Conecte-se Conosco

Saúde

Sente muita sonolência após o almoço? Você pode estar se alimentando de forma errada. Saiba mais

Publicado

em

Excesso de carboidrato simples causa pico de glicemia que pode ser o ‘culpado’ pelo sono incontrolável

Tem dias que voltar para o trabalho após o almoço se torna uma tarefa para lá de difícil, o sono parece tomar conta e somente muito café é capaz de fazer o dia passar. Você sabia que talvez as suas refeições sejam o resultado dessa sensação de moleza e preguiça? Segundo a nutricionista funcional Bruna Vilela, o sono pós-almoço pode estar associado a erros alimentares em relação à qualidade e quantidade de comida.

É comum excedermos no carboidrato ao almoçarmos em restaurantes com uma grande oferta de alimentos e uma das causas do sono está na forma como o ingrediente é metabolizado. Ao ingerirmos alimentos ricos em carboidratos simples, acontece um pico de glicemia no sangue, que é seguido por uma baixa. Durante essa baixa, sentimos essa falta de disposição que pode vir seguida de sono”, explica a profissional, esclarecendo que o excesso de carboidratos como macarrão, arroz, batata, farofa, suco de laranja e sobremesas com muito açúcar pode ser a causa da sua sonolência.

Bruna conta que depois de uma refeição de grandes quantidades, o nosso sistema digestivo precisa de muita oxigenação para realizar suas funções e o corpo acaba diminuindo o fluxo sanguíneo de outras áreas do corpo, inclusive cérebro. “A solução é não exagerar no carboidrato, aumentando o consumo de legumes para dar mais saciedade e fracionar as refeições, para não ir almoçar morrendo de fome e correndo o risco de exagerar na quantidade”, indica.

No cardápio sugerido pela nutricionista, além de legumes e saladas em maiores quantidades, entram porções de carne magra (suína, bovina, peixe ou frango) sem gordura. Na opção como carboidrato, ela aconselha arroz integral, quinoa, batata doce e aipim sem excessos.

Em relação aos estimulantes do dia a dia, ela recomenda até no máximo dois expressos por dia (aproximadamente 80 ml) ou de 3 a 4 xícaras de café coado. “Exceder muito essa quantidade pode ser prejudicial”, alerta Bruna. Outras opções são os chás: “Chá preto, chá branco, mate e chá verde são bons estimulantes. O consumo máximo indicado é de 4 a 5 xícaras por dia e o ideal é que o chá seja feito a partir da erva orgânica. Os sachês entram como segunda opção”.

Os chás também servem para quem chega em casa no final do dia e sente o sono ir embora. Bruna Vilela diz que ervas como melissa, camomila e mulungu são boas para combater a insônia e proporcionar relaxamento. Basta tomar uma xícara 40 minutos antes de dormir. Ela acrescenta: “Deve-se evitar refeições muito volumosas e ricas em carboidratos simples pelo menos 3 horas antes de dormir. Ovos, abacate e castanhas são boas opções de ceia”. Outras dicas da nutricionista para quem tem insônia são: evitar atividades físicas noturnas ou ingerir produtos industrializados como sopas, molhos e temperos prontos. “Eles contém glutamato monossódico, aditivo alimentar que também pode trazer insônia – além de outros danos a saúde. É importante checar os ingredientes dos alimentos e não consumir os que possuem esse composto em sua composição”, avisa.

Por Fernanda Berlinck

 

Seja sempre o primeiro a saber. Baixe os nossos aplicativos gratuito.

Siga-nos em nossas redes sociais FacebookTwitter e Instagram.Você também pode ajudar a fazer o nosso Blog, nos enviando sugestão de pauta, fotos e vídeos para nossa a redação do Blog do Silva Lima por e-mail blogdosilvalima@gmail.com ou WhatsApp (87) 9 9937-6606 ou 9 9101-6973.

 

Saúde

Serra Talhada realiza segunda etapa de vacinação contra o sarampo

Publicado

em

Teve início nesta segunda-feira (18) a segunda etapa da Campanha Nacional de Vacinação contra o Sarampo. O foco desta vez é a população jovem, com idade entre 20 e 29 anos. A realização dessa etapa da campanha é importante para interromper a cadeia de transmissão do vírus do sarampo em jovens desta faixa etária que não tomaram as duas doses da vacina. 

