InstagramVocê também pode ajudar a fazer o nosso Blog, nos enviando sugestão de pauta, fotos e vídeos para nossa a redação do Blog do Silva Lima por e-mail blogdosilvalima@gmail.com ou WhatsApp (87) 9 9937-6606 ou 9 9155-5555.

Continue lendo
Propaganda

Trending

Fale conosco!!