Em Serra Talhada a vacinação acontece em todas as unidades de saúde, das 08h às 17h. “Os jovens dentro desta faixa etária que não possuem comprovação do esquema vacinal contra o sarampo devidamente completo, com pelo menos duas doses da tríplice viral ao longo da vida, devem procurar os postos de saúde do município para a imunização”, alerta Karla Medeiros, coordenadora do Programa Nacional de Imunização no município. 

A segunda fase da campanha vai até 30 de novembro, Dia D da Vacinação contra o Sarampo em todo o país. Durante esse período as doses da Tríplice Viral, que também protege contra caxumba e rubéola, serão direcionadas exclusivamente ao público alvo. 

A primeira etapa da Campanha Nacional de Vacinação contra o Sarampo, com foco nas crianças com idade entre seis meses e cinco anos incompletos (4 anos, 11 meses e 29 dias), aconteceu de 07 a 25 de novembro. Em Serra Talhada, a Secretaria Municipal de Saúde ultrapassou a meta inicial e imunizou quase 1.800 crianças. 

Seja sempre o primeiro a saber. Baixe os nossos aplicativos gratuito.

Siga-nos em nossas redes sociais FacebookTwitter e Instagram.Você também pode ajudar a fazer o nosso Blog, nos enviando sugestão de pauta, fotos e vídeos para nossa a redação do Blog do Silva Lima por e-mail blogdosilvalima@gmail.com ou WhatsApp (87) 9 9937-6606 ou 9 9101-6973.

Continue lendo

Saúde

Correr descalço pode reduzir risco de lesão no joelho

Publicado

em

Quando introduzida nos treinos de forma progressiva e supervisionada, prática proporciona menos impacto e possibilidade

Apesar dos calçados esportivos serem anunciados com tecnologias avançadas de amortecimento para os aficionados por corrida de rua, a incidência de lesões nas articulações ainda é bastante considerável. Baseados nesse contexto, alguns estudos recentes mostram que a corrida com pés descalços poderia ser uma estratégia para minimizar esses danos. Uma pesquisa do Laboratório de Biomecânica da Escola de Educação Física e Esporte (EEFE) da USP explica melhor essa dicotomia: correr descalço realmente pode ser benéfico, mas desde que a prática seja introduzida aos treinos progressivamente. Há uma redução no impacto recebido pelo corpo e diminui a possibilidade de lesões em joelhos e quadris.

Ana Paula da Silva Azevedo, educadora física e autora do estudo, explica que a ideia não é incentivar as pessoas a correrem sem proteção, mas trazer evidências de que correr descalço possa exercer influência positiva sobre o controle de choque mecânico e na ativação muscular do corpo. Além disso, reforça a pesquisadora, “o novo hábito não deve ser feito de forma abrupta; as alterações devem ser graduadas e levando em conta o volume e a intensidade da corrida”, diz.

Para se certificar das respostas desta prática, durante 16 semanas, Ana Paula acompanhou o treino de corredores recreacionais que estavam acostumados a usar tênis, com o intuito de retirada gradual do calçado esportivo. A idade dos participantes (homens e mulheres) era entre 18 e 40 anos, com experiência de corrida de 5 a 6 anos e distância média de atividade na semana de 44 quilômetros.

Da primeira à quarta semana, foi proposto aos corredores que fizessem seus treinos descalços em torno de 5% do percurso. Da quinta à oitava semana, deveriam aumentar para 10%; da nona à décima segunda, 15%. E assim foi progressivamente até chegar aos 20%. Além da distância percorrida (volume), a pesquisadora também considerou outros parâmetros como intensidade (velocidade) e a superfície onde os corredores faziam os treinos, ou seja, se o terreno era gramado, de areia, terra fofa ou asfalto. A indicação foi de que no início do treinamento, da primeira à oitava semana, deveriam correr em superfícies macias; e depois, da nona à décima sexta semana, passariam a mesclar superfícies macias com outras mais duras, como correr em esteiras e no asfalto.

Ao final, considerando todas essas variáveis, Ana Paula observou que após ter ocorrido a adaptação, os corredores que realizaram parte do treino descalços obtiveram importantes benefícios, como alteração na técnica da corrida (flexão de joelho e geometria de pisada), redução média de 20% das forças de impacto e redução de cerca de 60% na ativação muscular. Na prática, “resultou em menos risco de lesões, especialmente no joelho e quadril, e maior desempenho”, diz a pesquisadora. No entanto, houve evidências de que as pessoas que correram descalças, sem adaptação de treino progressivo, sofreram maior risco de lesões em comparação àquelas que realizaram a adaptação progressiva.

Ana Paula comenta uma notícia que saiu na mídia ano passado sobre um soldado do corpo da guarda imperial etíope, Abebe Bikila, que foi convocado de última hora para substituir um atleta da equipe principal de atletismo para as Olimpíadas de Roma. Ele se recusou a usar o tênis recebido do patrocinador pelas bolhas que surgiram em seus pés. No final, mesmo descalço, ganhou medalha de ouro e estabeleceu recorde mundial e olímpico. Segundo a pesquisadora, foi um fato histórico relevante para mostrar que o calçado esportivo é um elemento importante, mas não determinante. “O ser humano é totalmente adaptável e o aparelho locomotor possui estratégias próprias de proteção que, se adequadamente estimuladas, podem ser tão ou mais eficientes que o calçado”, diz.

Como o corpo se comporta correndo descalço

A pesquisadora explica que, durante o exercício físico, o impacto que o corpo sofre é diferente quando se está calçado ou descalço. Com o tênis, o primeiro contato dos pés com o solo é o calcanhar, enquanto que após a adaptação descalça, são as pontas dos pés que tocam o solo primeiro. “Isso altera o padrão de movimento do corpo e influencia o impacto”, diz. Porém, Ana Paula faz um alerta quanto à migração das lesões: ao adotar a estratégia de correr descalço, há uma redução do esforço na articulação do quadril e do joelho, mas, em compensação, os músculos e as estruturas dos tornozelos e dos pés serão bem mais exigidos na atividade, diz.

Segunda a pesquisadora, precisaria de mais estudos a longo prazo para avaliar melhor as vantagens da introdução de treinos descalços nas corridas. Em sua pesquisa, foi possível apenas garantir que correr descalço poderia ser uma estratégia a ser utilizada pelos educadores físicos para melhorar o controle da carga e do choque mecânico durante a corrida. (POR NOTÍCIAS AO MINUTO)

 

 

Seja sempre o primeiro a saber. Baixe os nossos aplicativos gratuito.

Siga-nos em nossas redes sociais FacebookTwitter e Instagram.Você também pode ajudar a fazer o nosso Blog, nos enviando sugestão de pauta, fotos e vídeos para nossa a redação do Blog do Silva Lima por e-mail blogdosilvalima@gmail.com ou WhatsApp (87) 9 9937-6606 ou 9 9101-6973.

Continue lendo

Saúde

Iniciada segunda etapa de vacinação contra o sarampo em Afogados da Ingazeira

Publicado

em

No horário noturno, as Unidades de saúde funcionarão das 18h às 20h, para vacinar o público-alvo.

Após a primeira etapa de vacinação contra o sarampo, direcionada às crianças ter ultrapassado as metas preconizadas pelo Ministério da Saúde, tem início em Afogados da Ingazeira, a segunda etapa com a meta de vacinar 95% dos adultos entre 20 e 29 anos, que não tenham se vacinado ou não estejam com o esquema completo de vacinação contra o sarampo.

A campanha teve início esta semana e segue até o dia 30 de novembro, em todas as unidades de saúde do município, na cidade e também na zona rural. E para reforçar a campanha e garantir o atendimento da meta, a Prefeitura vai abrir à noite algumas unidades de saúde para atender àqueles que não puderem se vacinar durante o dia. Confira os dias e locais de atendimento noturno:

Segunda – Mandacaru II

Terça – Mandacaru I, São Francisco, Borges, Padre Pedro Pereira e Sobreira

Quarta – São Sebastião, São Braz l e ll

O Sarampo é uma doença grave que causa dor, sofrimento, sequelas e pode levar à morte. A única forma segura de combater a doença é tomar a vacina. Vacine-se, cuide de você e dos que você ama!(Por Andre Luis)

 

Seja sempre o primeiro a saber. Baixe os nossos aplicativos gratuito.

Siga-nos em nossas redes sociais FacebookTwitter e Instagram.Você também pode ajudar a fazer o nosso Blog, nos enviando sugestão de pauta, fotos e vídeos para nossa a redação do Blog do Silva Lima por e-mail blogdosilvalima@gmail.com ou WhatsApp (87) 9 9937-6606 ou 9 9101-6973.

Continue lendo
Propaganda  

Trending